5 sinais de que seu cachorro acabou de sofrer um AVC

As consequências de um acidente vascular cerebral em cães podem ser tão simples quanto falta de coordenação ou perda de equilíbrio. No entanto, existe também a possibilidade de que o dano cerebral possa ser grave o suficiente para ser fatal.
5 sinais de que seu cachorro acabou de sofrer um AVC
Cesar Paul Gonzalez Gonzalez

Revisado e aprovado por o biólogo Cesar Paul Gonzalez Gonzalez.

Última atualização: 21 dezembro, 2022

O cérebro possui um grande número de vasos sanguíneos que são responsáveis por fornecer oxigênio e nutrientes para seu funcionamento. Esses tubos geralmente são pequenos e finos, portanto, sob certas condições, o suprimento de sangue pode ser bloqueado e causar sangramento. Esse tipo de problema é chamado de AVC ou ictus e afeta tanto cães quanto humanos.

O fornecimento de oxigênio e nutrientes é essencial para o cérebro. Portanto, uma interrupção repentina de alguns minutos pode causar sérios problemas. Por isso, é importante aprender a identificar os sinais de que seu cão acabou de sofrer um derrame. Continue lendo este espaço e descubra mais sobre o assunto.

O que é um AVC?

Coloquialmente, qualquer obstrução ou problema de sangramento causado por um acidente vascular cerebral é conhecido como acidente vascular cerebral. No entanto, o termo médico correto para descrever essa situação é ictus. Embora ambos sejam usados como sinônimos, na verdade são bem diferentes.

O ictus refere-se a uma lesão vascular no cérebro, mas esta complicação pode ter diferentes origens. Portanto, geralmente é subclassificado em pelo menos 2 tipos:

  • Ictus isquêmico: também conhecido como infarto cerebral. É causado por uma interrupção repentina no fluxo de vasos sanguíneos no cérebro, causando a morte de neurônios e tecidos próximos.
  • Ictus hemorrágico: é causado pela ruptura de um vaso sanguíneo no cérebro, o que permite que o sangue se espalhe e gere pressão no tecido. Isso leva a danos à massa do cérebro e às funções cognitivas. É este tipo de acidente vascular cerebral que é referido pelo termo “hemorragia cerebral” (hemorragia no cérebro).

A gravidade do ictus depende inteiramente de onde o AVC ocorre. Se os efeitos são mínimos ou parciais, os pacientes são capazes de recuperar as funções cerebrais afetadas. No entanto, se a massa cerebral danificada for grande o suficiente, as sequelas provavelmente serão graves e permanentes.

O que causa AVCs em cães?

Em geral, o ictus em cães pode ser causado por diferentes condições e doenças secundárias. Entre as mais frequentes estão:

  • Neoplasias (câncer): o processo de metástase pode liberar um êmbolo (obstrução) na corrente sanguínea que gera um infarto cerebral.
  • Parasitose: alguns parasitas viajam pelo sangue para atingir suas células-alvo. Portanto, também podem causar bloqueios nos vasos sanguíneos do cérebro e causar um ictus isquêmico.
  • Coágulos sanguíneos (de cirurgias): há uma pequena chance de que coágulos sanguíneos se formem após a cirurgia. Na pior das hipóteses, esse bloqueio pode viajar para o cérebro e causar um infarto cerebral.
  • Doença de von Willebrand: uma doença congênita que causa problemas no processo de coagulação, levando a sangramento no cérebro (derrame).
  • Endocardite infecciosa: uma infecção no músculo cardíaco pode causar a liberação de fragmentos de tecido que bloqueiam os vasos sanguíneos no cérebro.
  • Hipertensão arterial: a pressão arterial elevada facilita tanto a presença de infartos cerebrais como de acidentes vasculares cerebrais.

Consequências do ictus nos cães

Como você pode imaginar, ao interromper o fluxo sanguíneo para o cérebro, os neurônios não obtêm os recursos de que precisam para funcionar e sobreviver. Portanto, eles começarão a morrer após os primeiros minutos. Consequentemente, o cão pode perder habilidades cognitivas ou motoras de forma permanente ou temporária.

