3 sintomas que indicam que o seu cachorro está com uma infecção

janeiro 9, 2020
Caso o seu cachorro esteja com uma infecção, reconhecer os primeiros sintomas pode contribuir para o diagnóstico e o tratamento oportuno. Neste artigo, você conhecerá três dos sintomas mais comuns.

Como dono atencioso, talvez você se preocupe em saber como reconhecer que o seu cachorro está com uma infecção. De fato, assim como acontece com os seres humanos, qualquer animal pode ser infectado ao longo de sua vida.

Lembre-se de que, em geral, não há motivo para se alarmar. No entanto, você deve estar atento se houver uma situação epidêmica no seu bairro.

Se você souber quais são os sinais que devem ser reconhecidos, isso poderá ajudar na detecção precoce e no tratamento oportuno de qualquer infecção que se manifestar no seu cachorro.

O que é uma infecção?

Define-se como uma infecção a invasão dos tecidos do corpo por micro-organismos causadores de doenças. Os micro-organismos que vivem no corpo naturalmente não são considerados infecções.

Devemos nos lembrar de que todos nós que vivemos neste planeta carregamos milhões de micro-organismos que convivem conosco sobre – e dentro – dos nossos corpos.

Não apenas vivemos em equilíbrio com esses seres microscópicos, mas eles também são essenciais para muitos dos nossos processos vitais. Esse conjunto de ‘bons’ micro-organismos foi batizado pela ciência como microbioma.

Por outro lado, os agentes causadores de doenças infecciosas geralmente não estão presentes no corpo. Quanto à sua natureza, eles podem ser bactérias, vírus ou parasitas.

As doenças infecciosas – que são transmissíveis – são causadas pela multiplicação do agente causador. Outra característica das infecções é a reação dos tecidos do hospedeiro diante do patógeno ou das toxinas que ele produz.

Embora um processo infeccioso geralmente cause uma série de sintomas, existem infecções assintomáticas. Ou seja, infecções que ocorrem sem sintomas visíveis, conhecidas como infecções subclínicas.

1. Febre como indício de que seu cachorro está com uma infecção

A febre é um dos mecanismos de proteção que o corpo utiliza para se proteger. À medida que a temperatura aumenta, o corpo alerta o sistema imunológico para se defender contra a infecção.

Cachorro com febre

Você já deve ter ouvido falar que é possível dizer se o seu cachorro está com febre ao tocar o seu nariz: quente e seco significaria febre, mas isso não é verdade. A febre nos cachorros geralmente não é reconhecida ou não é detectada.

A única maneira precisa de saber se o seu cachorro está com a temperatura corporal aumentada é medir a temperatura retal.

Uma temperatura superior a 39°C é considerada febre no cachorro, embora ele possa ficar com essa temperatura se estiver muito empolgado ou estressado. Geralmente, a febre pode ser acompanhada de letargia, humor deprimido, tremores, perda de apetite, vômitos, tosse ou coriza.

2. Gânglios linfáticos aumentados

Os gânglios linfáticos são pequenos órgãos de formato oval. Esses gânglios contêm células do sistema imunológico que atacam e matam patógenos, como os vírus, por exemplo.

Quando o cachorro está com uma infecção, os seus gânglios linfáticos se tornam ativos e enviam células para combater a doença, podendo ficar inflamados ou doloridos. A condição de estar com os gânglios linfáticos inchados é conhecida como linfadenite.

Embora os gânglios linfáticos estejam presentes no corpo do seu cachorro, os mais fáceis de encontrar caso estejam inchados são os submandibulares. Eles ficam dos dois lados da cabeça, perto da parte posterior das mandíbulas, onde elas se juntam ao pescoço.

Também existem gânglios axilares e poplíteos, localizados na parte de trás dos joelhos.

3. Secreções

É bom ter em mente que, geralmente, os sinais de infecções bacterianas dependem da localização da infecção. As infecções visíveis costumam ser subcutâneas, mas também podem afetar a superfície da pele. As lesões podem ser vistas como feridas ou áreas de inchaço.

O inchaço pode se apresentar como uma área dura e firme ou então macia. As áreas infectadas podem ou não estar ulceradas na superfície e também podem apresentar uma secreção.

A consistência e a cor das secreções podem variar de aguadas e rosadas ou vermelhas – serosanguinolento – até grossas e amarelas ou verdes (pus). Essa secreção pode ter um cheiro desagradável, principalmente caso se pareça com pus.

Se a infecção estiver presente dentro do corpo, onde não possa ser vista a olho nu, o seu cachorro pode apresentar outros sinais da doença. Dessa forma, você poderá observar letargia, perda de apetite e emagrecimento.

Nos casos de infecções do trato respiratório, é possível notar sinais como tosse, espirros ou respiração anormal, por exemplo. Nessas situações, as secreções podem estar presentes no nariz ou na boca, ou ainda na área dos olhos. O seu cachorro pode até mesmo ter dificuldade para comer ou engolir.

Cachorro doente

O que fazer quando um cachorro está com uma infecção?

As infecções preocupam os donos porque podem ser fatais se não forem tratadas em tempo hábil. A gravidade de qualquer tipo de infecção dependerá do tipo de ferimento ou lesão, da localização, de quanto tempo ela foi deixada sem tratamento e do sistema imunológico do cachorro.

A infecção pode ocorrer em qualquer parte do corpo, como, por exemplo, nos pulmões (pneumonia), nos rins (pielonefrite), no cérebro (encefalite) ou até mesmo na pele.

É importante que você não hesite em contatar o seu veterinário imediatamente se notar coceira, vermelhidão, inflamação e mau cheiro no seu cachorro. O mesmo também se aplica caso você note que o cachorro está se coçando, lambendo ou mordendo a pele excessivamente.

A presença de diarreia e vômito também pode ser um sinal de que o seu cachorro está com uma infecção.

  • Greene, C. E., (1993). Enfermedades infecciosas: perros y gatos. Interamericana McGraw-Hill,. Edición: 3ra.
  • Ariño, L. C. (1975). Linfadenitis en perro y gato. In Anales de medicina y cirugía (Vol. 55, No. 241, pp. 205-216).
  • Fröhner, E., & Zwick, G. (1932). Patología y terapeútica veterinarias: Enfermedades infecciosas. Editorial Gili.
  • Laverde-Higarrero, J.D. (2019). Actualización de las principales dermotopatías en perros y gatos diagnóstico y tratamiento. Universidad de Ciencias Aplicadas y Ambientales. Bogotá, Colombia.