A história dos babuínos pacíficos

janeiro 16, 2019
Devemos destacar que muitas das espécies de babuínos exibem comportamento violento com os descendentes e até mesmo com as fêmeas grávidas, que atacam ao ponto de fazê-las abortar.

Conhecer babuínos pacíficos parecia algo impossível. Este gênero de primatas africanos é conhecido por formar grupos enormes em que os machos têm uma hierarquia particularmente forte, então eles geralmente atacam as fêmeas.

Sabemos que várias espécies de babuínos atacam os filhotes e até mesmo agridem as fêmeas grávidas para fazê-las abortar. 

No entanto, um cientista descobriu há décadas que nem todos os grupos de babuínos realizam essas práticas cruéis.

Babuínos pacíficos: o que é um babuíno?

Babuínos são um gênero de primatas, também chamados de papios, que habitam a savana africana. Eles são primatas de tamanho médio, perdendo apenas para os símios, o gelada e o mandril.

Eles são primatas terrestres, que geralmente andam sobre as quatro patas e têm grandes caninos, no caso dos machos.

Eles têm uma cauda arqueada em forma de cajado e um dimorfismo sexual acentuado, pois os machos são muito maiores.

Estes animais vivem em grupos de mais de 200 indivíduos e têm uma hierarquia marcada com base na dominância. Eles são onívoros, então às vezes caçam roedores ou até mesmo pequenos antílopes.

Dada a sua agressividade, há poucos animas que se atrevem a caçar babuínos: leões, leopardos e crocodilos são alguns dos seus predadores. Esta espécie pode superar os 40 anos de longevidade.

Família de babuínos

A história dos babuínos pacíficos

Robert Sapolsky é uma das vozes mais respeitadas da primatologia. Enquanto Jane Goodall estudou os chimpanzés, e Dian Fossey fez o mesmo com os gorilas das montanhas, Sapolsky dedicou seu trabalho aos babuínos.

Durante várias décadas, esse biólogo estudou um grupo de babuínos conhecidos como “a tropa da floresta”. Claro, e como outros grupos desta espécie, estes não eram babuínos pacíficos.

Babuínos que assaltam aterros sanitários

Os primatas não humanos usam o lixo e a comida humana como fonte extra quando conseguem encontrá-los, semelhante a outros animais selvagens, como é o caso do javali urbano de Barcelona.

Isso aconteceu com os babuínos estudados por Sapolsky. Eles começaram a acessar o lixão de um hotel frequentado por turistas em sua área de estudo, localizado na savana do Quênia.

O hotel descartava seu lixo lá, mas um tráfico turbulento de carne fez com que um infortúnio acontecesse: o hotel descartou carne contaminada com tuberculose, uma doença que afeta muito os primatas.

Quando os babuínos chegaram naquele dia ao lixão, agiram como sempre: o grande babuíno macho liderou o ataque e, seguido por seus “tenentes”, eles foram os primeiros a consumir carne infectada. As fêmeas e animais menos dominantes do grupo comeram apenas os resíduos vegetais que sobraram.

Babuínos bebendo água

Tuberculose e babuínos pacíficos

Como você pode imaginar, comer carne infectada com o vírus da tuberculose causou efeitos devastadores sobre a ‘tropa da floresta’.

Todos os machos dominantes morreram afetados pela doença, uma vez que estes foram os que haviam comido a carne infectada.

Robert Sapolsky ficou indignado com a situação: décadas de sua vida dedicadas a esses animais, para sua pesquisa e conservação, e no final, haviam morrido.

Em outras espécies, como os elefantes, a morte dos líderes pode levar a um verdadeiro desastre: os elefantes órfãos são forçados a mudar de casa, desorientados e sem rumo.

Isso era o que Robert Sapolsky temia, somado à profunda dor de perder seus amigos babuínos.

A mudança de comportamento

Porém, algo inédito aconteceu: o grupo continuou sua vida mudando totalmente sua organização social; a agressão diminuiu e aumentou o ritual de asseio entre eles. De repente, um grupo de babuínos pacíficos se formou.

Os machos passaram a respeitar muito mais as fêmeas e as atacavam em muito menor grau. Os níveis de estresse foram reduzidos; uma vez que os machos antes agredidos pelos machos alfa eram agora os líderes.

Os babuínos, como o restante dos primatas, têm cultura e a transmitem. O que aconteceu foi que, quando novos membros do grupo chegaram, a tropa da floresta lhes ensinou esse comportamento mais pacífico.

Assim, a ‘tropa da floresta’ agora vive uma vida muito mais pacífica. Os babuínos pacíficos continuam a transmitir a sua cultura para seus descendentes, mais de uma década depois daqueles incidentes.

Isso demonstra que a cultura dos animais pode dar um giro de 180 graus. Que desculpa os humanos têm para se agredirem se os babuínos pacíficos são uma realidade?