Tubarões que comem algas: eles existem!

· abril 2, 2019
Há uma espécie de tubarão que é capaz de obter 61% de seus nutrientes das algas marinhas, que poderiam compor a totalidade de sua dieta.

Os tubarões comem, em geral, outros peixes do oceano, sendo considerados um dos grandes predadores do mar, e até mesmo alguns foram falsamente considerados devoradores de homens. No entanto, parece que há alguns tubarões que comem algas, pelo menos foi isso que revelou um recente estudo.

Tubarões que comem algas

O tubarão-de-pala é uma espécie bem conhecida, já que lembra outras espécies de tubarões, como os tubarões-martelo, e vive na costa dos Estados Unidos

Tradicionalmente, acredita-se que esses tubarões comem peixes, crustáceos e moluscos, mas um estudo feito por duas universidades americanas supõe outra dieta.

O estudo revela que esses tubarões comem algas voluntariamente, um alimento que pode protagonizar a dieta do tubarão-de-pala. 

Ele poderia assim obter 61% de seus nutrientes de algas marinhas, algo que nunca havia sido visto em tubarões.

Para verificar isso, cinco animais foram submetidos a um experimento em que, durante três semanas, receberam uma dieta composta por lulas e algas.

As análises de digestibilidade mostraram que esses tubarões comem algas, e que também podem digeri-las naturalmente.

Cientistas americanos viram que, embora o tubarão-de-pala não tenha uma dentição adaptada para mastigar algas, seus fortes ácidos estomacais podem digerir essa matéria vegetal e fazer isso eficientemente.

tubarão-de-pala em águas cristalinas

Conheça o tubarão-de-pala

O tubarão-de-pala (Sphyrna tiburo) é um parente próximo do tubarão-martelo, embora seu tamanho seja muito menor. 

Ainda que seja uma espécie de tubarão bastante abundante, possui algumas peculiaridades que a tornam única.

À sua recém-descoberta dieta onívora se acrescenta o fato de ser o único tubarão com dimorfismo sexual na cabeça. As fêmeas são maiores e não têm aquela característica cabeça de pá que os machos exibem.

O tubarão-de-pala é um tubarão bastante ativo que nada em grupos de até 15 indivíduos, embora grupos de mais de mil já tenham sido vistos.

Como os tubarões-martelo, a movimentação é imprescindível: eles são um dos peixes com menor flutuabilidade, para poderem afundar.

Além de algas, esses tubarões comem muitos crustáceos, que detectam por meio de alterações eletromagnéticas.

Com seus dentes, eles são capazes de quebrar as carapaças e conchas de crustáceos e moluscos; embora também possam comer peixes.

tubarão-de-pala

Uma reprodução particular e um futuro incerto

Falamos de animais vivíparos, que significa que eles dão à luz seus filhotes. Eles têm uma gestação muito curta em comparação com outros tubarões, que mal chega a cinco meses.

Curiosamente, em um zoológico do Nebraska, uma fêmea deu à luz um bebê por partenogênese; um processo semelhante a uma clonagem natural em que a mãe e a prole têm DNA idêntico.

Seu leve estado de ameaça contrasta com o de outras espécies de tubarões, já que, nos últimos, anos sua pesca aumentou consideravelmente.

Lembre-se de que há uma grande demanda por esses animais na Ásia, tanto por razões culinárias quanto porque a medicina oriental considera que partes do seu corpo têm propriedades curativas. Isso põe em sério risco estes grandes peixes.

Os tubarões são uma espécie básica nos ecossistemas marinhos e um exemplo da importância da cadeia trófica na natureza.

A existência de tubarões que comem algas revela que existem papéis ecológicos desse animais que não conhecemos, e é possível que sua importância seja ainda maior. Portanto, proteger esses caçadores dos mares é mais vital do que nunca.

Samantha C. Leigh, Yannis P. Papastamatiou, Donovan P. German. “Seagrass digestion by a notorious ‘carnivore” Proceedings of the Royal Society B 5 de septiembre de 2018