Uso de anticonceptivos em cadelas e gatas

Janeiro 21, 2018

O uso de anticonceptivos em cadelas e gatas apresenta múltiplas vantagens, tanto para a saúde do animal como para prevenir a gravidez, porém, o uso prolongado pode implicar em uma série de efeitos secundários.

O uso de anticonceptivos em cadelas e gatas é um tema central nas discussões da moderna medicina veterinária. Atualmente, estão disponíveis em forma de comprimidos e injeções, mas seu uso é um assunto polêmico entre veterinários e proprietários de animais.

A seguir, veremos as características deste método anticonceptivo e algumas recomendações para orientar sua utilização consciente.

Como funcionam os anticonceptivos em cadelas e gatas?

A ação dos anticonceptivos em fêmeas de caninos e felinos é muito similar ao método preventivo utilizado pelas mulheres.  Sua eficácia não chega a 100%, já que é considerado um método temporário ou paliativo da possível gravidez.

Sua fórmula contém alta concentração do hormônio progesterona, para suprimir a secreção de estrógenos no organismo da fêmea. Desta forma, consegue-se inibir –ou dificultar– a ovulação, e também evitar a fecundação quando há cópula.

Além disso, os anticonceptivos já estão disponíveis em forma de comprimidos e de injeções. Neste último caso, não se trata de uma vacina, mas sim de uma aplicação intravenosa do conteúdo da fórmula.

Cachorro sobre a cama

Vale destacar que a versão injetável costuma ser mais recomendável, pois garante que a fêmea receberá a dose correta de anticonceptivos. Os comprimidos, pelo contrário, podem ser facilmente cuspidos ou vomitados pelo animal, o que inutiliza seu efeito.

Considerações sobre o uso de anticonceptivos em cadelas e gatas

Antes de administrar comprimidos ou injeções na sua cadela ou gata, é fundamental conhecer os pros e contras deste método. A seguir, resumimos os principais aspectos positivos e negativos de sua utilização.

O principal benefício do uso de anticonceptivos em cadelas e gatos é que ajuda a controlar a superpopulação de rua. Ao mesmo tempo, contribui para diminuir os casos de abandono por reprodução indesejada ou irresponsável de animais de estimação.

Somado a estas vantagens, os anticonceptivos são métodos não invasivos que costumam ser recomendados para fêmeas que não podem ser submetidas a um procedimento cirúrgico.

Quanto aos aspectos negativos, é importante que se destaque o risco do uso prolongado de anticonceptivos para a saúde de cadelas e gatas, pois estes provocam efeitos secundários, sobre os quais faremos referências a seguir.

Alguns efeitos secundários

Diversos estudos demonstraram que as fêmeas submetidas a anticonceptivos por mais de dois anos têm maior tendência a desenvolver as seguintes patologias:

  • Tumores mamários
  • Câncer de útero
  • Doenças uterinas (principalmente endometriose e piometra)
  • Infecções urinárias
  • Atrofia dos órgãos sexuais
  • Diminuição da produção de células na medula óssea
  • Muitas fêmeas também sofreram sangramentos constantes ou hemorragias severas como consequência do uso abusivo de anticonceptivos
  • Outro aspecto negativo é que os anticonceptivos não oferecem 100% de eficácia. Por isso, existe o risco de expor a saúde da fêmea sem ter a garantia de prevenção da gravidez

Reprodução responsável e outros benefícios da castração

A castração ou esterilização consiste em extirpar os órgãos sexuais por meio de uma intervenção cirúrgica com prévia aplicação de anestesia geral. Nas fêmeas, são extraídos os ovários e o útero, enquanto que, no caso dos machos, extraem-se os testículos.

A esterilização é o único método que permite ter 100% de segurança na prevenção da gravidez. No entanto, não é indicada como um controle reprodutivo.

Castrar a fêmea traz muitos benefícios para a saúde dela, como, por exemplo:

  • Prevenir diversas patologias e diminuir a propensão a tumores, displasia, epilepsia, hemofilia, doenças venéreas, etc.
  • Melhorar e prevenir distúrbios comportamentais: principalmente se o animal apresenta tendência a condutas autodefensivas ou a fugas durante o cio.
  • Combater práticas prejudiciais, como o abandono, e a superpopulação de rua.
  • As fêmeas deixam de experimentar as radicais mudanças hormonais do período de cio.
  • Machos e fêmeas castradas costumam ser mais carinhosos e menos ariscos, o que melhora suas habilidades de convivência com pessoas e outros animais.
  • Os animais esterilizados aceitam mais facilmente o processo de adestramento e socialização, pois costumam se tornar mais obedientes e menos ansiosos.
Gata tricolor

Medidas preventivas (e paliativas) para prevenir a gravidez

Muitos proprietários desejam prevenir a gravidez de sua fêmea, mas não podem castrá-la imediatamente e preferem não utilizar anticonceptivos. Então, o que pode ser feito para evitar uma gravidez?

Nestes casos, devemos evitar que a fêmea tenha contato ou permaneça junto a um macho fértil. Podemos mantê-la mais tempo dentro do lar e não levá-la para passear solta, ou diminuir seus passeios durante o cio.

Também é importante evitar que a fêmea escape ou que fique solta onde existe um macho. no caso de ter um macho na mesma casa, devemos mantê-los separados durante o cio da fêmea.

Devemos esclarecer que todas estas ações são paliativas e não oferecem segurança em sua eficácia. Tratam simplesmente de evitar que a fêmea copule por não entrar em contato com um macho fértil.

Também é indispensável recordar que nenhum medicamento deve ser administrado sem a prévia consulta a um profissional capacitado. Por isso, antes de optar pela utilização de anticonceptivos em cadelas e gatas, é fundamental consultar o seu veterinário de confiança.

Recomendados para você