Uma morsa adormece em um iceberg na Groenlândia e acorda na Irlanda

Ver uma morsa na Irlanda é algo bastante raro, mas não foi a primeira vez que aconteceu. As morsas são animais que vivem em bando e em locais com altas temperaturas, onde se pode ver gelo ao seu redor.
Uma morsa adormece em um iceberg na Groenlândia e acorda na Irlanda

Última atualização: 24 Abril, 2021

As morsas do Atlântico (Odobenus rosmarus) vivem nas costas da Groenlândia e no nordeste do Canadá. Por isso, o fato de uma morsa ser encontrada na Irlanda é algo bastante raro. Alguns especialistas explicam que o animal viajou em busca de comida e outros dizem que ele adormeceu em cima de uma massa de gelo.

As mudanças climáticas – ou o aquecimento global – causaram alterações e trouxeram muitas surpresas. Entre elas, nos deparamos com o ocorrido com essa criatura, que chegou à Irlanda em 14 de março de 2021. O animal foi descoberto por uma menina de 5 anos e seu pai enquanto caminhava na ilha de Valentia, no oeste da Irlanda.

A notícia e a morsa

Conforme relatado pelo jornal Irish Examiner, o biólogo marinho Kevin Flannery acredita que a criatura ártica pode ter adormecido em um iceberg na Groenlândia e ter sido carregada pelo Oceano Atlântico até chegar à Irlanda.

Por outro lado, Tom Arnbom – consultor sênior do WWF sobre o Ártico e sua vida marinha – acha que isso é improvável. Ele explicou à BBC que animais jovens – como essa morsa – se aventuram em longas viagens para encontrar novos lugares para reproduzir sua espécie e encontrar comida.

Esse profissional acrescentou ainda que a morsa se perdeu, pois normalmente esses animais sempre estão em bandos. Além disso, ela não parecia doente e é provável que encontre o caminho de casa depois de visitar vários outros lugares.

Captura de uma morsa.

A morsa e suas características

As morsas são grandes mamíferos marinhos que pesam entre 400 e 1700 quilos. O espécime que chegou à Irlanda este ano tem mais de 2 metros de comprimento e é considerado bastante jovem, pois seus caninos são pequenos e ainda não pararam de crescer, segundo a MarineBio Conservation Society.

As presas das morsas estão presentes em machos e fêmeas e podem atingir um comprimento de até 1 metro. O tamanho médio desses dentes é de 50 centímetros e geralmente são maiores nos machos do que nas fêmeas.

Essa espécie utiliza seus caninos para lutar, se alimentar, cortar o gelo, puxar seus corpos para fora da água e se agarrar ao gelo para maior estabilidade enquanto dormem.

De acordo com Samantha Nugent – instrutora de Art in Action -, as morsas passam mais da metade de suas vidas descansando em águas costeiras rasas, na terra ou no gelo, como a morsa protagonista deste espaço.

Outros visitantes

Aparentemente, foram encontrados registros de mais morsas deixando seu habitat polar nos anos anteriores para chegar à Irlanda. O Irish Examiner diz que em 1930 apareceu uma história semelhante a essa, a diferença é que a morsa estava com um de seus caninos quebrados e já estava morta há vários dias.

Além disso, em 1987, um avistamento de morsa foi relatado em Shannon e em 1999 em Co Mayo. De acordo com a BBC, em 2018 uma morsa adulta foi avistada na costa norte e oeste da Escócia. Com o espécime visto este ano, o Irish Whale and Dolphin Group (Grupo Irlandês de Baleias e Golfinhos, IWDG) acredita que é o terceiro avistamento de uma morsa desde 1999.

As morsas estão em perigo

A morsa do Atlântico está em perigo de extinção. Durante os anos 1700 e 1800 sua população foi reduzida em uma quantidade significativa devido à caça e, atualmente, esses mamíferos enfrentam a ameaça da perda de seu habitat, principalmente devido à ação das mudanças climáticas.

O gelo do mar do Ártico, do qual as morsas dependem para viver, está desaparecendo. A poluição, o aquecimento global e a atividade industrial ameaçam constantemente seu habitat. Existem cerca de 20 000 morsas no Atlântico Norte, mas globalmente elas enfrentam uma ameaça crescente por causa das mudanças climáticas e das rotas marítimas.

Todos esses problemas mataram milhares de mamíferos no Oceano Pacífico, perto do Alasca e no nordeste da Rússia. Por outro lado, no Atlântico, as morsas parecem mais capazes de sobreviver a mudanças climáticas, já que as áreas de alimentação estão mais próximas da costa e elas repousam em grupos menores.

Uma morsa emergindo à superfície.

Independentemente do motivo, Kevin Flannery disse à EFEverde que esse fato é preocupante, pois pode ser consequência do aquecimento global ou da superexploração dos mares. Vamos torcer para que essa morsa perdida encontre o caminho de volta para casa, já que a espécie precisa de todos os espécimes possíveis para sobreviver.

Pode interessar a você...
Como é a vida do urso polar?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Como é a vida do urso polar?

A pelagem deste animal mudou de cor para se adaptar ao seu habitat, pois acredita-se que esta espécie é derivada do urso pardo. Saiba mais sobre ele.