O que você deve saber sobre os dentes dos gatos

março 22, 2020
Os dentes dos gatos são protagonistas em todas as suas atividades diárias. Portanto, prevenir os problemas dentários do seu bichano deve ser umas das suas prioridades.

A saúde dos dentes dos gatos é importante para todos os tipos de atividades: comer, caçar, morder brinquedos… À medida que o bichano cresce, aumenta o risco de desenvolver várias formas de doenças dentárias.

Conheça os dentes dos gatos

Assim como os seres humanos, os gatos têm dois conjuntos de dentes em suas vidas. O primeiro é formado por 26 dentes decíduos, ou “dentes de leite”. Sua aparição começa por volta das três semanas de vida. Esses dentes geralmente são muito afiados, quase como agulhas, e caem após quatro meses de vida.

A dentição permanente é composta por 30 dentes. Os caninos dos gatos são caracterizados por ser altamente desenvolvidos, em comparação com os incisivos.

Além disso, a forma dos seus molares também é característica, projetada para rasgar e cortar os alimentos, não para mastigá-los como os molares humanos.

Os dentes dos gatos são formados por um material ósseo: a dentina e o esmalte que cobrem a coroa e o cimento que cobre a raiz. Por outro lado, existem os tecidos moles do dente, que incluem a polpa com seus vasos sanguíneos e nervos.

Se um gato tiver uma doença bucal, ela costuma ser decorrente de quatro causas principais: doença periodontal, câncer bucal, estomatite felina ou reabsorção dentária. Entre essas quatro doenças orais felinas, a reabsorção dentária é a mais comum.

Gato com problemas de saúde bucal

O que caracteriza a reabsorção dentária?

Em geral, em um processo de reabsorção, a estrutura original se desfaz gradualmente até finalmente ser remodelada. Assim, na reabsorção dentária ocorre a destruição gradual dos dentes dos gatos. O processo é extremamente doloroso, embora muitos gatos não mostrem sinais óbvios de dor, a menos que a lesão seja tocada.

O processo começa do lado de fora de um dente, na linha da gengiva. Embora a condição possa ocorrer em qualquer dente, é mais comum em pré-molares da mandíbula inferior. Externamente, pode parecer que o tecido gengival cresce sobre ou dentro do dente.

Também pode parecer que um buraco é formado no dente, e é por isso que a reabsorção é às vezes chamada de cavidade. Ela não deve ser confundida com as cáries, que são raras em gatos.

Nos estágios finais do processo, o esmalte é reabsorvido e o dente é fraturado ou remodelado como uma formação visível – de tecido duro semelhante a um osso – na linha da gengiva.

Gato mostrando seus dentes

Possíveis causas da reabsorção dos dentes dos gatos

Sabe-se que a placa acumulada na superfície do dente causa uma reação inflamatória que desempenha um papel no desenvolvimento da reabsorção dentária.

Embora não existam estudos conclusivos, foi sugerido que o excesso crônico de vitamina D na dieta pode ser a causa buscada – por tanto tempo – da reabsorção dentária em gatos domésticos. Alguns alimentos industrializados desenvolvidos para gatos contêm níveis mais altos de vitamina D do que o recomendado.

Tratamento da reabsorção dos dentes felinos

A remoção de um dente sob reabsorção é o único tratamento para a doença A extração pode ser um procedimento difícil de executar, porque os dentes afetados costumam ser bastante frágeis e frequentemente quebram e lascam durante a extração.

É importante ter em mente que é necessário fazer radiografias para confirmar o diagnóstico e também visualizar fragmentos de dentes fraturados. O dente inteiro e todos os fragmentos devem ser extraídos para evitar infecções ou outros problemas.

Nem todas as clínicas veterinárias estão equipadas para lidar com a reabsorção dentária. É necessário fazer uma radiografia dentária e ter o equipamento cirúrgico adequado, além de treinamento especializado.

  • Reiter, A. M., Lewis, J. R., & Okuda, A. (2005). Update on the etiology of tooth resorption in domestic cats. Veterinary Clinics: Small Animal Practice, 35(4), 913-942.
  • Reiter A, Lyon K, Nachreiner R, Shofer F. (2005) Evaluation of calciotropic hormones in cats with odontoclastic resorptive lesions. AJVR; 66: 1446-1452.
  • Vogt, A. H., Rodan, I., Brown, M., Brown, S., Buffington, C. T., Forman, M. L., … & Sparkes, A. (2010). AAFP-AAHA: feline life stage guidelines.
  • Booij-Vrieling H, de Vries T., Schoenmaker T, Tryfonidou M, Penning L, Hazewinkel H, Everts V. (2012). Osteoclast progenitors from cats with and without tooth resorption respond differently to 1, 25-dihydroxyvitamin D and interleukin-6. Research in veterinary science, 92(2), 311-316.