Sapo zumbi: uma nova espécie da Amazônia

O sapo zumbi é uma espécie da Amazônia que passou despercebida por anos e tem um canto peculiar.
Sapo zumbi: uma nova espécie da Amazônia

Última atualização: 23 maio, 2022

O sapo zumbi é um anfíbio descoberto no ano de 2021, sobre o qual muito ainda é desconhecido. É nativo de uma das áreas com maior diversidade de animais e um paraíso para organismos desse tipo. Devido aos seus hábitos incomuns, é especialista em esconder sua presença, sendo essa a razão pela qual nada se sabia sobre ele até agora.

Esse sapo pertence ao grupo dos sinapturídeos, que são exemplares que vivem em ambientes com umidade excessiva. Especificamente estamos nos referindo ao Synapturanus zombie, um anfíbio incrível que irá surpreender você. Continue lendo para saber mais sobre esse animal peculiar.

Habitat e distribuição do sapo zumbi

Todo o gênero está distribuído na região amazônica, embora especificamente o sapo zumbi seja encontrado apenas na Guiana Francesa e no Amapá. É por isso que mantêm uma estreita relação com as florestas úmidas, pois somente estas reúnem a umidade necessária para sua sobrevivência.

Esses sapos são geralmente noturnos e fossoriais, o que significa que têm uma grande capacidade de escavação, preferindo ambientes subterrâneos. Em outras palavras, eles passam a maior parte de sua existência enterrados, embora em certos momentos, se houver umidade suficiente, eles saiam à superfície.

Recursos do sapo zumbi

Esse anfíbio é muito pequeno, mal chegando a 40 milímetros de comprimento, mas tem um corpo largo e redondo. Além disso, possui olhos salientes, com nariz alongado que termina em bico, o que o faz ter um rosto de aparência peculiar. Por outro lado, suas extremidades não possuem discos nos dedos, pois, ao contrário de outros sapos, suas falanges são um pouco mais longas.

Além disso, a pele dessa espécie parece ser completamente lisa e translúcida, com cores marrons e manchas alaranjadas no dorso. Por outro lado, a car branca predomina em suas barrigas, cujas tonalidades chegam até a ponta do nariz.

Embora suas características físicas sejam compartilhadas com os membros de seu grupo, seu tamanho, sua coloração e seu canto são algumas das peculiaridades desse espécime. De fato, de acordo com um artigo publicado na revista científica Zoologischer Anzeiger, prevê-se que possam existir vários outros tipos de sapos muito semelhantes a este que ainda precisam ser descobertos.

Por que ele vive no solo?

Esses organismos têm uma pele muito sensível e é por isso que precisam de umidade no ambiente para sobreviver. Ademais, isso explica seu comportamento fossorial, uma vez que a umidade é melhor retida na lama, enquanto se perde rapidamente na superfície. Por isso, somente quando há chuva torrencial é que esse sapo pode sair ao ar livre, aproveitando esse momento para se reproduzir.

O sapo zumbi

Os pesquisadores que descobriram essa espécie embarcaram em uma odisseia para descobrir mais sobre ela. Além disso, eles tiveram que ficar expostos a chuvas tão fortes que em mais de uma ocasião acabaram cobertos de lama. Na verdade, o nome de sapo zumbi não se refere às características do sapo, mas à aparência dos pesquisadores depois de procurar por horas na lama.

Reprodução

Como vários tipos de sapos, esse organismo usa seus cantos para atrair a fêmea. Além disso, o macho vocaliza estando enterrado vários centímetros na lama, deixando todo o trabalho para a fêmea, que é quem o procura ativamente.

Ao contrário do que se espera, esses anuros não precisam de um corpo d’água para colocar seus ovos, pois seu ambiente é naturalmente muito úmido. Por isso, tudo o que fazem é cavar um buraco na lama, onde depositam seus ovos e os fertilizam através do amplexo. Além disso, o grupo dos sinapturídeos caracteriza-se por possuir ovos muito grandes em relação ao seu tamanho.

Estado de conservação

Como ainda falta muita informação sobre os sapos zumbis, o status de sua população é completamente desconhecido. No entanto, o habitat em que ele se desenvolve é um dos que mais sofreu desmatamento nos últimos anos. Só em 2020, estima-se que quase 11.088 quilômetros de árvores foram destruídos na Amazônia, uma das maiores perdas da década.

Os anfíbios são um dos organismos mais ameaçados, devido à poluição e à destruição de seu habitat. Isso ocorre porque sua pele é extremamente sensível. Portanto, qualquer alteração na umidade ou nas características da água pode levar a várias doenças. Além disso, pequenas mudanças na composição da fauna do ecossistema também podem afetar sua saúde.

Graças ao fato de que esses organismos vivem em áreas de difícil acesso, eles estão bem protegidos e têm conseguido persistir. No entanto, nem tudo é positivo, essa mesma situação impossibilita ajudá-los em caso de emergência. Isso acaba sendo contraditório, pois visto dessa forma, o ser humano pode ser sua maior ameaça ou sua melhor salvação.

Pode interessar a você...
Os sapos podem respirar debaixo d’água?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Os sapos podem respirar debaixo d’água?

Os sapos podem respirar debaixo d'água através de sua pele, mas a oxigenação nesse meio é insuficiente para que permaneçam submersos.



  • Fouquet, A., Leblanc, K., Fabre, A. C., Rodrigues, M. T., Menin, M., Courtois, E. A., … & Kok, P. J. (2021). Comparative osteology of the fossorial frogs of the genus Synapturanus (Anura, Microhylidae) with the description of three new species from the Eastern Guiana Shield. Zoologischer Anzeiger293, 46-73.
  • López-Rojas, J., & Cisneros-Heredia, D. (2012). Synapturanus rabus Pyburn, 1977 in Peru (Amphibia: Anura: Microhylidae): filling gap. Check List8, 274.
  • Fouquet, A., Leblanc, K., Framit, M., Réjaud, A., Rodrigues, M. T., Castroviejo-Fisher, S., … & Fabre, A. C. (2021). Species diversity and biogeography of an ancient frog clade from the Guiana Shield (Anura: Microhylidae: Adelastes, Otophryne, Synapturanus) exhibiting spectacular phenotypic diversification. Biological Journal of the Linnean Society132(2), 233-256.
  • Junior, C. H. S., Pessôa, A. C., Carvalho, N. S., Reis, J. B., Anderson, L. O., & Aragão, L. E. (2021). The Brazilian Amazon deforestation rate in 2020 is the greatest of the decade. Nature Ecology & Evolution5(2), 144-145.
  • MacCulloch, R. D. (2009). Introduction to the taxonomy of the amphibians of Kaieteur National Park, Guyana. Phyllomedusa: Journal of Herpetology8(1), 67-68.
  • Nelson, C. E., & Lescure, J. (1975). The taxonomy and distribution of Myersiella and Synapturanus (Anura: Microhylidae). Herpetologica, 389-397.