Parvovírus felino: sintomas e tratamento

O parvovírus felino é um agente viral extremamente letal. Causa uma condição que não tem tratamento específico, então a mortalidade é muito alta.
Parvovírus felino: sintomas e tratamento

Última atualização: 18 Dezembro, 2021

O parvovírus é um agente viral que causa uma doença conhecida como panleucopenia felina. Esse microrganismo causa doenças em várias espécies de carnívoros e apresenta uma mortalidade extremamente alta, variando entre 20 e 100%. É importante detectar o parvovírus felino assim que se estabelecer em uma comunidade de gatos, pois é a única forma de salvar a vida de animais não infectados.

O controle de infecções por parvovírus não é útil apenas para salvar animais de estimação, pois o agente causador é conhecido por ser capaz de afetar todos os membros da família Felidae. Isso inclui linces, leões, servais, tigres e uma longa lista de animais selvagens. Impedir a propagação do vírus é vital para preservar os ecossistemas e os mamíferos que os habitam.

O que é o parvovírus felino?

Em primeiro lugar, é necessário conhecer o agente causador. O vírus a que nos referimos é o carnivore protoparvovirus 1 (CPPV-1), uma espécie patogênica que infecta felinos e caninos. A doença é dividida em 2 genogrupos principais: CPV-1, que contém o vírus da panleucopenia felina ou parvovírus (FPLV), e CPV-2, que se refere ao parvovírus canino.

Com o intuito de não complicar as coisas, sempre nos referiremos a FPLV como sinônimo de parvovírus felino. No entanto, também é conhecido como vírus da enterite infecciosa felina ou enterite parvoviral seca. Seja como for, o quadro clínico decorrente da infecção em gatos é a panleucopenia felina.

Como fontes profissionais indicam, o parvovírus felino entra nas células que se dividem de maneira ativa e as destrói. Isso inclui os corpos celulares da medula óssea, tecido linfoide, epitélio intestinal e, em animais jovens, o cerebelo e a retina. Em gatas grávidas, o agente pode atravessar a placenta e causar malformações, mumificações e abortos fetais.

O vírus afeta vários tecidos biologicamente ativos do animal. É muito letal.

A gripe do gato requer vários tratamentos.

Causas de infecção

A causa da infecção, como você pode imaginar, é o contato com o vírus. Esse agente patogênico está presente nas fezes de felinos infectados, e espécimes saudáveis são contaminados ao cheirar ou entrar em contato oronasal (boca ou nariz) com elas. Outras secreções corporais e resíduos orgânicos podem conter o agente viral ainda ativo.

Os parvovírus são microrganismos extremamente resistentes. Em certos ambientes, eles podem sobreviver por 1 ano ou mais e manter sua capacidade de infecção. Além disso, eles só são removidos com desinfetantes muito específicos, como alvejante 2%. Devido à sua prevalência e capacidade de sobrevivência no meio ambiente, estima-se que quase todos os gatos de rua sejam expostos ao vírus antes de completarem 1 ano de idade.

Sintomas causados por parvovírus

Como dissemos em linhas anteriores, o quadro clínico derivado do parvovírus felino é a panleucopenia. Uma vez infectados, os gatos começam a apresentar sintomas em um intervalo de 3 a 5 dias, com um máximo de 7. O vírus se multiplica principalmente no tecido digestivo e na medula óssea, o que se traduz em sintomas específicos.

Estes são alguns dos sinais clínicos mais comuns durante a panleucopenia felina:

  • Vômito e diarreia, às vezes com sangue. As fezes contêm sangue em 3-15% dos casos.
  • Febre (acima de 39,5° C).
  • Depressão e apatia.
  • Pelo escorrido e buracos sem pelo no corpo.
  • Desidratação decorrente de vômitos e diarreia.
  • Anemia.
  • Perda de elasticidade da pele.
  • Hipotermia, choque séptico e coagulação intravascular nos casos mais graves.

O sistema imunológico dos felinos afetados fica muito enfraquecido durante a doença. Por isso, é frequente que também desenvolvam infecções secundárias concomitantes. Isso faz com que os sintomas se espalhem para outras áreas e se apresentem com mais sinais.

Os gatinhos com cerebelo afetado apresentam ataxia (falta de coordenação dos movimentos) e tremores.

Diagnóstico de parvovírus felino

O veterinário começará a suspeitar de infecção por parvovírus quando o tutor mostrar os sinais clínicos do animal. Como o nome da condição derivada indica (panleucopenia), a condição é confirmada se uma leucopenia (diminuição dos glóbulos brancos) for detectada durante um exame de sangue.

Por outro lado, a análise laboratorial das fezes permitirá detectar a presença do vírus na matéria fecal. O diagnóstico diferencial deve se encarregar de descartar outras patologias com sintomas semelhantes, como salmonelose, leucemia felina (FeLV) ou depressão crônica.

Quanto mais baixa for a contagem de leucócitos, pior será o prognóstico geral do animal.

Tratamento

Para conter o vírus, todos os gatos afetados devem permanecer na clínica e em isolamento absoluto. Não existe um tratamento específico para matar os parvovírus e o sistema imunológico do animal se encarregará de lidar com isso. No entanto, é necessária uma abordagem agressiva que use os seguintes elementos:

  1. Antieméticos para prevenir vômitos e desidratação.
  2. Antibióticos intravenosos (IV). Embora esses medicamentos não atuem contra os vírus, eles evitam que infecções secundárias ocorram devido à imunossupressão.
  3. Fluidos intravenosos com eletrólitos. Novamente, essa abordagem visa evitar a desidratação e o desequilíbrio homeostático resultante de vômitos e defecações constantes.
  4. Injeções de vitamina B para apoiar o sistema imunológico.
  5. No pior dos casos, transfusões completas de sangue e plasma.

Todas essas abordagens são essenciais para salvar a vida do gato. Se os sinais clínicos forem detectados precocemente e o felino for internado, o prognóstico é relativamente positivo. Além disso, deve-se observar que existe uma vacina (tríplice felina) que previne essa infecção se for administrada em espécimes jovens. Felocell® 3 é uma das preparações comerciais mais comuns.

Um gato doente do estômago.

Prognóstico e notas finais

A mortalidade causada pelo parvovírus felino varia de 25% a 90% em gatos domésticos infectados. No entanto, com terapia de suporte adequada dentro de 24 horas do início dos sintomas, a sobrevida aumenta para 50% (ou mais). É de vital importância agir na hora certa, e cada segundo conta para evitar a morte do gato.

Felizmente, a vacina para panleucopenia e outras doenças está disponível em praticamente todas as regiões do mundo. Recomenda-se aplicá-la em gatos entre 8 e 16 semanas de idade, embora seja necessária uma dose mínima de reforço um ano depois. Se você protege seu animal seguindo a tabela de vacinação, o parvovírus felino nunca será um problema.

Pode interessar a você...
Aprenda a detectar os sintomas do parvovírus canino
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Aprenda a detectar os sintomas do parvovírus canino

Se você tem um cachorro, já deve ter ouvido falar do parvovírus canino, uma doença muito contagiosa em cães e com alta taxa de mortalidade.