Vitiligo em cães: o que é e quais são os seus sintomas

novembro 4, 2019
Embora esse distúrbio não seja tão comum, você sabia que o vitiligo provoca manchas mais claras na pele e nos pelos dos cães?

Esse distúrbio de pigmentação afeta uma porcentagem muito baixa da população, tanto humana quanto canina. O vitiligo em cães se manifesta com “manchas” claras em certas partes do corpo. Falaremos mais sobre ele a seguir.

O que saber sobre o vitiligo em cães

O vitiligo é um dos problemas dermatológicos menos conhecidos. É um desequilíbrio na produção de melanina e seu principal sinal é o aparecimento de marcas claras ou brancas em diferentes partes do corpo.

O vitiligo em cães é caracterizado por áreas hipopigmentadas alternadas com áreas onde a pigmentação é normal. Na maioria das vezes, aparece na mucosa bucal, focinho e lábios. Além disso, o vitiligo é assintomático, de modo que o cão nem percebe que o possui.

É importante não confundir o vitiligo em cães com a despigmentação nasal ou o ‘nariz de neve’, no qual ocorre uma despigmentação ou uma repigmentação de acordo com a época do ano e a intensidade do sol. Em alguns cães, essa condição também aparece devido à falta de vitamina B.

Não se sabe muito sobre a origem deste problema, embora tenha sido confirmado que ele começa quando há fraqueza no sistema imunológico. Isso significa que os anticorpos do animal “atacam” os melanócitos como se fossem organismos prejudiciais, como um vírus ou uma bactéria.

Doenças de pele em cães

As raças de cães mais propensas a sofrer de vitiligo são o husky siberiano, o malamute do Alasca, o golden retriever, o labrador retriever, o dachshund, o setter irlandês, o pointer inglês, o galgo afegão, o poodle, o pastor alemão e o pastor belga.

Até o momento, não há nenhum tratamento específico para evitar ou tratar o vitiligo em cães. No entanto, como é apenas algo estético que não afeta sua qualidade de vida, não devemos nos preocupar muito.

Como identificar o vitiligo em cães

Mesmo levando em conta que o vitiligo em cães é algo inofensivo que não afeta negativamente a saúde, é bom saber se o seu animal de estimação tem esta doença. Algumas recomendações para identificá-la são:

1. Mudanças de cor no focinho

É o local onde a despigmentação aparece, embora não seja o único e nem aconteça em todos os casos. Você pode ver que, onde antes havia a cor preta ou marrom, agora começam a aparecer manchas brancas ou rosadas. Consulte o veterinário se essas alterações não forem sazonais.

2. Manchas brancas

Podem aparecer em qualquer parte do corpo e não apenas afetar a pele, mas também o pelo, como se fossem ‘grupos’ de cabelos grisalhos brancos. São mais comuns no rosto e perto dos olhos.

Vitiligo em cães

3. Também em filhotes

Podemos pensar que o vitiligo em cães afeta apenas cães mais velhos, mas é um problema que pode aparecer nos primeiros meses de vida.

Você deve ter em mente que o vitiligo não desaparece completamente, mas que se expande cada vez mais e que as manchas brancas podem ficar maiores ao longo do tempo.

Por se tratar de uma doença inofensiva, muitos donos evitam levar seu animal de estimação ao veterinário por algo meramente estético. No entanto, recomendamos que você faça um exame geral para verificar se não há nenhuma doença por trás.

As alterações na cor da pele do animal podem ser um sinal de alguma patologia. Para determinar isso, o profissional pode fazer um exame que envolve pegar uma amostra de pele e pelos e, em seguida, avaliá-los.

É importante destacar a síndrome uveodermatológica, que faz com que o sistema imunológico ataque as células de pigmentação. Além de mudar a cor dos pelos ou da pele, essa doença afeta os olhos e pode causar cegueira.

O vitiligo em cães não é arriscado para a sua saúde. Portanto, se o veterinário o diagnosticar, não se preocupe.

Como não há tratamento, o profissional certamente pedirá para dar mais vitaminas ao animalprincipalmente as do complexo E – para fortalecer seu sistema imunológico e para que as manchas brancas não se espalhem por todo o seu corpo.

Da Cruz, T.P.P.S; LIMA, S.R; LAZARI, P; CAMPOS, W.N.S; SOUSA, V. R. . (2016). VITILIGO GENERALIZADO EM CANINO – RELATO DE DOIS CASOS. Enciclopédia Biosfera. https://doi.org/10.18677/Enciclopedia