Alergias a picadas de abelha em cães: o que fazer?

As alergias às picadas de abelha em cães se manifestam com lesões que variam desde locais e leves até reações potencialmente mortais.
Alergias a picadas de abelha em cães: o que fazer?

Última atualização: 04 Fevereiro, 2021

Em cada passeio durante a primavera, a preocupação com as alergias a picadas de abelha em cães está presente. Neste espaço, vamos falar sobre o que fazer em caso de alergias a picadas de abelha em cães.

Do que depende o risco em caso de alergias a picadas de abelha em cães?

A gravidade da picada depende dos sintomas que aparecerem. Eles podem variar de leves a graves, dependendo de alguns fatores, que são os seguintes:

  • Tipo e quantidade de veneno: as abelhas podem picar apenas uma vez, pois seus ferrões permanecem presos à pele das vítimas. A dose letal estimada de veneno para mamíferos é de aproximadamente 20 picadas por quilo de peso da vítima.
  • Local da picada: a maioria das lesões afeta partes expostas do corpo, como o rosto e as patas, pois a densa pelagem protege as principais áreas do corpo do animal.
  • O número de picadas juntamente com a sensibilidade da vítima: em cães que sofreram picadas múltiplas, foi observada anemia hemolítica secundária imunomediada. Em casos de envenenamento massivo, a morte pode ocorrer em vítimas que não são alérgicas ao veneno de abelha.

Na literatura, uma grande variedade de picadas de abelha – de 60 a 2460 – tem sido associada à morte de cães. Até mesmo uma única picada pode matar um indivíduo.

De que depende o risco

É importante estar ciente dos riscos apresentados pelas picadas.

O que esperar após a picada?

Se ocorrer uma reação local, o primeiro sintoma será dor, inchaço e vermelhidão na área da picada. No entanto, a dor pode ser a menor preocupação para alguns cães.

As picadas de abelha podem causar uma reação sistêmica, que é uma resposta alérgica séria e com risco de vida.

A maioria das mortes por picadas de abelha é resultante de um choque anafilático que ocorre após uma reação de hipersensibilidade tardia mediada por anticorpos imunoglobulina tipo E (IgE).

O veneno de abelha também pode causar neurotoxicidade diretamente. Essa é a razão da ataxia e da paralisia facial que podem ocorrer em cães vítimas de picadas massivas.

O que você precisa saber sobre picadas de abelhas?

As abelhas têm um ferrão farpado que se desprende do corpo delas e permanece na pele do animal. Por vários minutos após a picada, o saco de veneno no ferrão pode continuar a pulsar e injetar veneno na área.

Sabe-se que a extensão do envenenamento aumenta à medida que aumenta o tempo entre a picada e a remoção do ferrão.

Frequentemente, ouve-se que o ferrão deve ser removido raspando e não puxando. No entanto, um estudo publicado no jornal Lancet relatou que o é mais importante a velocidade de remoção do ferrão do que a maneira como ele é retirado. De acordo com o artigo, não houve diferença na resposta entre picadas raspadas ou puxadas após dois segundos.

O que você precisa saber sobre picada de abelha?

Tratamento das picadas de abelha em cães

Infelizmente, não temos antiveneno para abelhas disponível. Portanto, para tratar os casos de alergia a picadas de abelha, é adotado um tratamento conservador que inclui a administração de agentes anti-histamínicos e corticosteroides por via parenteral e tópica.

Os especialistas consideram que o passo mais importante em relação ao tratamento é remover os ferrões o mais rápido possível para evitar o risco de maior disseminação do veneno no corpo.

Os sintomas de uma reação potencialmente grave geralmente se desenvolvem dentro de 10 a 30 minutos após a picada. É importante estar atento ao inchaço dos olhos e do rosto, que pode causar falta de ar. Outros sintomas incluem baba, vômito, diarreia, fraqueza e colapso.

Como os sinais graves podem se desenvolver rapidamente, é muito importante monitorar seu cão e estar preparado para procurar atendimento veterinário imediatamente. Em casos muito raros, esses sinais podem ocorrer de 12 a 14 horas após a picada.

Nunca dê ao cão qualquer medicamento sem antes consultar o seu veterinário. Se você estiver preocupado com seu animal de estimação, entre em contato com o veterinário para receber uma orientação adequada ao caso.

Pode interessar a você...
A dança das abelhas
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
A dança das abelhas

A dança das abelhas é a forma que esses insetos têm para localizar comida e comunicar essa informação a seus companheiros. Saiba mais aqui!



  • Mughal, M. N., Abbas, G., Saqib, M., & Muhammad, G. (2014). Massive attack by honeybees in a German shepherd dog: description of a fatal case and review of the literature. Journal of Venomous Animals and Toxins including Tropical Diseases, 20(1), 55.
  • Noble SJ, Armstrong PJ. (1999). Bee sting envenomation resulting in secondary immune–mediated hemolytic anemia in two dogs. J Am Vet Med Assoc 214:1026–1027
  • Vetter RS, Visscher PK, Camazine S. (1999). Mass envenomations by honey bees and wasps. West J Med 170(4):223–227.
  • Schmidt OJ, Hassen LVB. (1996). When Africanized bees attack: what you and your clients should know. Vet Med 91: 923–928.
  • Oliveira, E. C., Pedroso, P. M., Meirelles, A. E., Pescador, C. A., Gouvêa, A. S., & Driemeier, D. (2007). Pathological findings in dogs after multiple Africanized bee stings. Toxicon, 49(8), 1214-1218.
  • Buckley, G. J., Corrie, C., Bandt, C., & Schaer, M. (2017). Kidney injury in a dog following bee sting-associated anaphylaxis. The Canadian Veterinary Journal, 58(3), 265.
  • Walker, T., Tidwell, A. S., Rozanski, E. A., DeLaforcade, A., & Hoffman, A. M. (2005). Imaging diagnosis: acute lung injury following massive bee envenomation in a dog. Veterinary Radiology & Ultrasound, 46(4), 300-303
  • Visscher, P. K., Vetter, R. S., & Camazine, S. (1996). Removing bee stings. The Lancet, 348(9023), 301-302.