Tratamentos de infecções de pele em cães

outubro 10, 2019
As infecções de pele em cães são conhecidas como piodermites e têm uma origem bacteriana.

As infecções de pele em cães são mais comuns do que pensamos e, se não forem tratadas adequadamente, podem romper a barreira da pele e se instalar em outros órgãos. Elas podem até mesmo causar septicemia e a morte do cão.

Essas infecções são conhecidas como piodermites e podem ter diferentes graus: de superfície, superficiais e profundas. Os dois primeiros afetam exclusivamente o tecido epidérmico – camada mais superficial da pele – e o último danifica a derme e os tecidos mais profundos.

Os sintomas mais comuns da piodermite de superfície e superficial são vermelhidão, pápulas, pústulas, descamação, crostas, alopecia e prurido. No caso da piodermite profunda, as lesões epidérmicas que encontramos são mais dolorosas e raramente há prurido.

São úlceras, bolhas hemorrágicas e nódulos, que na maioria dos casos secretam sangue juntamente com outros fluidos infecciosos.

Devemos ser muito cautelosos com infecções de pele em cães. Na maioria dos casos, elas são zoonóticas e podem se espalhar para os seres humanos. Os micro-organismos mais comumente presentes nessas infecções são o Staphylococcus intermedius e o Staphylococcus aureus.

Uso de xampus especiais

O tratamento da piodermite deve ser tópico e sistêmico. Para o tratamento tópico, os xampus são a melhor opção, porque penetram bem na pele. Os mais utilizados são aqueles que possuem um destes componentes:

  • Peróxido de benzoíla
  • Lactato de etila
  • Clorexidina
  • Iodopovidona

O uso desses xampus ajuda a recuperar a pele lesionada, o que favorece a cicatrização, reduz a dor e a coceira. A frequência de uso é de pelo menos duas vezes por semana, embora isso deva ser determinado por um veterinário.

Fluoroquinolonas para tratar infecções de pele em cães

As fluoroquinolonas são um grupo de antibióticos de amplo espectro (combatem uma ampla gama de bactérias). A eficácia terapêutica desses medicamentos foi demonstrada em 85,4% dos casos. No entanto, para 4,9% dos cães, não funcionou como uma cura.

Infecção na pele de um cão

Os principais problemas das fluoroquinolonas é que elas podem causar o que é conhecido como resistência bacterianaApós o tratamento, um grupo de bactérias, que inicialmente não era um problema, cria resistência ao antibiótico e cresce exponencialmente.

Isso leva ao aparecimento de novas infecções intratáveis.

Rifampicina para tratar infecções de pele em cães

A rifampicina é outro grupo de antibióticos comumente utilizado para combater a piodermite profunda crônica. Nesses casos, esse tipo de antibiótico é usado devido à sua capacidade de penetrar nos tecidos profundos a uma concentração suficiente para matar as bactérias.

Como a fluoroquinolona, ele pode causar resistência bacteriana, uma vez que também é um antibiótico de amplo espectro.

Colônia de bactérias

Como lidar com infecções de pele em cães?

O tratamento de infecções de pele costuma ser empírico. Dependendo da gravidade do caso, inicia-se o uso de tratamentos tópicos antissépticos e antibióticos (mupirocina ou ácido fusídico). O uso de antibióticos sistêmicos é reservado para casos mais graves.

No entanto, o uso indiscriminado desses medicamentos, sem um estudo microbiológico prévio, levou ao aumento da resistência bacteriana.

Isso ocorreu juntamente com o uso inadequado de certos antibióticos, como penicilina ou meticilina, que se mostraram inúteis para o tratamento da Staphylococcus sp.

Se você suspeitar de que seu animal de estimação pode ter uma infecção de pele, vá ao veterinário o mais rápido possível. Ocasionalmente, certas lesões na pele podem causar outras doenças, como alergias, sarna ou leishmaniose.

Se um veterinário prescrever antibióticos, é essencial seguir cuidadosamente as diretrizes de dosagem para obter resultados positivos e evitar possíveis resistências.

  • Beco, L., Guaguère, E., Lorente Méndez, C., Noli, C., Nuttall, T., & Vroom, M. (2013). Guía para el uso de antibióticos sistémicos en el tratamiento de infecciones cutáneas. Parte I: diagnóstico en base a la presentación clínica, citología y cultivo. Veterinary Record, 2013, 72-78.
  • Castellanos, L., Rodríguez, M., & Santos, A. (2011). Aislamiento e identificación bioquímica de microorganismos bacterianos a partir de infecciones de piel en caninos. Revista de Medicina Veterinaria, 1(22), 21-30.
  • Carlotti, D. N., & Atance, A. (1997). El empleo de la rifampicina en el tratamiento de las piodermas profundas crónicas del perro: revisión bibliográfica y presentación de trece casos clínicos. Clínica veterinaria de pequeños animales, 17(4), 0211-226.
  • Denamiel, G., Puigdevall, T., Más, J., Albarellos, G., & Gentilini, E. (2009). Prevalencia y perfil de resistencia a betalactámicos en estafilococos de perros y gatos. InVet, 11(2), 117-122.
  • González, J. L., Bravo, V., Peña, A., & Beral, M. (2006). Dermatología. Eficacia terapéutica del orifloxacino (Orbax) en el tratamiento de la pioderma canina: un estudio cínico abierto. Clínica veterinaria de pequeños animales, 26(1), 0009-12.
  • Herrera-Arana, V., González, J., & Iglesia-Quilca, D. (2006). Actualización en el manejo de antibióticos en las infecciones superficiales de piel y partes blandas. Acta medica peruana, 23(1), 32-34.
  • RÍOS AM, B. M., Ortiz, G., Ayllón, T., Smit, L., Rodríguez, D. M., & Sánchez, D. A. (2015). Staphylococcus multirresistentes a los antibióticos y su importancia en medicina veterinaria. Clínica Veterinaria de Pequeños Animales AVEPA, 35(3), 149-161.