As particularidades das doenças vetoriais

As doenças, especialmente as transmissíveis, são fenômenos dinâmicos nas populações. Dependem da interação do patógeno com o hospedeiro e o meio ambiente.
As particularidades das doenças vetoriais
Érica Terrón González

Escrito e verificado por a veterinária Érica Terrón González.

Última atualização: 16 maio, 2024

O sucesso biológico de um agente infeccioso está intimamente relacionado ao mecanismo de transmissão e manutenção da infecção. E nesse sentido, as doenças transmitidas por vetores apresentam certas peculiaridades.

Além disso, essas doenças devem ser levadas em conta. Cada vez mais doenças emergentes são de transmissão vetorial. E as alterações climáticas apenas incentivam o aparecimento e a manutenção de novos vetores na natureza.

Transmissão de doenças. Doenças vetoriais.

O conceito de “transmissão” pode ser definido como a passagem do agente infeccioso de um hospedeiro suscetível para outro. Pode ser horizontal, quando ocorre de um indivíduo para outro, ou vertical, quando é transmitido aos descendentes.

Dentro da transmissão horizontal existem duas formas diferentes. Transmissão direta, através do contacto físico, e transmissão indireta, que implica a existência de um intermediário.

O mosquito que morde.

A transmissão de patógenos de um hospedeiro para outro através da picada de um artrópode é um exemplo de contágio horizontal indireto e uma adaptação do agente para evitar o ambiente externo adverso.

Ecologia de doenças vetoriais

A ecologia visa estudar as interações entre os patógenos, os animais ou pessoas que eles infectam e o ambiente que compartilham.

Distribuição de doenças vetoriais nas populações

A distribuição de uma doença em uma população pode ser avaliada sob dois pontos de vista: a distribuição espacial e o ponto de vista temporal.

Tendências na distribuição espacial

Os fatores que influenciam essa distribuição espacial são:

  • A disponibilidade e distribuição de alimentos no terreno.
  • A proporção macho-fêmea, juntamente com o potencial reprodutivo da espécie.
  • Competição por recursos de habitat.
  • Densidade populacional, que influencia a possibilidade ou não de contato direto.
  • O comportamento dos hospedeiros.

Por exemplo, o comportamento da raposa influencia a forma de transmissão da raiva da qual ela é portadora. Ao longo do ano, esses animais podem ser solitários, aos pares ou fazer parte de uma unidade familiar. De forma que geram dois tipos de raiva: a raiva silenciosa, em raposas solitárias, e a raiva furiosa.

Raposa vermelha em seu habitat com filhotes.

Tendências na distribuição temporal

A distribuição temporal de uma doença pode ser:

  • Endêmica: constantemente presente na população.
  • Epidêmica: referindo-se a um aumento repentino e imprevisível no número de casos de uma doença. Ou seja, presentes em um nível superior ao esperado, com uma frequência incomum.
  • Pandêmica: epidemia generalizada que geralmente afeta grande parte da população.
  • Surto esporádico: irregular, fortuito e local.

Doenças transmitidas por carrapatos.

As particularidades das doenças vetoriais

O vetor da doença

É um transmissor animado de agentes infecciosos. Geralmente, está associado a invertebrados, especificamente artrópodes. Mas também existem vetores vertebrados, como morcegos sugadores de sangue e certas aves.

Os vetores podem ser classificados em:

  • Mecânicos: aqueles que transportam fisicamente o agente de um hospedeiro infectado para um receptivo, mas sem multiplicação.
Mosca coprófaga em uma folha.

  • Biológicos: aqueles em que o agente vivencia alguma fase do seu ciclo biológico. Por sua vez, podem ser evolutivos, propagativos ou ciclopropagativos, uma combinação de ambos.

As alterações climáticas influenciam a distribuição de doenças vetoriais?

Por vezes, as condições climáticas e ambientais podem ampliar as possibilidades de movimento dos vetores. Um exemplo claro é a distribuição do vetor da língua azul nos países mediterrânicos.

Na Espanha, inicialmente, a ilha de Menorca foi continuamente afetada pela doença da língua azul. Mas nos últimos anos, como resultado das alterações climáticas, o mosquito transmissor espalhou-se por toda a península. E isso cria uma situação epidemiológica da doença totalmente diferente.

Pessoa alimentando uma ovelha doméstica.

Não temos plena consciência, mas com o aquecimento global os ciclos biológicos dos seres vivos mudam. E isso afeta, sobretudo, as pragas: surgem novas, mais virulentas e transmissoras de doenças. Seu controle e erradicação tornam-se mais difíceis. A sua capacidade de atravessar fronteiras torna-se imparável.

Essas são algumas das razões mais egoístas para querer travar as alterações climáticas. Mas se servir para conscientizar, seja bem-vindo.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.



Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.