Saiba mais sobre os efeitos da raiva nos cachorros

· janeiro 5, 2018

A raiva em cães foi uma das doenças caninas mais comuns e alarmantes do século passado. Isso se deveu ao fato dela apresentar um alto risco de contaminação entre espécies e uma alta taxa de mortalidade. Portanto, foi considerada um problema de Saúde Pública.

A raiva em cães é uma doença devastadora nos países da Ásia e da África. Estima-se que 80 mil pessoas morram anualmente de contaminação pelo vírus da raiva.

A raiva em cães foi controlada na Europa e América. Esses continentes reduziram radicalmente os diagnósticos com campanhas de vacinação em massa. Essas campanhas foram realizadas gratuitamente para animais de estimação e animais de rua.

História e características básicas da raiva em cães

A raiva em cães é uma doença infecciosa, viral e aguda. É considerada uma zoonose de alto risco para a Saúde Pública, porque se espalha entre todos os mamíferos, incluindo humanos.

Esta doença é causada por um vírus pertencente à família Rhabdoviridae, do gênero Lyssavirus tipo 1.

Cachorro latindo com raiva

O patógeno se multiplica primeiro nas células musculares. Posteriormente, ele alcança neurônios e gânglios nervosos. Ela se manifesta mais agudamente no sistema nervoso central e no cérebro, podendo levar a uma encefalite aguda.

A infecção da raiva torna-se particularmente alarmante devido à pouca probabilidade de cura. A encefalite da raiva tem quase 100% de letalidade.

O vírus se espalhou por todo o mundo, afetando os mamíferos domésticos e selvagens. Na Europa e América, a maioria dos casos diagnosticados em seres humanos foram transmitidos por cães. Nos Estados Unidos, os morcegos são os principais vetores da raiva.

O vírus fica depositado na saliva do animal contaminado. Portanto, a principal forma de transmissão é através de mordidas de animais infectados. Em casos menos comuns, as contaminações foram observadas pelo contato direto de feridas cutâneas com a saliva de animais infectados.

Como reconhecer a raiva em cães?

A raiva tem um período de incubação de 3 a 8 semanas em animais. Embora seja variável de acordo com o estado de saúde de cada organismo.

Nos seres humanos, os primeiros sintomas da infecção geralmente aparecem após 4 semanas.

1ª fase – Mudanças de comportamento

Na primeira etapa, o animal mostra mudanças no seu comportamento. Eles geralmente parecem nervosos, assustados ou desconfiados. É comum que prefiram ficar sozinhos ou isolados, pois se tornam mais sensíveis aos estímulos externos.

Outro sintoma frequente é a febre intermitente.

2ª fase – Fúria

Aqui estão os sintomas mais conhecidos da raiva em cães. O animal fica permanentemente irritado e hiperativo. Ele também pode apresentar um comportamento agressivo de forma inesperada e morder qualquer coisa que encontrar pela frente.

Em casos menos comuns, o animal mostra desorientação e dificuldade de reconhecimento espacial. Podem ocorrer convulsões.

É muito importante ter muito cuidado nesta fase. O cão violento é mais propenso a morder um ser humano ou outro animal, infectando-o.

3º estágio – Paralisação

Nesta fase terminal, o cão sofre paralisia dos músculos, cabeça e pescoço. Normalmente, o animal entra em coma profundo.

O avanço da paralisia causa insuficiência respiratória e cardíaca, levando à morte. No entanto, a maioria dos animais infectados não atinge esse estágio.

As estatísticas veterinárias indicam que a taxa de mortalidade atinge 99% quando a doença evolui para a 2ª fase.

Portanto, é essencial levar o animal imediatamente ao veterinário quando qualquer mudança em seu comportamento for reconhecida. O diagnóstico precoce pode salvar sua vida e prevenir a propagação do vírus da raiva.

Existe um tratamento para a raiva?

Não há tratamento específico para a raiva, nem para animais nem para humanos. É por isso que a prevenção é a chave quando se trata dessa doença.

Como prevenir a raiva em cães?

A posse responsável é a melhor maneira de prevenir a raiva em cães. Manter a vacinação do animal atualizada e realizar a desparasitação periodicamente é essencial para cuidar da saúde do seu amigo.

Cachorro no veterinário

No caso de nosso animal de estimação ser mordido por outro animal, devemos agir rápido. É aconselhável lavar a ferida imediatamente com água e sabão e levar o animal ao veterinário com urgência.

Se um ser humano for mordido, a ferida também deve ser lavada com água e sabão. É essencial buscar atendimento médico imediatamente. O médico fornecerá o tratamento adequado. Geralmente, consiste em 1 dose de imunoglobulina anti-raiva, seguida de 4 doses de vacina contra a raiva.

A raiva em cães é uma zoonose que ameaça seriamente a saúde pública dos animais e dos seres humanos. Vacinar seu animal de estimação pode salvar sua vida e proteger todos os que estão ao seu redor.