Um soldado iraniano perdeu uma perna ao salvar um cão

Março 1, 2017

Mohammad diz que ama os animais. E transformou suas palavras em fatos quando foi salvar um cão que estava preso em uma cerca de arame farpado, em um campo minado. Sua ação custou uma perna. Mas ele não se arrepende.

A história do soldado que ama os animais

“Eu faria de novo”, afirma Mohammad, apelidado de Bakhtar, e que tem 19 anos. O jovem mora no Irã, um país convulsionado por diversos conflitos. E também um lugar onde as diferentes interpretações humanas do Islã fazem com que os cães não sejam tão bem-conceituados.

Mas seu ato heroico de salvar um cão provocou, pelo menos por um momento, uma trégua entre as diferentes posições políticas e religiosas. E talvez abra uma pequena brecha de esperança para que os peludos comecem a ser mais bem aceitos.

Mohammad estava cumprindo seu serviço militar no momento do acidente. Faltava ainda um ano para completá-lo.

Um jovem soldado iraniano perdeu uma perna quando foi salvar um cão que tinha ficado preso em uma cerca de arame farpado, que delimitava um campo minado. O fato ocorreu no Irã , um país devastado por uma imensidão de conflitos, mas que, por um momento, pareceu deixá-los de lado para agradecer a heroica atitude do rapaz.

Saiba como o jovem iraniano arriscou sua vida para salvar um cão

salvar-um-cao-2

Fonte: www.clarin.com

Bakthar encontrava-se de guarda em uma noite fria quando, de repente, escutou alguns gemidos. Logo, ele verificou que tinha um pequeno cão enroscado em uma cerca de arame farpado que delimitava um campo de minas terrestres.

Sem pensar, o jovem foi ajudar o animalzinho. Mas, para poder soltar o animal, ele teve que apoiar uma de suas pernas em uma parte do terreno minado.

O cão saiu correndo assim que se viu livre. No entanto, a sorte de Mohammad já tinha sido lançada. Alguns segundos depois, ocorreu uma explosão que destroçou uma de suas extremidades inferiores.

A história de Bakhtar viralizou nas redes sociais e chegou a outros meios de comunicação

O soldado foi transportado com urgência para um hospital da cidade de Tabriz, localizada na região noroeste desse país. Mas os médicos não puderam fazer nada para salvar a perna dele e tiveram que amputá-la.

Logo sua história viralizou nas redes sociais, em especial no Twitter e no Telegram. E chegou também aos jornais e à televisão.

Assim, a instituição onde ele estava se viu invadida por jornalistas, funcionários e gente comum que queria agradecer por sua atitude.

Por um momento, pouco pareceu importar o fato de Bakhtar ser sunita, uma minoria religiosa no Irã, país no qual predomina o xiismo.

Uma ação que fez esquecer diferenças religiosas e políticas

Muitas pessoas também se preocuparam com o futuro do jovem e pediram que lhe outorgassem algum tipo de assistência para assegurar seu futuro.

Nesse sentido, o vice-presidente iraniano Masoumeh Ebtekar, além de felicitá-lo e considerá-lo um orgulho para todos os habitantes, ofereceu-lhe um trabalho em um organismo de sua responsabilidade, a Organização de Proteção ao Meio ambiente.

O jovem considerou a proposta como uma “oportunidade muito sonhada”. Tomara que ele possa contribuir para que os cães comecem a ter uma maior aceitação em uma sociedade regida sobretudo por regras islâmicas.

Por um futuro melhor para Mohammad e para os cães do mundo islâmico

No seu retorno a Marivan, cidade onde reside, na região do Curdistão, o rapaz foi recebido por uma multidão com cartazes de agradecimento e muitas flores.

Bakhtar contou que, quando criança, ele morava em um pequeno povoado e que tinha tido um cão. E que sempre amou a natureza. Mas quando ele se mudou para a cidade, para cursar a escola secundária e trabalhar, não era mais possível ter a companhia de um animal de estimação.

Talvez a vida, essa que nos tira as coisas, mas que também sabe retribuir, agora ofereça a ele a possibilidade de ser feliz com um bom trabalho e cercado pelos animais que tanto ama.

Fonte de  a segunda imagem: www.clarin.com

Recomendados para você