Projeto CES: Captura, Esterilização, Soltura

Em algumas cidades espanholas estão começando a dar vida ao projeto CES, organizado pelas instituições, ou mantidos por associações protetoras ou particulares.

As siglas do projeto CES correspondem às palavras “Captura, Esterilização, Soltura”, e fazem referência às colônias de gatos de rua. Por tal nome, parece que se trata de apanhar todos os felinos de rua para esterilizá-los, mas as metas de um projeto assim vão bem mais além.

No mundo todo, as cidades estão cheias de gatos de rua, que adoecem sem que ninguém os ajude, e que se reproduzem sem controle. As gatas entram no cio constantemente, mas é principalmente na chegada da primavera que começam a nascer centenas de gatinhos de ruas.

Poucos se adaptam à vida nas ruas, muitos deles morrem em seus primeiros meses de vida. E ainda que cheguem à idade adulta, a expectativa de vida de um gato de rua não passa de 5 anos. Um felino que tem um lar pode viver até 15 anos.

Os projetos CES

O único método que provou diminuir as ninhadas que nascem nas ruas, e o tamanho das populações de gatos de rua, foi o método CES: captura, esterilização e solta. Voluntários que vivem em cada cidade se encarregam de apanhar os felinos, esterilizá-los e devolver todos os gatos as suas colônias.

Gatinho preto e branco

Mas o projeto CES não tem como única motivação apenas esterilizar os gatos: além disso, controlam-se as colônias.

Aos voluntários são atribuídas colônias que eles devem vigiar e cuidar. Eles se encarregam de dar comida e água, oferecer cuidados veterinários quando necessário, desparasitar, e de procurar famílias que adotem os filhotes que nasceram lá, e, também, aos gatos abandonados que forem parar nas colônias.

Vantagens do projeto CES

Para cuidar e controlar uma colônia, é necessário tempo e dinheiro. Mas, ainda assim, há muitas vantagens:

  • Diminuem a natalidade e o tamanho das populações de rua.
  • Só se oferece ração, evitando pragas de insetos e sujeira.
  • Há um controle e identificação dos gatos que vivem em cada colônia. Implantam um chip e identificam o animal como gato de rua, para evitar que eles terminem sendo executados.
  • Ao se esterilizar os gatos, eliminam-se brigas por territorialidade ou cio.
  • Melhora-se a salubridade da área, já que desaparecem as marcações territoriais de urina.

Como saber se em determinada cidade há colônias?

As colônias controladas costumam estar sinalizadas com cartazes informativos. Se uma colônia está controlada, esses gatos não precisam de mais ajuda, só tranquilidade.

Se não há cartazes informativos, também é possível saber se um gato de rua foi esterilizado (e, portanto, passou por um CES). Ele tem um entalhe em uma das orelhas.

É uma prática habitual em todo mundo para saber se um felino está esterilizado, e assim ele não será capturado. Este entalhe na orelha será feito pelo veterinário logo após a esterilização, enquanto o animal ainda estiver anestesiado. É indolor, e como é feito na cartilagem, não é necessário cuidados extras e se cura sozinho em poucas horas.

Assim, se alguém vir um gato em alguma das cidades atendidas pelo projeto com entalhes nas orelhas, saberá que há um responsável cuidando dele.

Como agir diante uma colônia controlada

Os gatos de uma colônia controlada não costumam precisar de nada mais além de tranquilidade. São animais que, em sua maioria, não se adaptariam à vida familiar dentro de uma casa. Normalmente, eles não querem muito contato com os humanos.

Colônia de gatos

São gatos que vivem felizes à solta nas ruas. Como sua colônia está controlada, sabemos que há alguém lhes dando de comer regularmente e monitorando a saúde de cada um.

Se alguém quiser ajudar as colônias de gato de sua cidade, o melhor a fazer é fixar cartazes informativos. Estes devem conter os nomes ou contatos das organizações que dão de comer a estes felinos. Alguém disposto a ajudar pode entrar em contato com elas e oferecer ajuda. Sempre são necessários mais voluntários, ração e dinheiro.

Mas se não há colônias controladas, é possível ajudar aos animais da rua começando a controlar uma colônia. Isso se trata unicamente de colocar ração e não restos de alimentos humanos, e de proteger o alimento para evitar que ele estrague ou que alguém o envenene.

Os gatos de rua caçam bichos e evitam pragas. Também mantêm afastados os ratos, e deveriam nos ensinar a respeitar as vidas que convivem conosco nas cidades. As colônias controladas são a maneira mais respeitosa e humana de protegê-los e de assegurar uma convivência pacífica.

Fonte da imagem principal: Projeto CES Aragón

Recomendados para você