A fauna do deserto de Gobi

· janeiro 14, 2019

Os animais do deserto de Gobi conseguiram se adaptar para sobreviver em um lugar tão inóspito em que, à noite, pode haver um diferencial de temperatura de nada menos que 40 ºC.

Há várias regiões inóspitas em nosso planeta. Este é o caso dessa zona desértica entre a China e a Mongólia. A seguir, falaremos da fauna do deserto de Gobi, um dos maiores e mais importantes a nível mundial, tanto cultural como historicamente.

Como é a fauna do deserto de Gobi?

Com menos “pressão” do que o Saara, o deserto de Gobi tem uma área de mais de um milhão de km². É uma área com condições climáticas mais que extremas. Dessa forma, entre o dia e a noite, pode haver uma diferença de temperatura de 40°C!

Por isso, a fauna do deserto de Gobi teve que se adaptar ao máximo para sobreviver em um lugar tão inóspito. Não há muitos animais que ‘ousam’ passar ou ficar aqui. No entanto, podemos destacar:

1. Camelo bactriano selvagem

Este é sem dúvida um dos maiores representantes da fauna do deserto de Gobi. Infelizmente, é um dos animais nativos que está em perigo de extinção.

O Camelo bactriano selvagem (imagem que abre este artigo) existe na região há milhões de anos. Tem hábitos diurnos e à noite dorme em espaços abertos, para evitar qualquer perigo. As fêmeas formam grupos familiares de até 30 indivíduos. Os machos, por outro lado, vagam sozinhos.

Sua dieta é baseada em gramíneas e arbustos, vegetação seca, plantas espinhosas ou com alto teor de sal. Durante a estação de chuvas, armazena muita gordura em suas duas saliências e isso permite que ele sobreviva no inverno.

2. Urso de Gobi

Infelizmente, o Urso de Gobi também corre um sério risco de extinção, já que sua população não ultrapassa 30 indivíduos adultos e 15 juvenis.

No entanto, um projeto conservacionista os isolou de outros ursos pardos – parentes próximos – a fim de alcançar a reprodução pura dessa subespécie.

Urso de Gobi

O também chamado “urso mongol” alimenta-se de plantas, frutos e raízes e, apenas ocasionalmente, de roedores.

É marrom, seu pelo é grosso e os machos pesam cerca de 140 quilos. As fêmeas, por sua vez, pesam quase a metade (80 quilos).

3. Gerbo da Mongólia

Este roedor é outro dos animais que representam a fauna do deserto de Gobi. Parece um rato, mas tem pelos mais grossos e cauda mais longa.

Prefere áreas arenosas e secas, onde se adaptou para caminhar, pular e construir tocas profundas para passar o dia. À noite, ele sai da caverna para procurar sementes e legumes.

Gerbo da Mongólia

O Gerbo da Mongólia é muito territorial, especialmente as fêmeas em estágio fértil, que podem atacar os machos e outros congêneres para matá-los.

Para diferenciar entre os sexos é necessário prestar atenção à área genital, já que o resto do corpo é igual entre ambos.

Nos últimos tempos, este Gerbo se tornou um animal de estimação muito popular, porque é bem fácil de manter. Além disso, ele é bastante “limpo”, não emite odores fortes e pode viver em pares se a gaiola for grande o suficiente.

4. Burro selvagem

O burro selvagem asiático vive nas estepes, montanhas e, claro, no deserto de Gobi. É mais robusto do que o doméstico e sua cabeça é maior.

Apesar de sua robustez, ele pode correr até 70 km/h em trechos curtos e passar por áreas desérticas em busca de comida ou água. Da mesma forma, pode passar dias sem beber água.

fauna do deserto de Gobi: burro selvagem

O burro selvagem vive em grupos de até 12 indivíduos dominados por um garanhão masculino dominante, o único com “autorização” para se reproduzir.

A cada estação, as fêmeas dão à luz uma única prole que deve deixar a família quando atingir a maturidade, em dois anos. Seu único predador natural é o lobo, além do homem, que o caça por sua carne e pele.

5. Cavalo de Przewalski

O último dos representantes da fauna do deserto de Gobi é também um equino, a única subespécie selvagem do cavalo hoje. Seu nome é uma homenagem ao naturalista russo que explorou a Ásia Central e Oriental e descobriu a espécie.

Cavalo de Przewalski

Este cavalo tem pernas mais curtas do que seus parentes domésticos, embora sua cabeça seja maior.

O pelo é marrom escuro e curto. Além disso, seu focinho é branco, enquanto que a juba e a cauda são pretas. Mede cerca de dois metros e pesa 350 quilos.