Quando os dentes dos gatos nascem?

Os gatos apresentam uma erupção dentária rápida, pois todo o processo dura cerca de 6 meses, enquanto nos cães demora pouco mais de 7 meses.
Quando os dentes dos gatos nascem?

Última atualização: 29 novembro, 2021

Os dentes constituem o órgão de mastigação por excelência de vários animais, porque, graças a essas estruturas, eles são capazes de pré-digerir e moer os alimentos. No entanto, alguns organismos não nascem com dentes, os quais crescem à medida que o indivíduo se desenvolve. No caso dos gatos, o crescimento dentário começa com 2 semanas de nascido e termina com 20 semanas de idade.

Essas estruturas dentais são de extrema importância para o crescimento dos felinos, pois, sem elas, eles não seriam capazes de ingerir seus alimentos. Além disso, os dentes também funcionam como um mecanismo de defesa, pois são uma ferramenta afiada, capaz de causar danos a qualquer inimigo. Continue lendo este artigo e descubra quando os dentes dos gatos nascem.

Quantos dentes um gato tem?

Como os humanos, esses gatos têm 2 conjuntos dentários diferentes ao longo de suas vidas, que costumam ser chamados de dentes de leite e dentes permanentes. Um gato adulto tem 30 dentes, enquanto os mais jovens de 3 a 4 semanas de idade têm no máximo 26.

Essa diferença se deve ao desenvolvimento normal dos gatos, pois passam por um processo de “muda” com o qual conseguem trocar seus dentes de leite por dentes permanentes. Embora possa não parecer, essa mudança é necessária, uma vez que os dentes de leite só surgem para permitir que o corpo se alimente enquanto jovem. Quando o animal cresce, essa dentição não é mais suficiente.

A dentição de leite é chamada de dentição decídua e é composta de dentes pequenos, não muito grossos. A disposição dos 26 elementos dentários temporários em cada mandíbula do gato é a seguinte:

  • Maxilar superior: 6 incisivos anteriores, 1 canino de cada lado (2) e 3 pré-molares de cada lado (6).
  • Maxilar inferior: 6 incisivos anteriores, 1 canino de cada lado (2) e 2 pré-molares de cada lado (4).

A dentição definitiva se caracteriza por ser maior que a provisória, pois a mandíbula do animal cresce e deixa mais espaço para cada dente. Graças a isso, a quantidade sobe para 30 dentes no total. A disposição geral dos elementos é a seguinte:

  • Maxilar superior: 6 incisivos anteriores, 1 canino de cada lado (2), 3 pré-molares de cada lado (6) e 1 molar de cada lado (2).
  • Maxilar inferior: 6 incisivos anteriores, 1 canino de cada lado (2), 2 pré-molares de cada lado (4) e 1 molar de cada lado (2).
Os dentes de um pequeno gato.

Erupção dos dentes de gato

A erupção dentária é o movimento que os dentes fazem ao emergir da gengiva. Embora possa parecer indolor, o deslocamento das peças causa uma série de pequenos desconfortos no animal, entre os quais:

  • Inflamação e dor nas gengivas.
  • Sialorreia: salivação excessiva.
  • Mudanças de comportamento: inquietação e agressões leves.
  • Dificuldade para comer: devido ao desconforto nas gengivas, os gatos costumam não se alimentar bem ou ingerem apenas pequenas doses.

Esse processo é muito bem programado, pois a ordem de aparecimento de cada dente está atrelada à idade do organismo. Graças a isso, o plano cronológico da dentição felina é quase totalmente conhecido, sendo possível identificar as datas aproximadas em que cada dentição aparece.

Quando os dentes de leite do gato nascem?

Assim que nascem, os dentes dos gatinhos começam a aparecer na 3ª semana de idade, e o processo termina na 6ª semana. Em geral, a erupção dos dentes temporários sempre começa com os incisivos, continua com os caninos e termina com os pré-molares.

Quando os dentes permanentes do gato nascem?

No caso dos dentes permanentes, o processo de substituição começa na 11ª semana de idade e termina na 24ª semana. Durante esse estágio, a dentição permanente começa a “empurrar” a dentição decídua para empurrá-la. No final, isso faz com que alguns sintomas de erupção dentária reapareçam, já que os movimentos irritam a boca do gato novamente.

Cuidados com os dentes do gato

Como os humanos, os dentes do gato requerem certos cuidados para evitar algumas doenças. O ideal é escovar a boca do felino de 3 a 7 vezes por semana com pastas e escovas especiais para o animal. Lembre-se de que os cremes dentais para uso humano contêm certos agentes prejudiciais aos animais. Portanto, não podem ser usados em gatos.

Apesar da insistência, alguns gatos não concordam em escovar os dentes e não é uma boa ideia forçá-los. Nesses casos, alguns tipos de alimentos duros ou petiscos podem ajudar na limpeza dentária, pois enquanto o animal os mastiga, ocorre um efeito abrasivo. No entanto, não é uma substituição completa para a escovação.

É importante observar que, mesmo que você escove os dentes do seu gato diariamente, ainda assim precisará levá-lo ao veterinário para uma avaliação dentária. Algumas condições bucais não são óbvias. Portanto, apenas um profissional pode identificá-las facilmente. Lembre-se de visitar a clínica pelo menos uma vez por ano para garantir que seu animal de estimação não tenha problemas bucais.

A gengivite é muito comum em felinos domésticos idosos, pois nem todos os tutores limpam a boca do seu animal de estimação adequadamente.

Quando os dentes do gato nascem?

Manter a higiene bucal é de extrema importância quando se busca a saúde do animal. Lembre-se de que a maioria dos animais de estimação possui dentes permanentes que devem receber cuidados para evitar a queda. Como no ser humano, qualquer descuido pode afetar seriamente a qualidade de vida desses maravilhosos companheiros.

Pode interessar a você...
O que dizem os dentes do seu gato?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
O que dizem os dentes do seu gato?

Saúde bucal dos gatos, felinos e problemas dentários, mau hálito em gatos, escovação dos dentes dos gatos, salivação excessiva, tártaro em gatos



  • Calderón, Z. A., Crespo, M. V., Montilla, G. Y., Paris, I., & Rojas, I. P. (2014). Odontología veterinaria: Revisión de la literatura. Rev. Venez. Invest. Odont, 2, 46-59.
  • Gorrel, C. (2011). Odontologia em pequenos animais. Elsevier Brasil.
  • Castejón–Gonzalez, A., de la Morena-Cabanillas, M., San Román-Llorens, F., Fernández-Sánchez, J. M., Trobo-Muñiz, I., & San Román-Ascaso, F. (2016). Odontopediatría canina y felina. Cln. Vet. Peq. Anim., 36(2), 79-89.
  • Ramos Rodríguez, H. G., Nava Martínez, A., & Olivera Rodríguez, R. M. (1992). Desarrollo, erupción y características de los dientes del gato doméstico. Rev. ADM, 182-7.
  • Niemiec, B., Gawor, J., Nemec, A., Clarke, D., McLeod, K., Tutt, C., … & DAVDC, D. E. (2020). Pautas dentales globales de la Asociación Mundial de Veterinarios de Pequeños Animales. Journal of Small Animal Practice, 61.