Presença de plâncton e algas bioluminescentes nas costas

Na natureza existem fenômenos que parecem ter saído de filmes de fantasia, como a presença de plâncton e de algas bioluminescentes nas costas. Se você quiser saber como funciona esse processo, confira aqui.
Presença de plâncton e algas bioluminescentes nas costas

Última atualização: 26 janeiro, 2022

Você já viu imagens de praias brilhando em um tom azul neon? Sua contemplação é tão surpreendente quanto a explicação por trás dela: a presença de plâncton e algas bioluminescentes nas costas. Essa emissão de luz é um dos processos mais fascinantes que existem na natureza.

Nas linhas deste artigo você poderá entender como funciona esse processo natural e qual sua função para os organismos que têm a capacidade de brilhar. Além disso, se você deseja conhecer os exemplos mais famosos de costas que brilham à noite, está no lugar certo. Não perca nada.

O que é bioluminescência?

A bioluminescência é o processo pelo qual alguns seres vivos emitem luz ativamente (não deve ser confundido com biofluorescência, que é um reflexo da luz). Esse processo pode ocorrer de 3 maneiras diferentes, que são as seguintes:

  1. Bioluminescência intracelular: a luz é produzida por células especializadas dentro do próprio corpo do animal. Esse tipo de bioluminescência é encontrado em muitas espécies de lula.
  2. Bioluminescência extracelular: é um processo de oxidação da luciferina, que dá origem à enzima luciferase. Quando liberada para o exterior, a luciferase produz nuvens luminosas. Os vaga-lumes e alguns animais abissais produzem luz dessa maneira.
  3. Bioluminescência por simbiose com bactérias luminescentes: os animais que brilham por esse método controlam a emissão de luz através dos fotóforos, pequenos sacos nos quais guardam as bactérias bioluminescentes.

A bioluminescência tem várias funções de sobrevivência (camuflagem e alerta) e reprodutiva, pois faz parte do cortejo de algumas espécies. Em certos casos, é usado para atrair presas.

Um peixe abissal bioluminescente.

Microrganismos aquáticos bioluminescentes

As algas bioluminescentes não emitem luz constantemente, mas algum tipo de energia é necessária para produzi-la (como o movimento das ondas quebrando contra as rochas). Além disso, elas nem sempre têm um brilho azulado, pois algumas espécies emitem luz vermelha, verde ou laranja.

Por sua vez, o zooplâncton que tinge de azul as costas também não brilha por si só, mas emite uma substância bioluminescente para atrair outros organismos durante a época de reprodução.

Um exemplo de alga bioluminescente frequentemente encontrada nessas paisagens é o Noctiluca, organismos tão pequenos que milhares deles cabem em uma gota d’água. A função de sua bioluminescência seria espantar os predadores.

Onde estão o plâncton e as algas bioluminescentes nas costas?

Certamente, depois de ver as imagens, você não resistirá a visitar essas paisagens mágicas. Se você tem essa possibilidade e os meios necessários para se deslocar, aqui está uma lista de locais onde é facilmente visível a presença de plâncton e de algas bioluminescentes nas costas.

Jervys Bay (Austrália)

As praias azul brilhante são a principal atração turística da região. Para ter certeza de contemplar esse fenômeno, você deve ir nos meses de verão (dezembro-fevereiro) e escolher uma noite o mais escura possível, mesmo com lua nova e nuvens.

Em Preservation Bay (Tasmânia, Austrália) esse fenômeno também é observado, causado por Noctiluca scintillans, que durante o dia ficam rosados na água.

Um exemplo de bioluminescência.

Maldivas

Entre julho e dezembro, as praias das Maldivas ficam de um tom azul-eletrizante à noite, especialmente nas ilhas Vaadhoo e Mudhdhoo. Além disso, se você decidir visitar esse país, pode estender o seu turismo ao resto da maravilhosa biodiversidade que possui.

Maya Bay (Tailândia)

Na verdade, toda a área de Krabi possui algas bioluminescentes. A oferta turística inclui desde roteiros para conhecer o fenômeno na região até mergulho livre noturno e banho em meio a esse espetáculo de cores.

Infelizmente (e no ano de 2021), Maya Bay está fechada para turistas. O objetivo é reabilitar essa área ao nível do ecossistema.

Holbox (México)

Holbox (“buraco negro” em maia) é uma ilha localizada no canal de Yucatan. É famosa pela maneira especial como se manifesta a bioluminescência de seu plâncton: em vez de ser um brilho uniforme, tem a aparência de um mar de estrelas.

Flashes de luz aparecem quando esses microrganismos são perturbados pela força mecânica da água, e seu brilho varia do azul ao prateado, passando pelo esverdeado.

Toyama Bay (Japão)

Os vaga-lumes marinhos (Vargula hilgendorfii) são os responsáveis por manchar o mar nessa região do Japão. Uma das imagens mais famosas é a das rochas por onde caem os rastros desses pequenos crustáceos bioluminescentes.

Vieques (Porto Rico)

O local mais bioluminescente conhecido até hoje é a Baía do Mosquito, onde foi registrado que na quantidade correspondente a uma colher de sopa de água existem pelo menos 6 mil unidades de algas bioluminescentes. O organismo responsável pelo fenômeno é o Pyrodinium bahamense, um dinoflagelado.

Vieques, Porto Rico: presença de plâncton e algas bioluminescentes nas costas

Vislumbrar esse fenômeno ou mesmo tomar banho em águas que se iluminam à medida que você passa é uma experiência que não pode ser esquecida. Porém, lembre-se sempre de respeitar o local onde você se hospeda e não prejudicar sua fauna e flora, pois desfrutar dessas maravilhas não deve ser motivo para que desapareçam para sempre.

This might interest you...
Doenças digestivas em cães braquicefálicos
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Doenças digestivas em cães braquicefálicos

As doenças digestivas em cães braquicefálicos são mais comuns do que parecem. Aqui vamos mostrar as mais importantes. Confira!



  • Marta, C. I. S., & Moorillón, G. V. N. (2010). LA BIOLUMINISCENCIA DE MICROORGANISMOS MARINOS Y SU POTENCIAL BIOTECNOLÓGICO. Revista Científica de la Universidad Autónoma de Coahuila2(3).
  • Biggley, W. H., Swift, E., Buchanan, R. J., & Seliger, H. H. (1969). Stimulable and spontaneous bioluminescence in the marine dinoflagellates, Pyrodinium bahamense, Gonyaulax polyedra, and Pyrocystis lunula. The Journal of general physiology54(1), 96-122.https://rupress.org/jgp/article/54/1/96/47351
  • Haddock, S. H., Moline, M. A., & Case, J. F. (2010). Bioluminescence in the sea. Annual review of marine science2, 443-493.