Tratamento e contágio da cinomose canina

· agosto 11, 2018
Esta doença é tão grave que o cão pode ficar com sequelas ou até morrer. Afeta principalmente filhotes e animais idosos, com um sistema imunológico pouco desenvolvido ou enfraquecido.

A cinomose canina é uma doença causada por um vírus altamente contagioso. Geralmente afeta filhotes e, se não for tratada a tempo, causa efeitos irreversíveis ou até a morte. Neste artigo, contaremos tudo sobre esta grave doença, seu contágio e tratamento.

Contágio da cinomose canina

O grau de perigo desta doença é muito elevado e, em muitos casos, torna-se letal para animais de idade pouco ou muito avançada, que têm um sistema imunitário pouco desenvolvido ou enfraquecido. É, por sua vez, uma doença viral muito contagiosa, que afeta três sistemas: respiratório, digestivo e nervoso.

Como se pega a cinomose canina? Através de secreções corporais: de lágrimas, saliva e muco. Quando um cão espirra ou tosse, expele para o ambiente gotículas microscópicas que podem abrigar o vírus.

Em animais de estimação que entrem em contato com outros em tenra idade, a transmissão é mais provável; embora isso não signifique que, por não levar um cão para passear, evitaremos o contágio. Se, por exemplo, brincarmos com um cão infectado, o vírus poderá ficar impregnado em nossas roupas ou mãos. Portanto, é essencial lavá-las bem depois de tocar em um cão.

Existem várias opções para prevenir esta doença quando temos um filhote em casa. Como primeiro passo, o cão deverá ser vacinado em conformidade com as doses indicadas pelo veterinário. Além disso, é essencial prestar atenção aos cães que o nosso animal de estimação se aproxima, especialmente se algum deles apresentar sintomas típicos da doença.

Quais são os sintomas da cinomose canina?

O primeiro sinal de que há um problema é a febre. No entanto, este não é o único sintoma em nossos cães, porque a cinomose é uma doença que ataca por várias frentes.

cão doente

A nível respiratório, podemos ver que o cão começa a tossir, correr e espirrar. Você também pode observar conjuntivite, inchaço nas pálpebras e nariz escorrendo continuamente uma secreção de cor amarelada. O muco causa dificuldade respiratória e, se o vírus chegar aos pulmões, pode desencadear pneumonite.

Quanto ao sistema digestivo, o vírus causa vômitos ou diarreia, como resultado de uma gastroenterite grave. Caso o cão apresente apenas esse sintoma, não temos que associá-lo com a cinomose, mas com alguma intoxicação ou problema alimentar.

A dermatite é um sinal claro da cinomose canina: há descamação, endurecimento e ressecamento da pele das almofadinhas das patas e do nariz, que deve estar sempre úmida.

Por sua vez, esta doença tem consequências em relação ao sistema nervoso e que, na maioria dos casos, se o animal sobreviver, pode ter sequelas por toda a vida. Ataques repentinos, convulsões, tiques nervosos, espasmos musculares e paralisia nas extremidades são bastante frequentes.

Há tratamento para a cinomose canina?

Esta infecção viral não conta, até o momento, com um tratamento específico e eficaz. Portanto, se desconfiamos que nosso cão está infectado com cinomose, devemos levá-lo imediatamente ao veterinário.

cão no veterinário

O profissional será responsável por aliviar os sintomas e evitar que o animal sofra demais. Alguns expectorantes e antibióticos eliminam a fleuma. Outras drogas curam os vômitos e a tosse, e suplementos dietéticos fortalecem a saúde do animal. Recomenda-se que o cão consuma mais vitamina B, se sofrer de tiques nervosos.

É essencial a hidratação, mesmo quando o animal não sentir sede, e continuamente higienizar o nariz e os olhos. E se ele não quiser comer, deve tentar consumir pelo menos um pouco de comida enlatada, que é mais apetecível e menos seca. O mimo e a atenção neste momento são muito importantes, também para que o animal se sinta confortável.