Você sabe o que é zoantropia?

setembro 30, 2019
A zoantropia é um distúrbio mental no qual a pessoa acredita que é um animal.

A zoantropia é um distúrbio psicológico no qual a pessoa acredita que se tornou um animal ou que pode ser transformada. Existem vários tipos de zoantropia, dependendo do animal que a pessoa pensa que é.

Na literatura científica, podemos encontrar até 56 casos clínicos de zoantropia, e parece haver muito mais casos na história, mesmo que os mesmos não tenham sido registrados.

Licantropia

A licantropia – representada na foto que encabeça este artigo – é a ‘habilidade mágica’ de se tornar um lobo ou licantropo, ou seja, um lobisomem, uma criatura lendária, meio lobo e meio homem.

A mitologia diz que um homem foi transformado em lobisomem por uma maldição e que se transformava em noites de lua cheia.

Embora isso pareça pura ficção, ao longo da história houve casos clínicos de pessoas que realmente acreditavam ter se transformado nessa criatura.

Essas pessoas não estavam apenas convencidas de serem lobisomens, mas também se comportavam como tal. Uivavam, andavam de quatro, eram agressivas e até mesmo se alimentavam de carne crua.

Outras zoantropias

Existem outras variantes da zoantropia, embora a licantropia seja a mais conhecida. Na hipantropia, as pessoas afetadas acreditam ou se comportam como um cavalo, enquanto a boantropia é a mesma coisa no caso das vacas.

De fato, as primeiras críticas às vacinas contra a varíola foram baseadas na boantropia.

Edwad Jenner era um pesquisador médico que, em 1797, realizou a primeira inoculação da vacina contra a varíola. Jenner fabricou a sua vacina a partir do vírus da varíola da vaca, muito parecida com a varíola dos seres humanos.

A zoantropia

Suas vacinas foram bem-sucedidas e salvaram muitas vidas. No entanto, havia uma corrente contrária que dizia que as pessoas vacinadas desenvolviam apetites bovinos, mugiam e se moviam de quatro, enquanto batiam no chão com a cabeça como se fossem chifres.

Zoantropia na história

Embora poucos casos tenham sido registrados, esta crença é muito antiga e está representada em diferentes culturas.

Na Idade Média, acreditava-se que as pessoas que mostravam sinais de zoantropia estavam possuídas ou demonizadas, e as mesmas foram perseguidas e queimadas.

Zoantropia ao longo da história

Com o tempo e com o avanço da medicina, concluiu-se que essas pessoas poderiam estar sofrendo de um distúrbio mental, e não de uma possessão. Além disso, o progresso científico gradualmente separou as crenças populares e os casos de zoantropia.

Por que a zoantropia ocorre?

É difícil saber exatamente o que causa essa patologia, pois há pouquíssima informação a respeito e as pesquisas não são totalmente precisas.

Tudo parece indicar que os sintomas da zoantropia são atribuídos a transtornos mentais, como a esquizofrenia.

Exames cerebrais

Dois dos casos estudados de licantropia exibiram alterações nas regiões do cérebro que processam a propriocepção e a percepção sensorial, por meio de técnicas de diagnóstico por imagem.

A propriocepção é a capacidade de reconhecer onde nossos músculos estão localizados e a postura que mantemos, que seria alterada nesses pacientes.

Outra condição associada é o transtorno delirante ou psicose paranoica. Existem outras correntes que associam a licantropia a uma maneira de escapar de problemas psicológicos mais profundos.

Qualquer que seja a origem, o que está claro é que este é um problema mental e não se trata de possessão ou efeito mágico.

Zoantropia na cultura

Praticamente em todas as culturas há algum ser com atributos animais e humanos que faz parte do folclore popular. Até mesmo em muitas religiões, figuras zoantrópicas são veneradas, do Egito Antigo aos deuses hindus.

Deus metade humano, metade animal

Não vamos esquecer das famosas crianças criadas por animais selvagens, como Marcos Rodríguez Pantoja, na Espanha, que cresceu entre os lobos por 12 anos. Cães, gatos, cabras e até pássaros são alguns dos animais que adotaram crianças humanas como se fossem seus filhotes.

Foram necessários anos de terapia para adaptar essas crianças zoantropizadas à vida dos seres humanos. Elas não tinham um distúrbio psicológico, mas “se tornaram animais” para sobreviver.

  • Blom JD. Clinical zoanthropy. Tijdschr Psychiatr. 2013;55(5):359-68.
  • Science blogs. Vaccines and the Boanthropy Risk.
  • Oscar Castillero Mimenza. Licantropía clínica: personas que creen transformarse en animales. Psicología y mente.