Vaga-lumes: características, alimentação e habitat

· março 5, 2018

Os vaga-lumes são insetos que vêm fascinando o ser humano há milhares de anos. Existem muitas espécies diferentes de vaga-lumes, mas eles podem ser reconhecidos ao redor do mundo inteiro por seu característico abdômen luminoso. Classificados como invertebrados, são capazes de encenar uma dança na qual seus corpos brilham um de cada vez. A seguir, vamos conhecer a fundo esse inseto tão especial.

Características

Os vaga-lumes são um inseto coleóptero, ou seja, na verdade, são besouros e estão muito relacionados às joaninhas. Há quase duas mil espécies diferentes de vaga-lumes e eles vivem em zonas temperadas ao redor de todo o planeta.

Sobre as diferenças físicas entre machos e fêmeas, vale ressaltar que são enormes, motivo pelo qual não podemos generalizá-los em tamanho e forma.

Por sua vez, os machos chegam a crescer mais que as fêmeas, e apresentam asas e um corpo com forma mais parecida com a do restante dos besouros. No entanto, as fêmeas nunca chegam a alcançar um tamanho tão grande: deixam de se desenvolver um pouco depois de deixarem de ser larva.

Além de serem menores, não voam, e se confundem facilmente com qualquer outro inseto que vive nos troncos e nas folhas dos arbustos.

A bioluminescência dos vaga-lumes

O que caracteriza e diferencia os vaga-lumes de outros insetos é o brilho que projetam em seu abdômen. Isso se chama bioluminescência, e é comum em machos, fêmeas e em todas as espécies de vaga-lumes.

Esses insetos podem usar seu brilho para várias coisas diferentes. Sobretudo, usam como parte do acasalamento e para afugentar possíveis predadores. Portanto, trata-se de um mecanismo de defesa parecido com o das rãs e outros animais de cores vivas: comunicam a seus predadores que não são apetitosos ou são venenosos.

Os biólogos sabem como os vaga-lumes produzem luz, mas não como são capazes de controlá-la para brilhar de maneira intermitente. Eles têm um órgão que serve somente para criar luz. Quando consomem oxigênio, ele se mistura com outras substâncias e produz luciferina, que reage para gerar luz.

Habitat

Os vaga-lumes são insetos noturnos que vivem ao redor de todo o planeta, exceto nas zonas mais frias como os polos e os países perto do círculo polar ártico. Na verdade, eles preferem climas temperados e ambientes úmidos.

vaga-lume

Por isso é tão frequente vê-los em pântanos ou florestas, ainda que também vivam nas margens de rios e em outras zonas onde haja muita água, assim como as borboletas.

Sobre seu processo de reprodução, as fêmeas depositam ovos, que eclodem, liberando larvas. Elas se escondem e se alimentam em ambientes muito úmidos e escuros, como túneis embaixo da terra ou troncos de árvores apodrecidos.

Os melhores ecossistemas para encontrar vaga-lumes serão, portanto, as florestas ou zonas com água de países temperados. Assim, quanto mais umidade e quanto maior a temperatura, maior a chance de encontrar vaga-lumes. A água pode estar parada (como em pântanos ou tanques) ou pode estar correndo (como em rios).

Por outro lado, é preciso dizer que desde há alguns anos, está cada vez mais difícil de observar vaga-lumes na natureza. Não se sabe ao certo por que estão desaparecendo, mas suspeita-se de uma mistura de fatores:

O desflorestamento ou a intrusão do ser humano nos ambientes naturais desses insetos podem ser causas. O aumento de substâncias químicas nos aquíferos pode ser outro motivo. Essas causas, suspeita-se, também estão colocando as abelhas em perigo.

Alimentação

Os vaga-lumes se alimentam principalmente quando estão na fase de larva. A fêmea coloca os ovos em uma zona escura e muito úmida, e os incuba durante três ou quatro dias. Daí nascem as larvas, que se alimentam de vermes e caracóis, que pegam com um líquido que os paralisa para depois digeri-los pouco a pouco.

Algumas semanas depois, as larvas se tornam adultas. Algumas espécies de vaga-lumes adultos não se alimentam de nada. A esperança de vida dos vaga-lumes é tão curta que, enquanto são larvas, ingerem energia suficiente para sobreviver durante sua etapa adulta. Outras espécies, no entanto, podem se alimentar de pólen ou néctar.

Os vaga-lumes estão entre os insetos mais admirados e conhecidos pelos humanos. A destruição de seu habitat está levando ao seu desaparecimento, apesar de serem benéficos ao meio-ambiente. Alguns lugares reconhecem a importância que esses insetos têm para os ecossistemas e criaram até santuários de vaga-lumes.