Seu bebê e um gato podem conviver bem?

· janeiro 20, 2018

A introdução de um novo membro familiar é um pouco mais delicada quando se possui um animal de estimação. Mas não é tão complicado como muita gente pensa. A adaptação de seu bebê e um gato depende basicamente de planejamento.

Os bichanos são parentes diretos dos grandes felinos. São donos de uma personalidade caçadora, independente e dominante. Ao invés dos animais selvagens, os gatos e os cães mantêm características da infância durante toda a idade adulta.

É basicamente esse aspecto que torna os gatos e os cães domesticáveis e possíveis de treinar. Ao invés dos grandes felinos e dos lobos, que podem ser apenas amansados. Seu espírito é selvagem e isso lhes permite sobreviver.

A parcela de agressividade que conservam os gatos é fundamental para seu instinto, já que é graças a ela que eles se mantêm alerta e mentalmente ativos.

Com um processo de socialização do animal e um acondicionamento apropriado do ambiente, tudo será possível. Dessa forma é possível promover a convivência de seu bebê e um gato.

Seu bebê e um gato, o processo de socialização

Ter um bebê é uma escolha decisiva na vida e é necessário se preparar para isso. Isso inclui o seu animal de estimação. A primeira regra de ouro é socializá-lo antes da chegada do novo integrante da família.

O processo de socialização ensina os cães e os gatos a conviverem pacificamente com outras pessoas e com outros animais. Isto diminui consideravelmente o risco de uma conduta violenta quando eles sentem que seu território está sendo invadido.

Bebê dormindo com gatinho

O melhor período para começar a socializar seu animal de estimação é entre a quarta e a vigésima semana de vida. Isso porque é neste momento que o animal cria suas primeiras habilidades de convivência.

O primeiro passo é não pensar que os gatos não precisam de socialização, porque já são independentes. Os felinos também apresentam comportamentos agressivos por posse sobre seu território e sobre o dono. E geralmente são mais territoriais que os cães.

Seu bebê e um gato, conselhos para uma boa socialização

Jamais obrigar o gato

Os gatos são mais reservados e independentes que os cães. Por isso, o processo de interação com pessoas e outros animais é mais lento e gradual.

É necessário ter paciência e não obrigar o animal a realizar atos contra a vontade dele. O felino vai realizá-los a seu tempo. Para incentivá-lo, é indicado oferecer um ambiente tranquilo para que o felino se sinta seguro para explorar.

Oferecer brincadeiras físicas e mentais

É fundamental oferecer uma vida ativa a um gato doméstico. Isso diminui a ansiedade e os possíveis comportamentos agressivos.

O conselho é oferecer brincadeiras para desenvolver física e mentalmente o seu gato. Os felinos são muito inteligentes e gostam de aguçar seus sentidos. Para começar, são preferíveis brinquedos de pouco contato físico com o animal, para não assustá-lo: varinhas, plumas, bolinhas…

Apresentar a outros gatos

O ideal é começar a trazer um gato de confiança para sua casa. Mas somente por uma ou duas horas. E não obrigar que os dois felinos interajam forçadamente. Com o tempo, eles mesmos terão curiosidade por interagir. Futuramente, podem ser trazidos novos gatos e deixá-los por um ou dois dias compartilhando o mesmo território.

A etapa seguinte consiste em acondicionar o ambiente para a chegada do bebê e para a convivência cômoda com seu animal de estimação.

Convidamos você a conhecer mais 3 passos fundamentais para preparar a adaptação saudável de um gato e seu bebê.

Higiene reforçada

O mais importante é evitar qualquer tipo de contaminação. Há muitos mitos em relação aos gatos e a transmissão de doenças.

É importante que se tenha muito cuidado com o contato com a urina e com as fezes de gato. Principalmente porque os bebês ainda estão desenvolvendo o sistema imunológico.

Por isso, a higiene deve ser reforçada em todo o ambiente. Mas com especial atenção para a limpeza diária da caixa de areia.

Gatinho na caixa de areia

Cuidado com os pelos excessivos e as alergias

O sistema respiratório do bebê também está em pleno desenvolvimento. Por isso, é importante evitar o acúmulo de pelos nos ambientes, especialmente perto de onde o pequeno dorme. Os pelos podem causar problemas respiratórios e alergias na pele do recém-nascido.

Respeitar os espaços do gato

Os gatos são territoriais e altamente higiênicos. Por isso, devem ter sempre seus espaços para alimentação separados da caixa de areia. E estes espaços devem ser respeitados. O ideal é não mudar radicalmente as rotinas do animal por causa da chegada do bebê, mas sim adaptá-las gradualmente.