O que são os animais decompositores?

Os animais decompositores são aqueles que tratam a matéria orgânica morta para que outros seres microscópicos possam integrá-la em diferentes etapas dos ciclos biogeoquímicos dos ecossistemas.
O que são os animais decompositores?

Última atualização: 24 Junho, 2021

Existem cerca de 8,7 milhões de espécies de seres vivos em todo o planeta Terra. Isso significa que ainda restam 86% dos táxons vivos a descrever no ambiente terrestre, um número que aumenta para 91% no ambiente aquático. O sabemos atualmente é que cada membro de um ecossistema é essencial: desde os animais decompositores até os superpredadores, cada ser vivo executa uma tarefa.

Como Antoine Lavoisier afirmou em sua época, “Na natureza nada se perde e nada se cria, tudo se transforma”. Isso se aplica aos experimentos em física e química, mas também às cadeias tróficas dos ecossistemas naturais. Todo ser vivo que morre é reintegrado ao ciclo da matéria orgânica, pois na natureza nada é desperdiçado. Descubra junto com a gente qual é o papel dos animais decompositores em tudo isso.

O que são os animais decompositores?

A decomposição é um processo que ocorre em qualquer ambiente em que haja matéria viva. Nessas reações, os tecidos orgânicos são transformados em compostos mais simples, como dióxido de carbono, água, açúcares simples e sais minerais. Essa é uma parte essencial do ciclo dos nutrientes, pois graças a ela, a matéria animal morta passa a fazer parte do composto do solo.

Os animais decompositores são aqueles que se alimentam de matéria orgânica em decomposição, como seu nome indica. Como os herbívoros e os carnívoros, são seres heterotróficos, pois utilizam substratos orgânicos para obter energia celular. Em todo caso, eles se diferenciam dos demais porque seu nicho ecológico é o solo, onde abundam os tecidos mortos.

 

Um besouro do esterco carregando fezes.

Tipos de animais decompositores

Em sua acepção mais estrita, os animais decompositores são apenas aqueles que obtêm nutrientes do solo diretamente, por meio de reações químicas. De qualquer modo, para fins informativos também vamos citar nesta lista aqueles que ingerem matéria morta e depois a metabolizam, como os detritívoros, os necrófagos, os xilófagos e outros. Confira tudo a seguir!

Organismos carniceiros

Esses animais não são detritívoros típicos, pois manipulam e consomem grandes quantidades de comida morta. De qualquer forma, são o primeiro passo para que a matéria morta comece a se decompor, pois rasgam mecanicamente os tecidos dos seres mortos e permitem que outras espécies tenham acesso ao interior do cadáver.

Os carniceiros são animais que se alimentam de cadáveres de presas que não caçaram. Alguns dos mais conhecidos são os seguintes:

  • Abutres: são os primeiros a chegar a um cadáver quando o predador abandona sua presa. A ação mecânica realizada por essas aves é essencial, pois abrem a via de acesso a muitas outras espécies de decompositores, geralmente expandindo lesões a partir dos orifícios naturais do corpo da vítima.
  • Hienas: as hienas são mamíferos filiformes associados ao consumo de matéria morta, embora algumas espécies sejam capazes de caçar outros mamíferos.
  • Guaxinins: os guaxinins comem quase qualquer composto orgânico que possam colocar na boca, incluindo matéria morta.
Abutres: animais decompositores.
Um abutre-real se destaca em um grupo de aves carniceiras.

Organismos necrófagos

Embora os termos carniceiro e necrófago muitas vezes sejam usados de forma intercambiável, e isso seja correto, às vezes a necrofagia é associada a animais menores, que se alimentam de matéria orgânica morta em menor escala. A seguir damos alguns exemplos deles nesta lista:

  • Dípteros: as moscas da família Sarcophagidae se especializaram na exploração de matéria morta, pois suas larvas se desenvolvem em corpos em decomposição e no esterco. Se você alguma vez vir carne podre com vermes esbranquiçados em seu interior, com certeza pertencem a esse grupo.
  • Coleópteros: os silfídeos são uma família de coleópteros que inclui mais de 300 espécies, quase todas necrófagas.
  • Himenópteros: as larvas de vespas e formigas geralmente se alimentam de matéria orgânica, portanto, esses animais são frequentemente vistos ao redor de cadáveres e pedaços de comida desperdiçada.

 

Organismos detritívoros

Embora também não possam ser considerados decompositores estritos, os organismos detritívoros são os que mais se aproximam desse significado. Esses animais obtêm energia de detritos e matéria orgânica em decomposição presente no meio ambiente. Eles são a última etapa entre os mundos macroscópico e microscópico, pois quebram a matéria o suficiente para que bactérias e fungos possam usá-la.

