Quantos dentes um gato tem?

É importante estar atento ao estado dos dentes dos gatos, pois certas doenças podem reduzir o número e a espessura dos dentes. Se você detectar qualquer anormalidade na boca do seu felino, leve-o ao veterinário imediatamente.
Quantos dentes um gato tem?

Última atualização: 19 Dezembro, 2021

Os dentes são um dos órgãos mais importantes para os animais, pois a alimentação depende deles. Como os humanos, os gatos têm dentes que mudam à medida que eles crescem, fazendo com que experimentem uma “troca” em certa idade. Isso deve ser levado em consideração ao falar sobre quantos dentes um gato possui, pois o número de dentes varia ao longo de sua vida.

Os felinos apresentam apenas dois conjuntos de dentes ao longo de seu desenvolvimento, conhecidos como dentes de leite e dentes permanentes. Ambos possuem características muito específicas, visto que desempenham um papel essencial que atende às necessidades básicas do animal de estimação. Continue lendo para aprender mais sobre os dentes do seu gato.

De onde vêm os dentes?

Os dentes dos animais começam a se formar a partir da gestação, mas o processo termina alguns meses após o nascimento. Por isso, os gatos nascem sem dentes, pois ainda precisam passar por certas modificações corporais e metabólicas para gerar dentes funcionais.

Em outras palavras, os dentes que se formam durante a gravidez são, na verdade, uma espécie de “polpa” macia, não endurecida. Após o parto, essa estrutura começa a se calcificar para se proteger e endurece, o que já é consistente com a descrição normal de um dente.

Todo esse processo está fora do nosso alcance, pois ocorre enquanto os dentes estão imersos no maxilar (mandíbula). Dessa forma, os dentes ficam protegidos para endurecer e depois poderem sair. Nesse ponto, começa um movimento dentário conhecido como erupção, no qual cada dente sai pela gengiva.

Isso significa que os dentes estão presentes desde o nascimento, apenas não estão visíveis porque ficam protegidos dentro da mandíbula. Da mesma forma, o tempo de endurecimento é o motivo pelo qual certos dentes surgem mais cedo do que outros, pois cada um começa a calcificar em momentos diferentes.

Gato de boca aberta mostrando os dentes.

Os tipos de dentes de um gato

Os animais passam por um processo evolutivo que os transforma para que se adaptem às suas necessidades ao longo de suas vidas. Essas alterações também afetam os dentes, pois a dieta é melhor processada se eles tiverem os dentes adequados para consumi-la. Existem diferentes tipos de dentes que desempenham funções específicas durante a mastigação.

Os gatos são organismos carnívoros que precisam de dentes para cortar a carne, por isso seus dentes são adaptados para cumprir essa função. Os tipos de dentes que os felinos apresentam são os seguintes:

  • Incisivos: são dentes pequenos e curtos de formato retangular. Sua função geralmente é rasgar e cortar os alimentos.
  • Caninos: de aspecto grande, alongado e com a extremidade pontiaguda. Esse tipo de dente pontiagudo é característico dos carnívoros, pois lhes permite morder e rasgar a carne de suas presas.
  • Pré-molares: geralmente são dentes mais largos e com irregularidades na superfície. Esses aspectos servem para que os felinos comecem a moer o alimento que entra em sua boca.
  • Molares: são ligeiramente maiores que os pré-molares, mas com mais irregularidades na superfície. Graças a essas características, facilitam a trituração dos alimentos e a digestão.

Quantos dentes o gato tem?

Os gatos são animais que possuem dois conjuntos dentários completos, que são trocados à medida que o organismo cresce. Por esse motivo, o número de dentes muda de acordo com a idade do animal. As duas dentaduras que esses felinos possuem são os dentes de leite e os dentes permanentes. Nós os veremos com mais detalhes nas linhas a seguir.

Dentes de leite (dentes decíduos)

Os dentes de leite são os primeiros dentes a aparecer nos gatos. Na verdade, essa dentadura começa a surgir com 2 semanas de idade e é concluída na 5ª semana. No total, a dentição de leite é composta por 26 dentes distribuídos em ambas as mandíbulas. A acomodação em cada mandíbula é a seguinte:

  1. Mandíbula superior: 6 incisivos na frente, 1 canino de cada lado (2) e 3 pré-molares de cada lado (6). Um total de 14 dentes.
  2. Mandíbula inferior: 6 incisivos na frente, 1 canino de cada lado (2) e 2 pré-molares de cada lado (4). Um total de 12 dentes.

