Paralisia de laringe em cães: o que é?

24 Novembro, 2020
A paralisia de laringe é uma patologia do sistema respiratório que pode levar à asfixia.

A laringe é um pequeno órgão localizado entre a traqueia e a faringe que protege a entrada das vias aéreas e está envolvida na capacidade de emitir sons. É constituída por cartilagens que formam o pomo-de-adão e as cordas vocais. A paralisia de laringe em cães reduz ou impede a entrada de ar devido à imobilização dos músculos da laringe.

Por que ocorre?

Em um cachorro saudável, a laringe abre durante a respiração e fecha durante a pausa respiratória para evitar que a saliva e os alimentos entrem no sistema respiratório.

Em cães com paralisia de laringe, os músculos que geralmente abrem as vias aéreas não funcionam adequadamente. Quando o animal inspira, as paredes das vias aéreas não se expandem. Em casos graves, podem até se fechar, levando à asfixia.

Paralisia de laringe em cães

Essa patologia pode ser congênita ou adquirida. Esta última é a forma mais comum: aparece em cães idosos com idade média de 9 ou 10 anos, e é muito mais frequente em machos do que em fêmeas.

A paralisia de laringe adquirida geralmente ocorre em raças grandes e médias, tais como labrador, golden retriever, São Bernardo ou setter irlandês.

Algumas raças de cães têm uma predisposição genética para sofrer de paralisia de laringe: o boiadeiro de Flandres, o husky siberiano, o rottweiler, o dálmata ou o bull terrier são algumas dessas raças. A obesidade é outro fator que pode agravar a situação do cachorro doente.

Sintomas de paralisia de laringe em cães

Nos estágios iniciais da doença, é possível ouvir um ruído durante a respiração. Outros sinais são:

  • Rouquidão quando o cão está ofegante.
  • Tosse, principalmente após o exercício.
  • Respiração ofegante crescente quando o cachorro está calmo ou em repouso.
  • Latidos roucos.
  • Dificuldade para respirar.
  • Intolerância ao exercício.

O cachorro pode apresentar uma expressão ansiosa, com olhos esbugalhados e o tórax se expandindo muito rapidamente.

Outra consequência da paralisia de laringe em cães é o superaquecimento. Os cães se resfriam por meio da respiração e, para isso, mantêm a boca aberta. Se o animal tiver essa patologia, ele terá muito mais dificuldade para manter sua temperatura corporal.

Paralisia de laringe em cães

Em estágios mais avançados, os cães têm dificuldade constante para respirar. Eles não aceitam ser puxados pela coleira e o ruído causado pela respiração fica cada vez mais alto, podendo chegar a precisar de assistência veterinária urgente.

Se suspeitarmos de paralisia de laringe, o melhor a fazer é ir ao veterinário o mais rápido possível. O profissional fará uma série de exames, tais como radiografia de tórax, exames de sangue, exame detalhado da garganta… e então decidirá qual é o tratamento mais adequado para cada caso.

Tratamentos para a paralisia de laringe

Em situações de emergência, será necessária uma possível intubação e a respiração assistida durante um curto período de tempo com o animal sedado. O resfriamento externo também pode ser necessário para reduzir a temperatura.

Nos casos leves, a paralisia de laringe pode ser tratada com medicamentos e algumas recomendações, tais como evitar o excesso de peso, os exercícios intensos, o calor ou o uso de coleiras de adestramento.

A oxigenoterapia pode aliviar as crises respiratórias, mas não é uma cura definitiva, pois as vias aéreas permanecem ‘defeituosas’. Há uma cirurgia para resolver esses casos, que consiste em uma intervenção para manter as vias aéreas abertas por meio de uma sutura que abre as paredes da laringe.

Essa cirurgia é conhecida como tieback e tem como objetivo aumentar o diâmetro das vias aéreas para facilitar a passagem do ar e, como consequência, a respiração e a termorregulação.

O veterinário é quem vai avaliar se a cirurgia é a melhor opção de acordo com o paciente, bem como o tipo de procedimento em si. Após a operação, o cachorro vai precisar de alguns cuidados pós-operatórios para evitar complicações, mas poderá levar uma vida completamente normal.

  • American College of Veterinary Surgeons (ACVS).
  • AVEPA. Manuel Jiménez Peláez, DVM, MRCVS, Diplomate ECVS, Davies Veterinary Specialists, Higham Gobion, Hertfordshire, UK. La parálisis laríngea.
  • Universidad Autónoma de Barcelona. Cirugías veterinarias. Parálisis laríngea.