Aqui está uma lista dos detritívoros ou iliófagos mais conhecidos:

  • Oniscídeos: comumente conhecidos como “bichos-de-conta”, os oniscídeos são crustáceos isópodes responsáveis por comer matéria orgânica em decomposição no ambiente terrestre. Geralmente, habitam áreas úmidas e afastadas da luz, e têm uma predileção por folhas secas e outras matérias vegetais mortas.
  • Gastrópodes: as lesmas e muitas espécies de caracóis também comem tudo que encontram em seu caminho, o que inclui matéria morta em decomposição.
  • Asteroidea e Holothuroidea: os mares também precisam de seres detritívoros para reciclar a matéria orgânica em decomposição. As estrelas-do-mar e os pepinos-do-mar são responsáveis por essa tarefa.
  • Anelídeos: as minhocas e alguns poliquetas aquáticos são detritívoros estritos, pois se alimentam do carbono presente nos solos. Além disso, com a sua atividade subterrânea arejam a terra, o que favorece o crescimento de várias espécies vegetais.

 

Os isópodes são animais decompositores.

Organismos xilófagos

Os animais xilófagos poderiam ser incluídos no grupo dos detritívoros, mas sua dieta altamente especializada faz com que ganhem uma categoria própria. Esses seres vivos se especializam no consumo de madeira, seja parte de um vegetal vivo ou em decomposição. Sem dúvida, o exemplo mais claro dessa categoria são os cupins (Isoptera).

 

Os cupins são animais em decomposição xilófagos.

Organismos coprófagos

Um animal coprófago é aquele que se alimenta exclusivamente, ou quase exclusivamente, dos excrementos de outros animais. Embora alguns seres vivos, como os coelhos, ingiram suas próprias fezes para reaproveitar os nutrientes, sua principal fonte de alimento são os vegetais, portanto, não podem ser considerados coprófagos. A mesma lógica se aplica a muitas espécies de primatas ou cães.

Os coprófagos estritos são invertebrados. Dentre eles, destacam-se os besouros do esterco, que quebram as fezes dos ruminantes e as carregam em forma de bola para seus ninhos, onde alimentam as larvas. Às vezes, algumas espécies de coleópteros formam suas galerias logo abaixo do esterco, economizando a energia gasta no transporte.

 

Esses besouros estão praticando coprofagia.

Organismos decompositores estritos

Entre os decompositores estritos encontramos fungos e bactérias, pois esses organismos obtêm os nutrientes orgânicos diretamente do solo, sem a necessidade de ingeri-los ou digeri-los. Todos os animais que foram citados até agora quebram a matéria orgânica o suficiente para que esses grupos possam agir sobre ela.

 

Micotoxinas e produção animal

Como você pode ver, existem muitos animais decompositores, especializados em diferentes nichos e tipos de matéria orgânica específica. De qualquer modo, é importante destacar que, quando nos referimos aos “decompositores típicos”, podemos mencionar apenas fungos e bactérias.

It might interest you...
Descubra algumas curiosidades sobre os besouros
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Descubra algumas curiosidades sobre os besouros

Conheça neste artigo algumas curiosidades sobre os besouros, estes insetos que costumam despertar o interesse das crianças.



  • Los Sarcophagidae (Insecta, Diptera) de un ecosistema cadavérico en el sureste de la Península Ibérica, Universidad de Murcia. Recogido a 13 de junio en https://www.um.es/analesdebiologia/numeros/25/PDF/06-LOS%20SARCOPHAGIDAE.pdf
  • Friberg, N., & Jacobsen, D. (1994). Feeding plasticity of two detritivore‐shredders. Freshwater Biology, 32(1), 133-142.
  • Flecker, A. S. (1996). Ecosystem engineering by a dominant detritivore in a diverse tropical stream. Ecology, 77(6), 1845-1854.
  • Yang, L. H. (2006). Interactions between a detrital resource pulse and a detritivore community. Oecologia147(3), 522-532.
  • Scheu, S., Theenhaus, A., & Jones, T. H. (1999). Links between the detritivore and the herbivore system: effects of earthworms and Collembola on plant growth and aphid development. Oecologia, 119(4), 541-551.
  • Boyero, L., Pearson, R. G., Dudgeon, D., Ferreira, V., Graça, M. A., Gessner, M. O., … & Barmuta, L. A. (2012). Global patterns of stream detritivore distribution: implications for biodiversity loss in changing climates. Global Ecology and Biogeography, 21(2), 134-141.