A espécie de raposa que vive na Espanha

Esta espécie de canídeo é a única que vive na Península Ibérica e se alimenta de frutas no inverno. Já no verão e na primavera come principalmente coelhos. Ao longo do ano, como boa oportunista, também come ovos de pássaros, insetos e até o lixo do ser humano.
A espécie de raposa que vive na Espanha

Última atualização: 28 Dezembro, 2018

Das 45 espécies de raposas que habitam o planeta, apenas uma escolheu a península ibérica em geral – e a Espanha em particular – como lar: a raposa vermelha ou comum. Saiba mais sobre ela neste artigo.

Características da raposa vermelha espanhola

Pertence à família dos canídeos, na qual também encontramos lobos e coiotes, e à subespécie Vulpes vulpes silacea.

Porém, caracteriza-se por ser de tamanho menor do que as raposas que encontramos no resto do continente europeu.

Com crânio alongado e focinho muito pontudo, a raposa vermelha espanhola tem orelhas triangulares e grandes, cauda longa densamente coberta por pelos e com a ponta branca.

A cor da pelagem é vermelha ou marrom, mas também pode ser cinza, dependendo da época do ano.

Tem quatro dedos nas patas traseiras e cinco nas dianteiras e, ao contrário dos felinos, as raposas não possuem unhas retráteis.

Os vestígios que podemos encontrar deste animal são semelhantes aos de um pequeno cão.

raposas dormindo

Para regular sua temperatura, age como um dos seus primos distantes (o cão): ofega bastante e “transpira” pela língua.

Outra das curiosidades dessa espécie é que ela não possui músculos faciais para mostrar os dentes, como acontece com os outros canídeos.

Habitat e alimentação da raposa vermelha

A raposa espanhola está presente em toda a Península Ibérica, mas não pode ser encontrada nas Ilhas Canárias ou nas Ilhas Baleares.

Prefere áreas arborizadas, mas também pode viver em áreas abertas, perto de assentamentos humanos ou depósitos de lixo, onde procura por comida.

Em relação à alimentação, as espécies de raposas são onívoras, ou seja, podem comer todo tipo de alimento.

Outra questão a considerar é que a dieta da raposa ibérica pode variar de acordo com a época do ano.

No outono e no inverno, ela se alimenta de uma grande quantidade de frutas, pois não há muitos animais disponíveis; no verão ou primavera, seu alimento favorito são os coelhos.

Além disso, este mamífero consome insetos, pequenos mamíferos, ovos de pássaros, resíduos de origem humana, bagas, frutas e pássaros de tamanho menor do que os gansos.

Hábitos e reprodução da raposa comum

Quanto ao seu comportamento, a maioria das espécies de raposas que habitam o planeta (e a Ibérica não é exceção) tem hábitos crepusculares e noturnos.

Embora sua visão não seja inteiramente boa, elas são guiadas pela audição e pelo olfato. É bastante solitária, embora às vezes se reúnam em pares ou em grupos de um macho e até três fêmeas.

raposa farejando

Este animal é conhecido por sua discrição e sigilo. Pode permanecer escondido por horas no mato ou em tocas que cava no chão ou entre as rochas.

Passa a maior parte de sua vida no mesmo território; não se ‘arrisca’ além dos seus limites.

As raposas podem ser monogâmicas ou não. A época de acasalamento ocorre entre dezembro e fevereiro e as fêmeas ficam receptivas por não mais de três semanas. A cópula ocorre em 30 minutos e a gestação dura em torno de 53 dias.

O parto acontece em março ou abril, e cada mãe pode ter entre três e oito filhotes por ninhada. Os filhotes de raposa não abrem os olhos até duas semanas depois do nascimento, e apenas deixam o ninho após um mês.

Os filhotes se alimentam de leite materno por até dois meses e deixam a casa materna – apenas a fêmea cuida dos bebês – após 10 semanas.

As raposas atingem a maturidade sexual antes de um ano e podem se reproduzir já na estação seguinte após o nascimento.

Os jovens do sexo masculino tendem a se espalhar por todo o território e as fêmeas ficam nas proximidades de seu local de reprodução.

Pode interessar a você...
Raposas domesticadas: Incrível!
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Raposas domesticadas: Incrível!

Existem pessoas que conseguiram tornar as raposas domesticadas. Elas foram feridas e foram reunidas e curadas, outras ainda ficaram órfãos e alguém...