As 5 raças mais delicadas de cães

O shar pei é o cão mais suscetível a desenvolver tumores cutâneos agressivos, como os mastócitos. No entanto, ele não é o único que pode sofrer de alguma patologia. Aqui apresentamos as 5 raças de cães mais delicadas em termos de saúde.
As 5 raças mais delicadas de cães

Última atualização: 16 maio, 2022

Quando decidimos adotar ou comprar um cão, nós o adquirimos com tudo o que ele implica, as suas virtudes e defeitos e até as doenças que possa ter. Existem raças de cães que são mais delicadas em termos de saúde do que outras, graças aos diferentes cruzamentos que foram feitos para originá-los e dotá-los dos atributos desejados (tamanho, alguma habilidade ou aparência física).

A informação sobre as características e doenças que os diferentes tipos de cães podem sofrer permite que você se previna e proporcione ao seu animal de estimação tudo o que necessita para uma vida feliz. Por esse motivo, neste espaço apresentaremos as raças de cães mais propensas a doenças. Não deixe de conhecê-las.

Quais são as raças de cães mais saudáveis?

Um Mastim Napolitano na floresta.

As doenças que os cães podem sofrer são diversas (cardiovasculares, respiratórias, de pele, mucosas, cancros, entre outras). Muitas delas são distúrbios hereditários que alguns animais sofrem com mais frequência. Especialmente puro-sangue versus misto. Aqui estão as 5 raças de cães com mais problemas de saúde.

1. Mastim napolitano, uma das raças de cães mais delicadas

O mastim napolitano é um cão grande e forte, por isso pode apresentar distúrbios devido ao seu tamanho. Uma delas é a displasia coxofemoral, com alta prevalência (59%), segundo estudos realizados com cães registrados na Colombian Canine Club Association, entre 1990 e 2014. É uma patologia que afeta sua qualidade de vida, por isso é necessário cuidar muito bem de sua dieta e evitar a obesidade.

No entanto, não é a única doença que eles podem sofrer. Eles têm uma pele brilhante e delicada, com olhos que também são suscetíveis a inflamações, cataratas e deformações. Além disso, é uma raça propensa a problemas respiratórios e leishmaniose, entre outras condições.

2. Shar pei

O shar pei é um cão que se destaca pela sua pele com rugas muito marcadas, e esse órgão é em particular o mais delicado. Pode apresentar várias infecções se não tomar os devidos cuidados. Entre esses problemas, temos as infecções causadas por fungos, ácaros ou bactérias.

Da mesma forma, é a raça mais suscetível a desenvolver tumores de pele agressivos, chamados de mastócitos. Estes afetam tanto fêmeas como machos. Existem diferentes complicações e graus de malignidade, uma vez que algumas vezes podem afetar outros órgãos, como fígado, linfonodos e baço.

Outras condições nessa raça incluem displasia do quadril, problemas de tireoide e mega esôfago, assim como catarata nos olhos.

3. Bull terrier inglês

O bull terrier é um cão adorável, forte e muito enérgico. No entanto, é uma das raças menos saudáveis. Entre suas condições comuns, temos problemas respiratórios, infecções de ouvido, alergias de pele, doenças oculares e alguns problemas comportamentais. A surdez também pode estar presente.

A surdez afeta principalmente espécimes brancos puros e, em menor grau, indivíduos coloridos. Por esse motivo, recomenda-se a realização de exames médicos que descartem esse tipo de patologia.

Uma doença preocupante no bull terrier é a acrodermatite letal, pois pode levar ao abate antes da idade adulta. É causada por um problema no metabolismo do zinco e se manifesta com manchas características na pele. Os cães que sofrem com isso têm uma sobrevivência aproximada de apenas 7 meses.

O exercício adequado ajuda a reduzir o comportamento inadequado dessa raça tão ativa, bem como a evitar o excesso de peso. No entanto, a prática de atividade física equilibrada é importante para não afetar as articulações do cão.

4. Bulldog inglês

Outra das raças de cães mais delicadas em termos de saúde corresponde ao bulldog inglês. É um espécime com uma aparência física muito marcante, com um focinho curto que o faz sofrer de problemas respiratórios como a síndrome braquicefálica.

Além disso, o buldogue é suscetível a apresentar displasia de quadril, distúrbios digestivos, distúrbios oculares e tende a estar acima do peso. Por isso, você deve ter atenção com sua dieta em particular, pois, devido à dificuldade respiratória, é um cão que não pode fazer muito exercício. São recomendadas caminhadas em ritmo médio, em horários distantes das refeições e nas horas menos quentes para evitar ondas de calor e complicações.

5. Boxer

Uma das raças de cães que mais se confundem com o pit bull

A raça boxer também é grande, com corpo forte, pelo curto e brilhante, muito ativa e fiel. No entanto, apesar de sua aparência, é suscetível a problemas cardíacos, displasia coxofemoral, alguns tipos de tumores (como mastocitomas) e epilepsia. Alergias e problemas de pele também podem estar presentes, assim como distúrbios estomacais e intestinais, entre outras doenças frequentes.

Embora existam certas raças de cães que são mais delicadas em termos de saúde do que outras, todos os cães podem apresentar doenças. Algumas são evitáveis com os devidos cuidados. Por essa razão, não devem deixar de realizar os exames veterinários regulares e cumprir o calendário de vacinação. É muito importante dar ao nosso animal de estimação toda a atenção e o amor que ele merece para que possa ter uma vida plena e feliz.

Pode interessar a você...
Quatro doenças comuns em raças de cães de pequeno porte
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Quatro doenças comuns em raças de cães de pequeno porte

As raças de cachorro de pequeno porte são muito populares em áreas urbanas. Confira a seguir as quatro doenças comuns nesses animais!



  • Aleksiewicz, R., Budzińska, Z., Nowicki, M., Adamiak, Z., & Lisiecka, B. (2008). Canine hip dysplasia of selected breeds-results obtained by two Polish clinics based on radiological examination conducted in 1997-2006. Polish Journal of Veterinary Sciences, 11(2),139-142.
  • Bravo, D., Cruz-Casallas, P., & Ochoa, J. (2010). Prevalencia de neoplasias en caninos en la Universidad de los Llanos, durante 2004 a 2007. Revista MVZ Córdoba, 15(1),1925-1937.
  • Gonzalez-Dominguez, M. (2016). Patologías dermatológicas de origen nutricional en los pequeños animales: una revisión. Revista CES: Medicina Veterinaria y Zootecnia, 11(2), 82-102.
  • Merizalde, J. (2017). Prevalencia de la displasia de cadera, en individuos registrados en la Asociación Club Canino Colombiano, entre 1990 y 2014. [Tesis de pregrado, Universidad de La Salle]. https://ciencia.lasalle.edu.co/cgi/viewcontent.cgi?article=1129&context=medicina_veterinaria