6 espécies de animais migratórios

O comportamento migratório dos animais geralmente é determinado por fatores genéticos, hormonais e ambientais.
6 espécies de animais migratórios

Última atualização: 25 Abril, 2021

As migrações são deslocamentos coordenados de animais de uma mesma espécie por longas distâncias. Estas ocorrem periódica, anual ou sazonalmente. Existem muitos animais migratórios, desde pássaros a mamíferos, peixes ou insetos.

A migração pode ocorrer por diferentes razões dependendo da espécie. Em geral, os animais tendem a migrar em busca de maior disponibilidade de alimentos, temperaturas mais adequadas ou terrenos mais favoráveis para a reprodução.

É um fenômeno único que requer enorme risco e esforço energético para os animais migratórios. Neste espaço, falaremos sobre algumas das espécies animais que apresentam esse comportamento.

As espécies mais fascinantes de animais migratórios

A migração geralmente está associada às aves, mas são não apenas elas que migram. Esses são alguns dos exemplos mais impressionantes de migração, que vão muito além dos animais alados.

1. Trinta-réis-ártico (Sterna paradisaea)

O trinta-réis-ártico é muito reconhecível por sua aparência de gaivota pequena e estilizada, com um bico vermelho e uma coroa preta na cabeça. Essas aves marinhas ostentam o que é provavelmente a migração mais longa em todo o reino animal.

A cada ano, o trinta-réis-ártico viaja 2 vezes do Círculo Polar Ártico para o Círculo Polar Antártico, uma de ida e outra de volta. Nesse processo, ele percorre cerca de 71 000 quilômetros. Durante sua vida, que pode se estender por até 30 anos, essas aves podem viajar 2,4 milhões de quilômetros.

2. Rena ou caribu (Rangifer tarandus)

Muitos mamíferos herbívoros de grande porte, especialmente artiodátilos, realizam grandes migrações de rebanho. Entre eles, destacam-se a rena ou o caribu. Nem todas as subespécies de rena migram, pois algumas são sedentárias. No entanto, as subespécies migratórias realizam um dos movimentos mais longos em terra.

As renas da subespécie Rangifer tarandus granti viajam anualmente 4800 quilômetros para se mover entre seus territórios de inverno e áreas de reprodução costeiras.

As renas são animais migratórios.

3. Andorinha-de-bando (Hirundo rustica)

Esse pequeno pássaro insetívoro é um dos exemplos mais reconhecidos de migração. As andorinhas estão amplamente distribuídas ao redor do globo, passando os invernos no hemisfério sul e retornando ao hemisfério norte quando as temperaturas aumentam.

As populações que podem ser encontradas na Espanha são migrantes transaarianas: esses pássaros passam o inverno na África e cruzam o deserto para chegar à Europa e se reproduzir quando chega a primavera. Infelizmente, estão ameaçados pela destruição humana de seus ninhos, o que é ilegal.

Filhotes andorinha-de-bando

4. Enguia-europeia (Anguilla anguilla)

A enguia-europeia é um peixe migratório catádromo com aspecto superficial de cobra. Isso significa que ela passa parte de sua vida em água salgada e parte em água doce.

As enguias jovens vivem nas águas doces do continente europeu durante anos, até atingirem a maturidade sexual. Nessa época, os adultos iniciam sua jornada até o Mar dos Sargaços: uma enorme formação de algas flutuantes no Oceano Atlântico, onde esses animais se reproduzem e morrem.

Após a eclosão, as larvas viajam na Corrente do Golfo por 300 dias até chegar à Europa, onde sofrem metamorfose e recolonizam águas doces.

A enguia-europeia é um dos animais migratórios.

5. Pinguim-imperador (Aptenodytes forsteri)

Esses animais, tão carismáticos quanto reconhecíveis, também são migratórios. Naturalmente, eles não migram voando como outras aves, mas empreendem uma longa marcha através de seus gélidos territórios.

Durante o verão, esses pinguins vivem nas costas da Antártica, onde podem pescar e se alimentar. Conforme o inverno se aproxima, esses animais começam sua marcha lenta para os terrenos interiores de reprodução.

As fêmeas voltam à costa depois de terem posto os ovos, mas os machos permanecem nos territórios do interior. Lá, eles incubam os ovos por meses até o retorno das fêmeas.

Dois espécimes de pinguim-imperador.

6. Borboleta-monarca (Danaus plexippus)

Danaus plexippus é a única borboleta migratória que faz uma viagem de ida e outra de volta por ano, como acontece com as aves. Esses lepidópteros têm uma das migrações mais longas de todos os insetos, pois percorrem cerca de 4800 quilômetros. Devido à sua curta expectativa de vida, a jornada é completada por diferentes gerações de borboletas.

No outono, esses lepidópteros viajam de seus locais de reprodução no norte dos Estados Unidos e no Canadá para os terrenos em que passam o inverno no México.

Quando as temperaturas começam a subir, as borboletas começam sua jornada de retorno. No Texas, elas se reproduzem e morrem, mas as larvas se alimentam e se desenvolvem para se transformar em borboletas adultas, que continuam sua jornada para o norte.

Esse processo pode ser repetido por 4 ou 5 gerações, até que as borboletas-monarcas consigam chegar ao Canadá, de onde partiram seus ancestrais. Curiosamente, a geração que migra para o México tem uma expectativa de vida muito mais longa e completa a jornada por conta própria.

As borboletas-monarca são animais migratórios.

Os animais migratórios costumam apresentar sérios problemas de conservação, uma vez que devem ser protegidos nos diferentes territórios que ocupam ao redor do globo. Isso costuma ser difícil, pois requer coordenação entre diferentes países, que muitas vezes têm interesses diferentes.

Pode interessar a você...
A migração da cegonha-branca
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A migração da cegonha-branca

A migração da cegonha-branca (Ciconia ciconia) mudou. Aqui, vamos contar quais são as causas disso. Descubra como isso aconteceu!