Varanos: você conhece essa família de lagartos?

Você quer conhecer os répteis que mais se parecem com dragões? Neste artigo, nós contaremos tudo sobre os varanos. 
Varanos: você conhece essa família de lagartos?

Última atualização: 18 fevereiro, 2019

De todos os répteis, os varanos ou varanus do gênero Varanidade são um grupo de animais pouco conhecidos, grandes e inteligentes.

Quem são os varanos?

Os varanos são répteis nativos da Oceania, Ásia e África, embora tenham se tornado espécies exóticas invasoras em alguns países da América.

Eles estão presentes em nosso planeta pelo menos desde o período Mioceno e, atualmente, compreendem quase 80 espécies. São animais corpulentos, com grande força no pescoço, o que lhes permite rasgar a carne de suas presas.

Além disso, eles têm garras e rabos com uma força tremenda, especialmente no caso do dragão de Komodo, um varano de três metros.

Ele é considerado o maior, comparado a alguns de apenas 20 centímetros, como é o caso dos varanos anões australianos.

No entanto, antigamente havia varanos maiores do que o dragão de Komodomegalania; conhecido como o grande andarilho, era um varano gigante que habitava a Austrália 30.000 anos atrás, por isso, acredita-se que poderia coexistir com populações humanas aborígines.

Grandes répteis: varanos

Dieta dos varanos

A maioria dos varanos são animais terrestres e carnívoros, no entanto, existem alguns arborícolas ou semiaquáticos, e até mesmo alguns que também incluem frutas e vegetais em sua dieta.

Os lagartos varanos podem consumir insetos, crustáceos, moluscos, peixes, anfíbios e até aves, outros répteis e mamíferos. Em alguns casos, como o dragão de Komodo, esses animais podem consumir grandes cervos.

Assim como as cobras, eles têm um órgão vomeronasal altamente desenvolvido e localizam suas presas pelo cheiro.

Por isso, como as serpentes, têm uma língua bifurcada, ao contrário de outros répteis quadrupedes, tais como crocodilos e iguanas.

Os varanos podem consumir presas muito maiores que eles, como as cobras. Apresentam uma adaptação em sua mandíbula, na parte superior, que é independente do resto do crânio.

Comportamento

Tradicionalmente, é um animal solitário, mas grupos com até 25 indivíduos podem se reunir em áreas com recursos limitados. Isso porque são animais que praticam a caça ativa em grandes territórios.

Esses grandes répteis são um grupo de animais impressionantes: embora sejam anatomicamente semelhantes, existem grandes diferenças entre o tamanho dos membros do grupo.

Eles são muito mais ativos que outros répteis, pois têm uma grande capacidade metabólica, muito maior que os demais.

Ao contrário da maioria dos répteis, o coração dos lagartos-varanos é muito semelhante ao dos mamíferos.

Há um septo ventricular, que separa as duas câmaras durante os batimentos cardíacos; o que permite que o oxigênio se desloque com muito mais eficiência.

lagarto varano do deserto

Um dos tópicos mais controversos ao falar sobre os varanos é a presença de veneno. Certamente, sua mordida causa mais do que perda de sangue e dor, mas não está comprovado se é devido à presença de veneno ou infecções causadas por bactérias presentes em sua boca.

Ameaças sofridas pelos lagartos varanos

Estes animais se encontram muito ameaçados. A Espanha é considerada a porta de entrada para o tráfico ilegal de animais na Europa, sobretudo de répteis e varanos.

Esses animais são escolhidos ​​como animais de estimação por algumas pessoas, o que fez da Espanha um dos países-chave quando se trata de combater o comércio ilegal de répteis.

Vamos permitir que os últimos dragões da Terra desapareçam?

Pode interessar a você...
Dragão de Komodo: conheça tudo sobre este “monstro”
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Dragão de Komodo: conheça tudo sobre este “monstro”

Este grande réptil é um super-predador capaz de engolir presas de tamanho inferior a uma cabra sem mastigar. O Dragão de Komodo se alimenta, princi...



  • McNab, B. K., & Auffenberg, W. (1976). The effect of large body size on the temperature regulation of the Komodo dragon, Varanus komodoensis. Comparative Biochemistry and Physiology Part A: Physiology55(4), 345-350.