Quais tipos de reprodução animal existem?

A reprodução animal engloba uma infinidade de estratégias diferentes, dependendo das espécies consultadas e do modo de vida que levam.
Quais tipos de reprodução animal existem?

Última atualização: 07 Abril, 2021

Uma das 3 funções vitais dos seres vivos é a reprodução ou geração de descendentes. Para atingir esse objetivo, diferentes espécies animais desenvolveram vários caminhos. Os tipos de reprodução animal são quase únicos para cada grupo de animais, no entanto, podem ser classificados em alguns tipos – sempre com exceções.

Sobreviver no mundo selvagem é uma tarefa árdua, uma luta constante e diária com o único propósito de manter os próprios genes. Alguns animais têm milhões de filhotes, mas apenas alguns chegam à idade adulta. Ao contrário, outros têm um único descendente, no qual investem todas as suas energias.

E há quem vá mais além, já que algumas espécies de animais simplesmente seccionam uma parte de seu corpo para se reproduzir. Descubra muito mais sobre a diversidade reprodutiva dos animais nas linhas a seguir.

Tipos de reprodução animal: reprodução sexuada

Um dos tipos de reprodução animal – e talvez o mais conhecido e estudado – é a reprodução sexuada. Essa estratégia reprodutiva é realizada pela maioria dos organismos superiores, como mamíferos, pássaros, répteis, anfíbios e peixes.

A reprodução sexual é definida como o ato de gerar descendentes no qual 2 ou mais animais do sexo oposto estão envolvidos. A premissa é simples: uma fêmea e um macho da mesma espécie devem copular para ter filhotes.

Antes de se reproduzir, ambos os animais devem ter atingido a maturidade sexual ou, em outras palavras, ter óvulos e espermatozoides maduros. O processo pelo qual um óvulo amadurece é denominado oogênese e, embora comece durante o desenvolvimento embrionário da fêmea, não se completa até que ela atinja a puberdade.

Pelo contrário, os espermatozoides gerado nos testículos do homem só começam a se formar quando eles atingem a adolescência. Nessa estratégia sexual, a fêmea contribui com um ou mais óvulos ou gametas femininos, enquanto o macho fornece espermatozoides ou gametas masculinos.

Uma vez que os indivíduos estão maduros e copulam, a fertilização do óvulo deve ocorrer, um evento também conhecido como fecundação. Como existe uma grande diversidade de espécies, também existe uma grande variedade de formas de fertilização.

Fecundação interna em animais

Na fertilização interna, o esperma do macho entra pelo canal reprodutivo da fêmea. Nos mamíferos, esse canal é a vagina, mas em outros animais é chamado de cloaca.

Uma vez ocorrida a fertilização, a fêmea vai gestar o(s) descendente(s) dentro do seu corpo e então dará à luz os filhotes vivos – animais vivíparos e ovovivíparos – ou colocará ovos e a gestação ocorrerá no exterior – animais ovíparos.

Fecundação externa em animais

Esse tipo de fecundação é muito comum em muitas espécies de peixes e anfíbios. Durante esse processo, a fêmea expele uma grande quantidade de óvulos no ambiente, geralmente aquático, e o macho libera seu esperma.

Em alguns casos, os pais cuidarão desses ovos fecundados no exterior, mas em muitos outros, o cuidado parental termina após a fecundação. O grau de cuidado parental costuma depender muito do número de descendentes produzidos.

Os tipos de reprodução em animais são variados.

Reprodução assexuada em animais

Na reprodução assexuada, um único animal realiza a geração da descendência. Outra característica muito definidora dessa estratégia reprodutiva é que a presença de um gameta nem sempre é necessária. Em muitos tipos de reprodução assexuada em animais, é uma célula somática que desenvolve um indivíduo completo.

Por fim, o fato de não haver a participação de um segundo indivíduo nesse tipo de reprodução torna a descendência geneticamente idêntica ao progenitor. A seguir estão os diferentes tipos de reprodução assexuada em animais:

  • Partenogênese: esse tipo de reprodução animal consiste no desenvolvimento de um embrião a partir de um óvulo não fecundado. Devido a diferentes fatores externos e internos aos animais, muitas fêmeas são capazes de produzir descendentes sem a presença de machos.
  • Ginogênese: A ginogênese ocorre apenas em alguns tipos de peixes e anfíbios. Um óvulo não fecundado começa a sofrer as divisões típicas no início da embriogênese na presença de espermatozoides. No entanto, não emprestam seu material genético.
  • Fragmentação: é típica de estrelas-do-mar ou planárias e não envolve células sexuais. Os animais têm a capacidade de se fragmentar e, posteriormente, de cada um desses fragmentos se desenvolve um organismo completo.
  • Gemulação: é a estratégia reprodutiva realizada pelas esponjas marinhas. As células de uma região do corpo começam a acumular nutrientes, até crescerem tanto que se separam do corpo da mãe.
Os tipos de reprodução em estrelas-do-mar.

Reprodução alternada em animais

Por fim, embora não seja a estratégia reprodutiva mais comum em animais, a reprodução alternada também pode ocorrer. Durante esse mecanismo reprodutivo, os animais alternam os ciclos de reprodução sexuada com os ciclos assexuados. Sabe-se que realizam esse processo, por exemplo, as formigas e as abelhas.

Um soldado formiga se comunica com um trabalhador.

Como você deve ter visto, não estamos exagerando quando dizemos que a reprodução no mundo animal é muito extensa, tanto quanto a quantidade de espécies existentes. No final das contas, todos os animais estão preparados para – de uma forma ou de outra – poder deixar descendentes, custe o que custar.

Pode interessar a você...
Ostras: alimentação e reprodução
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Ostras: alimentação e reprodução

Saiba mais sobre o mundo das ostras: o que elas comem, como se alimentam e sua reprodução. Encontre todas as informações aqui!



  • Cook, R. E. (1979). Asexual reproduction: a further consideration. The American Naturalist, 113(5), 769-772.
  • Sawada, H., Inoue, N., & Iwano, M. (2014). Sexual reproduction in animals and plants. Springer-Verlag GmbH.