Essa dentadura se caracteriza por ser menor, mais fina e mais afiada do que os dentes permanentes. Essas diferenças estão associadas ao tamanho do felino, já que a mandíbula não cresceu o suficiente para deixar mais espaço na boca. Consequentemente, os dentes decíduos (de leite) são mais “delicados”, pois não podem endurecer demais.

Os dentes temporários são desenvolvidos como um meio temporário de alimentação. Isso significa que o corpo não gasta muitos recursos com esses dentes, pois os perderá quando forem substituídos por dentes permanentes.

Dentes permanentes

Os dentes permanentes são os dentes definitivos dos gatos, por isso são responsáveis por “empurrar” os decíduos no processo de troca. Essa dentadura começa a emergir com 11 semanas de idade e o processo termina logo após a 24ª semana. No total, é composta por 30 dentes distribuídos em ambas as mandíbulas, cuja disposição é a seguinte:

  • Mandíbula superior: 6 incisivos na frente, 1 canino de cada lado (2), 3 pré-molares de cada lado (6) e 1 molar de cada lado (2). Um total de 16 dentes.
  • Mandíbula inferior: 6 incisivos na frente, 1 canino de cada lado (2), 2 pré-molares de cada lado (4) e 1 molar de cada lado (2). Um total de 14 dentes.

A maior diferença entre a dentição decídua e a permanente é a presença dos molares. Isso ocorre porque em um gato jovem a mandíbula é mais curta, então não há espaço suficiente para abrigar esses dentes. Quando o animal cresce, não apenas os molares são adicionados, mas os outros dentes se alargam e calcificam melhor.

A calcificação faz com que os dentes permanentes sejam maiores e mais fortes do que os dentes de leite.

Cuidados com os dentes do gato

Os dentes dos gatos são bastante resistentes, por isso alguns problemas como cáries não são muito comuns nesses animais de estimação. No entanto, isso não significa que eles não devam receber algum tipo de atendimento odontológico. Como os humanos, a escovação é a melhor técnica para manter a saúde dos dentes nos felinos.

Existem alimentos e petiscos duros que podem ser usados para limpar os dentes dos gatos. No entanto, esse tipo de cuidado não é uma substituição completa para a escovação dos dentes. Como resultado, os responsáveis podem enfrentar um dilema, pois alguns animais de estimação não suportam limpezas dentais em casa.

A melhor solução é consultar um veterinário para uma avaliação dentária, pois os profissionais podem limpar bem os dentes do seu animal. Da mesma forma, qualquer anomalia oculta na boca do animal será analisada para garantir que os dentes do gato fiquem perfeitos.

Lembre-se de que provavelmente será aplicada uma anestesia geral ao animal durante o processo, pois isso facilita muito o exame oral.

O atendimento odontológico aos gatos é múltiplo.

Por fim, lembre-se de que é importante ficar atento à saúde do felino, já que muitos problemas dentários não são muito evidentes. Por isso, procure fazer visitas regulares ao veterinário, pois só assim você manterá seu animal de estimação em bom estado de saúde.

Pode interessar a você...
Quando os dentes dos gatos nascem?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Quando os dentes dos gatos nascem?

Os gatos nascem sem dentes, mas à medida que crescem, essas estruturas vão surgindo gradualmente. Saiba quando os dentes dos gatos nascem.



  • Calderón, Z. A., Crespo, M. V., Montilla, G. Y., Paris, I., & Rojas, I. P. (2014). Odontología veterinaria: Revisión de la literatura. Rev. Venez. Invest. Odont, 2, 46-59.
  • Castejón–Gonzalez, A., de la Morena-Cabanillas, M., San Román-Llorens, F., Fernández-Sánchez, J. M., Trobo-Muñiz, I., & San Román-Ascaso, F. (2016). Odontopediatría canina y felina. Cln. Vet. Peq. Anim., 36(2), 79-89.
  • Ramos Rodríguez, H. G., Nava Martínez, A., & Olivera Rodríguez, R. M. (1992). Desarrollo, erupción y características de los dientes del gato doméstico. Rev. ADM, 182-7.
  • Niemiec, B., Gawor, J., Nemec, A., Clarke, D., McLeod, K., Tutt, C., … & DAVDC, D. E. (2020). Pautas dentales globales de la Asociación Mundial de Veterinarios de Pequeños Animales. Journal of Small Animal Practice, 61.
  • Eesquivel Velázquez, N. I., & Reyes Mejia, K. T. (2014)Manual de enfermedades periodontales en perros y gatos. (Tesis grado) UAEMex. Estado de México.
  • Gorrel, C. (2011). Odontologia em pequenos animais. Elsevier Brasil.