Parasitas intestinais em gatos: tratamento e prevenção

· março 28, 2018
Os parasitas intestinais em gatos podem representar um risco para a vida do animal. Para evitá-los, a higiene é essencial nos locais onde geralmente o felino transita.

Até 45% da população felina será afetada por parasitas gastrointestinais em algum momento de suas vidas. Com esses níveis de incidência, é essencial aprender a distinguir os sintomas que os nossos animais de estimação podem apresentar uma vez infectados, e evitar que eles se infectem novamente no futuro.

Como saber se o nosso gato está infectado

Os parasitas intestinais em gatos geralmente são silenciosos e eficazes e geralmente atuam em alguma harmonia com o hospedeiro, de quem dependem para sobreviver. Normalmente, quando o nosso gato começa a apresentar sintomas, é um sinal de que houve uma quebra de equilíbrio. 

A reprodução maciça dos parasitas pode colocar a vida do animal em risco e os sintomas que seu animal de estimação pode apresentar podem variar de acordo com o tipo de parasita que o infecta. Aqui está uma lista dos mais comuns:

  • Em gatos jovens, o chamado “fracasso no desenvolvimento”, isto é, uma parada no crescimento normal de um filhote devido à presença de parasitas que monopolizam sua fonte de nutrientes.
  • Raquitismo.
  • Anemia.
  • Vômitos, diarreia e distúrbios gastrointestinais.
  • Perda de brilho na pelagem.
  • Barriga inchada e arredondada.
  • Desidratação.

Estes sintomas podem enfraquecer o nosso gato e torná-lo mais suscetível a doenças causadas por vírus ou bactérias. Os gatos domésticos geralmente são pouco expostos a parasitas, uma vez que costuma-se cuidar bem da higiene deles e eles só terão um maior risco de serem infectados em ambientes não saudáveis ​​ou na natureza.

Tipos de parasitas intestinais em gatos

Os parasitas intestinais em gatos mais comuns, e que podemos detectar nas fezes de nosso gato, são os vermes. Estes podem ser redondos ou planos. Neste último caso, estaríamos falando das tênias.

Os vermes redondos são os mais comuns e geralmente são encontrados em gatos jovens. Os tipos de vermes arredondados que mais frequentemente afetam a população felina são o Toxocara cati e o Toxocara leonina. A fêmea desse tipo de verme pode pôr até 300 000 ovos por dia. Eles geralmente ficam localizados no intestino delgado do gato, que remove os ovos nas fezes.

Os ovos desse tipo de vírus irão infectar o meio ambiente de seu animal de estimação e podem afetar outros animais. Eles também podem infectar humanos. Estes ovos resistem a altas e a baixas temperaturas e mantêm sua capacidade contagiosa por cinco anos.

Os vermes em forma de gancho, também conhecidos como ancilostomídeos, são menos comuns do que os redondos. No entanto, eles geralmente causam maiores danos ao animal, pois se alimentam de sangue e tecidos através da parede intestinal e causam feridas que levam a perda de sangue e anemia grave. Os gatos geralmente são contagiados através da pele ou quando os ingerem.

Entre as tênias, a mais comum é a Dipylidium caninum ou tênia da pulga. Ela é transmitida quando o gato ingere pulgas infestadas com as larvas deste parasita. Normalmente, o animal ingere a pulga por acidente quando se limpa e, assim, se contagia.

Os gatos infectados por tênias geralmente não apresentam sintomas, exceto, talvez, uma ligeira irritação na região anal causada por seus ovos, por isso é aconselhável estar alerta para detectar comportamentos incomuns.

Tratamento e prevenção de parasitas intestinais em gatos

Estes parasitas são tratados com doses de medicação prescritas pelo veterinário. Uma das mais utilizadas é a Piperazina, que os livra dos vermes redondos, mas apenas daqueles que já vivem no intestino. Outro medicamento comum é Pyrantel Pamoate, que pode ser administrado em gatas prenhas e em animais jovens.

No que diz respeito à prevenção, a higiene do ambiente do animal é o fator mais importante a ser levado em conta para evitar a presença de parasitas. Recomendamos a desinfecção regular das áreas onde o gato geralmente fica. Examinar as fezes de nosso animal de tempos em tempos e levá-lo ao veterinário para exames de rotina também pode ser útil.