O dano que o ictus pode causar em seu animal de estimação também depende de quanto tempo leva para receber o tratamento. A morte dos neurônios só é interrompida se a hemorragia for resolvida ou a obstrução for removida. Devido a isso, medidas imediatas devem ser tomadas para evitar que os efeitos se tornem mais graves.

Sim, os cães sentem a morte de seus entes queridos.

Sinais para identificar um AVC em cães

Os sintomas de que um cão sofreu um AVC aparecem sem aviso prévio e são bastante perceptíveis. Se o animal de estimação tiver um ictus isquêmico, os sinais de alerta aparecem ao mesmo tempo em que são sofridos. Enquanto se o problema for um ictus hemorrágico, os sinais de risco podem demorar alguns momentos enquanto a hemorragia gera pressão suficiente para afetar o cão.

Para atender o cão a tempo, é necessário aprender a identificar os sinais que indicam que um cão acabou de sofrer um AVC. Em geral, o prognóstico do pet melhora se for detectado e tratado precocemente. Entre os sinais de alerta mais óbvios estão os seguintes.

1. Paralisia do corpo

Como a função normal do cérebro é interrompida, algumas ações simples, como mover os membros ou alguma parte do corpo, tornam-se impossíveis. Isso pode ser percebido a olho nu vendo a dificuldade que o pet tem para se movimentar, ficar em pé ou deitar.

2. Movimentos oculares estranhos

Os movimentos voluntários dos olhos são controlados por regiões especiais do cérebro. Quando esta área é acometida pelo ictus, os cães podem começar a apresentar movimentos descontrolados, alterações pupilares e desorientação.

3. Perda de coordenação

Movimentos coordenados só são possíveis graças à função complexa de várias áreas do cérebro. Se alguma delas falhar, o animal pode perder a capacidade de controlar suas ações e intercalá-las umas com as outras. Isso não apenas impede o movimento, mas também a capacidade de interagir com o ambiente.

4. Convulsões

As convulsões são o resultado de uma série de estímulos anormais nos neurônios que controlam os músculos. Portanto, são gerados movimentos incontroláveis que paralisam o animal e o incapacitam. Esses tipos de problemas também podem ser causados por ictus, embora dependa da área do cérebro afetada.

5. Fraqueza muscular

Assim como os neurônios podem ficar superexcitados e causar convulsões, é possível que aconteça o contrário e eles se tornem incapazes de enviar sinais aos músculos. Devido a isso, os cães perdem o tônus muscular e ficam tão fracos que não conseguem se mover.

Como você pode ver, os sinais de que seu cão acabou de ter um derrame podem ser bastante óbvios e perceptíveis. Assim que detectar algum desses sinais ou qualquer alteração no comportamento do seu pet, leve-o imediatamente ao veterinário. Lembre-se de que quanto mais cedo você fizer isso, melhor será o prognóstico para o seu parceiro.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Guillén Crusells, M., & Gascón Pérez, F. M. Relación del accidente cerebrovascular con arritmias cardíacas en perros y gatos. (Trabajo de Grado, Universidad de Zaragoza).
  • Hernández, A., Serra-Gómez de la Serna, B. & Cava, P. (2015). Alteraciones vasculares del sistema nervioso. Consulta Difus Vet, 1-6.
  • Wessmann, A., Chandler, K., & Garosi, L. (2009). Ischaemic and haemorrhagic stroke in the dog. The Veterinary Journal, 180(3), 290-303.
  • Raurell, X., Centellas, C., & Zamora, A. (2007). Enfermedad vascular cerebral: 9 casos clínicos. Clínica veterinaria de pequeños animales, 27(1), 0027-35.
  • Font Utset, A., Closa, J. M., Mascort Boixeda, J., & Durall Rivas, I. (1987). Enfermedad de Von Willebrand en el perro: un caso clínico. Clínica veterinaria de pequeños animales, 7(1), 0039-42.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.