Sapo tomate: habitat e características

O sapo tomate costuma ser facilmente encontrado em Madagascar, razão pela qual esse local foi chamado de "a aldeia dos sapos tomate".
Sapo tomate: habitat e características

Última atualização: 20 abril, 2022

O sapo tomate se caracteriza por apresentar um tom avermelhado intenso em sua pele que é bastante marcante. Essa característica peculiar serve de alerta aos predadores, pois o animal secreta uma substância pegajosa e tóxica desagradável ao paladar. Graças a essa estratégia, ele é capaz de sobreviver em seu ambiente.

Essa espécie recebe o nome científico Dyscophus antongilii e pertence ao grupo dos anfíbios anuros, onde se agrupam todos os sapos e rãs. Caracterizam-se por serem muito dependentes da água e por se deslocarem com pequenos saltos pelo ambiente terrestre. Continue lendo aqui e conheça a fundo o incrível sapo tomate.

Habitat e distribuição do sapo tomate

Esse anfíbio é endêmico do norte de Madagascar, incluindo a Baía de Antogil, Andevoranto, Maroantsetra e a Reserva Ambatovaky. Pode ser encontrado em locais que estão ao nível do mar ou a no máximo 600 metros de altitude. É possível que habite outras áreas próximas à sua distribuição, mas à primeira vista pode ser confundido com Dyscophus guineti e os limites de cada um não são certos.

O sapo tomate vive em diferentes tipos de habitats úmidos, como selva, áreas costeiras, pântanos e corpos de água parados. No entanto, também se adaptou a viver perto de ambientes urbanos onde há um lugar para se esconder.

Características da espécie

Esse anfíbio tem entre 8 e 10 centímetros de comprimento e apresenta coloração vermelha intensa, enquanto sua barriga tem tons mais claros ou até mesmo brancos. Além disso, apresenta uma linha preta reta dos olhos até o abdômen, característica da espécie. Também exibe um dimorfismo sexual leve, em que as fêmeas são maiores e mais brilhantes que os machos.

O corpo do sapo é redondo e apresenta algumas dobras nas laterais. Suas patas traseiras são maiores e mais robustas que as dianteiras, o que lhe permite se mover com saltos. Além disso, é capaz de se inflar para parecer maior e impressionar seus concorrentes. Embora isso também sirva para evitar que um predador o coma.

Quando esses sapos se sentem ameaçados, eles secretam uma substância pegajosa que tem um gosto ruim e pode causar irritação. Predadores que têm o azar de entrar em contato com esse líquido, ficam bem grudados e a substância permanece na boca ou nos olhos por vários dias. Para os seres humanos, essa substância não representa nenhum perigo para a saúde. No entanto, em alguns casos, é capaz de causar reações alérgicas.

Comportamento

O sapo tomate tem um comportamento noturno, pois assim evita a desidratação e as horas do dia com calor intenso. Geralmente, ele se esconde sob a serapilheira ou entre a vegetação de corpos d’água. Isso o ajuda a passar despercebido para poder caçar suas presas. Na verdade, ele pode permanecer imóvel por muito tempo para atingir seu objetivo.

Alimentação

Esse anfíbio tem uma dieta principalmente insetívora, mas também é capaz de devorar qualquer outro animal de tamanho compacto que cruze seu caminho. Caracteriza-se por ser um predador que persegue suas vítimas enquanto se esconde na vegetação. Além disso, possui excelentes reflexos com os quais captura sua comida em apenas alguns segundos.

Para facilitar a deglutição, o sapo tomate empurra os olhos nas órbitas, pois com isso consegue gerar maior pressão de sucção. Isso permite que ele engula sua presa mais rapidamente e se prepare imediatamente para o caso de outra vítima desavisada passar.

Reprodução

A época de reprodução geralmente começa após a estação chuvosa, embora algumas populações tenham a capacidade de acasalar durante todo o ano. A única coisa que precisam é de um corpo de água para colocar seus ovos, já que sua fertilização é externa e eles liberam ambos os gametas (óvulos e espermatozoides) no ambiente para serem fertilizados.

Essa espécie produz uma série de vocalizações que é incessantemente repetida para atrair um parceiro. Cada macho guarda um pedaço de terra específico e acasala com todas as fêmeas incluídas nele. Para esse processo, utiliza uma estratégia chamada amplexo, que consiste em uma espécie de “abraço” com o qual ambos os indivíduos se aproximam e liberam seus gametas na água ao mesmo tempo.

A fêmea é capaz de liberar entre 1 mil e 1,5 mil ovos em cada desova. Cada um deles eclodirá cerca de 36 horas depois e produzirá um girino (larva). Essas pequenas larvas semelhantes a peixes se alimentam de matéria orgânica suspensa na água. Quando crescem o suficiente, passam por uma metamorfose que muda todo seu o corpo, assumindo a aparência de um sapo adulto.

Estado de conservação

A União Internacional para a Conservação da Natureza classifica o sapo tomate como uma espécie pouco preocupante. Isso se deve à sua grande resistência à perturbação de seu habitat e à sua capacidade de se reproduzir ao longo do ano. Ambos os aspectos parecem ter mantido a sua população estável, pelo que se presume que seja bastante abundante.

As características desse anfíbio o tornaram alvo de vários amantes de animais exóticos. De fato, é relativamente fácil para que se reproduza em cativeiro, então seu uso se tornou muito difundido. No entanto, lembre-se de que ele secreta substâncias irritantes capazes de causar inflamação. Tenha em mente que nem todas as espécies são adequadas para cativeiro e nem todos os tutores estão preparados para cuidar delas.

Pode interessar a você...
Como cortar as unhas de uma tartaruga?
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Como cortar as unhas de uma tartaruga?

Cortar as unhas de uma tartaruga geralmente não é um processo cotidiano, mas pode se tornar necessário em determinadas situações. Saiba mais.



  • Andreone, F., Mattioli, F., Guarino, F. M., Tessa, G., & Giacoma, C. (2007). Longevity and body size in three populations of Dyscophus antongilii, Microhylidae, Dyscophinae, the tomato frog from north-eastern Madagascar.
  • Segev, O., Andreone, F., Pala, R., Tessa, G., & Vences, M. (2012). Reproductive phenology of the tomato frog, Dyscophus antongili, in an urban pond of Madagascar’s east coast. Acta Herpetologica, 7(2), 331-340.
  • Evans, C. M., & Brodie, E. D. (1994). Adhesive strength of amphibian skin secretions. Journal of Herpetology, 28(4), 499-502.
  • IUCN SSC Amphibian Specialist Group. (2017). Dyscophus antongilii. The IUCN Red List of Threatened Species 2017: e.T6937A84159360. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2017-2.RLTS.T6937A84159360.en.