Quatro razões para esterilizar seu animal de estimação

· abril 22, 2018
Esse procedimento tem vantagens importantes relativas à saúde do animal. Também amansa o caráter, o que é benéfico para aqueles animais de comportamento nervoso.

Esterilizar seu animal de estimação é uma decisão importante que só você pode tomar. Essa escolha importante, se você aceitar fazer isso, trará grandes benefícios a seu companheiro, além de mudanças de comportamento e até em sua saúde em geral.

O que é a esterilização?

A esterilização é um procedimento veterinário de pouca exigência complexidade, no qual acontece a remoção ou neutralização dos órgãos reprodutores dos animais. É muito comum que seja realizado só em gatos e cães, ainda que seja feito também em outras espécies.

O procedimento é simples, com duas formas: uma mais invasiva e outra de forma química. Essa operação geralmente tem um custo muito acessível e, ao redor do mundo, é realizada de maneira responsável.

A intenção do procedimento é evitar que os animais entrem em seu ciclo reprodutivo e poder controlar a população de uma espécie. Com a esterilização, busca-se também prevenir uma série de doenças associadas à reprodução animal.

Além disso, a esterilização produz mudanças benéficas no comportamento do cachorro ou gato. A seguir, vamos lhe falar sobre os benefícios deste procedimento.

Gato tomando injeção

Benefícios de esterilizar seu animal de estimação

De mudanças fisiológicas a temperamentais, a seguir falaremos um pouco sobre os diferentes benefícios que esterilizar seu animal de estimação traz a seu amigo peludo.

Mudanças hormonais = mudanças de comportamento

Nos machos, ao remover os testículos, produz-se uma mudança de temperamento muito considerável. A maioria dos machos caninos são muito territoriais e até temperamentais, devido à concentração de testosterona que seu corpo apresenta.

Sem os testículos, o animal se comportará com mais tranquilidade e submissão, diferente dos indivíduos que têm esses órgãos. Ele também não vai querer deixar a casa com urgência atrás de uma fêmea, o que pode ser muito problemático.

Em geral, o animal ficará mais calmo e gostará mais de ficar em casa. Mesmo que queira passear para saciar sua energia, você não o verá suplicando para sair.

Nas fêmeas, não ter os ovários interrompe o ciclo reprodutivo, o que detém o processo do cio e da menstruação. Ao deter o ciclo, também diminui nas fêmeas a necessidade de sair de casa atrás de um par.

Cachorro idoso

Ela se mostrará mais tranquila e talvez até mais triste nos primeiros dias, algo completamente normal por estar se adaptando às mudanças. Com o tempo, ficará mais amigável e brincalhona, inclusive com estranhos.

Além disso, por não ter o cio, a fêmea não terá problemas com os machos da área, já que será impossível para eles acasalar-se com ela.

Previne doenças graves

É um mito que seja preciso deixar o animal chegar ao primeiro cio para realizar a esterilização. Ao não fazê-lo, corre-se o risco de que aumentem as possibilidades do animal sofrer de câncer de mama ou de colo de útero. Essas doenças têm um alto índice de mortalidade tanto em cães como em gatos.

Nos machos, o procedimento evita a transmissão de doenças entre os membros do mesmo gênero, algo importante se o indivíduo vive com animais da mesma espécie. Um exemplo é o vírus da imunodeficiência em gatos, que tem um alto índice de mortalidade.

Além disso, esterilizar seu animal de estimação evitará a criação de futuros tumores e cistos em áreas complicadas para os animais. Os mais recorrentes geralmente se localizam no ânus e no escroto.

Gato com tumores

Melhora a expectativa de vida

É um fato científico que os animais esterilizados têm mais qualidade de vida em relação aos indivíduos não esterilizados.

Se você deseja aumentar a longevidade de seu animal de estimação, esterilizá-lo é uma forma saudável de estender a vida de seu companheiro.

Isso porque o procedimento ajuda na erradicação das doenças acima mencionadas. Além disso, o metabolismo do animal desacelera um pouco, o que aumenta sua expectativa de vida. Em outras palavras, o animal terá uma saúde excepcional em relação aos semelhantes que não passaram por esse procedimento.

Evita a superpopulação

A maioria dos donos que decidem cruzar seus animais buscam o melhor para os filhotes resultantes da união, o que é muito bom. O problema é que nem sempre isso acontece de forma satisfatória.

Muitos dos filhotes acabam sendo dados a lares nos quais viverão bem no começo, mas que depois abandonarão o animal. Isso por conta de problemas econômicos e de espaço para manter o animal confortável. As férias também são um motivo.

Outro problema está também nos lares instáveis, nos quais os cães são maltratados ou forçados a procriar, nas chamadas “granjas de animais”. Isso, no entanto, nem sempre acontece, vale ressaltar.