6 razões para dar suplementos de magnésio aos cães

O magnésio é um oligoelemento essencial para o bom funcionamento do corpo, mas por que dar suplementos de magnésio aos cães?
6 razões para dar suplementos de magnésio aos cães

Última atualização: 08 Dezembro, 2020

As dietas balanceadas para cães fornecem a quantidade suficiente de magnésio de que o animal necessita. No entanto, às vezes, devido a condições de saúde específicas, os cães podem precisar de suplementos de magnésio.

No corpo, a quantidade de magnésio existente é menor que a de cálcio ou fósforo. Esse magnésio é armazenado principalmente – entre 60 e 70% – nos ossos. Além dessa função de fornecer estrutura ao esqueleto, o magnésio está envolvido em outras vias metabólicas do corpo. Na verdade, é o cátion intracelular mais abundante, do qual dependem muitas funções do corpo.

Os alimentos mais ricos nesse oligoelemento são, em sua maioria, de origem vegetal. Entre eles encontramos cereais integrais e leguminosas, embora também existam laticínios.

Suplementos de magnésio podem ser usados ​​como medicamento em cadelas grávidas ou no pós-parto

Os suplementos de magnésio para cães podem ser usados ​​como fármaco terapêutico para curar ou regular a pré-eclampsia em cadelas grávidasA eclampsia é causada pela queda do nível de cálcio no sangue. Além disso, o suplemento pode ser usado para curar certos tipos de arritmias.

Suplementos de magnésio podem ser usados ​​como medicamento em cadelas grávidas ou no pós-parto

Suplementos de magnésio para cães melhoram a diabetes

O magnésio melhora o controle glicêmico em indivíduos com diabetes mellitusQuando um suplemento de magnésio é adicionado à dieta, ele ajuda a reduzir os níveis de glicose em jejum e após as refeições. Além disso, também aumenta a sensibilidade à insulina.

Previne a arteriosclerose

A arteriosclerose não costumava ser uma doença comum em cães. Na verdade, esse animal era considerado artero resistente. No entanto, atualmente mais casos de arteriosclerose em cães são relatados a cada dia. Acredita-se que isso ocorra devido à sua proximidade com os humanos, ao seu papel como animal doméstico e à má alimentação de muitos cães hoje, por serem alimentados em excesso e com comida destinada a humanos.

Essa doença se caracteriza pela formação de placas fibrosas em uma das camadas das veias e artérias e por depósitos de gordura. Os suplementos de magnésio, nesses casos, podem reduzir a inflamação e os triglicerídeos no sangue, e aumentar o HDL ou o que é conhecido como “colesterol bom”.

Previne a arteriosclerose

Ajuda com a hipertensão

Os suplementos de magnésio colaboram com os medicamentos para cães hipertensos, aumentando sua eficácia. Portanto, é interessante o uso combinado desses suplementos com medicamentos direcionados à hipertensão, sempre sob estrito controle veterinário.

Pode ajudar a saúde dos cães com doença renal crônica

A perda progressiva da função renal é acompanhada por uma alteração da calcificação óssea e uma diminuição da excreção de fósforo. Além disso, promove a calcificação vascular. Tudo isso pode causar hiperfosfatemia no cão, o que pode levar à intoxicação e, em alguns casos, à morte.

O magnésio, combinado com outros componentes, colabora na captação do fósforo livre. Isso melhora a calcificação dos ossos e reduz a concentração de íons de fosfato no sangue.

Magnésio como condroprotetor

Muitos condroprotetores ou outros suplementos para a cartilagem do cachorro contêm magnésio. Isso ocorre porque, ocasionalmente, os problemas nas articulações podem começar com uma deficiência de magnésio na dieta ou a incapacidade de assimilá-lo. Assim, o magnésio é responsável por fixar o cálcio e permitir a sua reabsorção.

Pode interessar a você...
Benefícios da alimentação natural para animais de estimação
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Benefícios da alimentação natural para animais de estimação

Muitos costumam oferecer ração a seus bichinhos, mas hoje falaremos sobre os benefícios da alimentação natural para animais de estimação.



  • Ávila Adarme, H. R., Rairán, N., & Rafael, L. (2016). Diagnóstico histopatológico de arterioesclerosis en perros (Canis lupus familiaris). Revista de Medicina Veterinaria, 1(32), 79-89.
  • Barbagallo, M., & Domínguez, L. J. (2013). Magnesio, diabetes y síndrome metabólico. Cirugía y Cirujanos, 81(5), 365-367.
  • De Francisco, Á. L., & Rodríguez, M. (2013). Magnesio y enfermedad renal crónica. Nefrología (Madrid), 33(3), 389-399.
  • García, M. Y., Bernando, M. L. D., & Burguera, M. P. (2006). Cuantificación y evaluación de calcio, magnesio, estroncio, cobre, zinc y hierro en muestras óseas y suero sanguíneo de pacientes con artrosis. VITAE.
  • Martínez Gómez, E. F. J. (1988). Influencia de la dieta rica en magnesio sobre la aparición de fibrilación ventricular en el infarto agudo del miocardio experimental en perros (Doctoral dissertation, Universidad Autónoma de Nuevo León).
  • Reséndiz Aparicio, J. C., & Aguirre García, E. (2008). Epilepsia, magnesio y valproato. Revista Mexicana de Neurociencia, 9(3), 206-214.
  • Risso, A. L. (2016). Conceptos Básicos de Nutrición en perros y gatos.