Os animais de estimação precisam de psicólogos?

Animais que convivem com humanos também podem sofrer de distúrbios psicológicos, por isso precisam de profissionais que os ajudem a superá-los.
Os animais de estimação precisam de psicólogos?

Última atualização: 29 junho, 2022

A saúde mental é um tema presente na sociedade e no cotidiano. Aos poucos, os preconceitos sobre fazer terapia estão sendo derrubados, e isso está se tornando mais um investimento para o bem-estar. Era de se esperar que esse pensamento fosse transferido para os animais domésticos e a figura do psicólogo para animais de estimação começasse a ser considerada.

A tendência de adoção também desempenhou um papel nisso. Mais e mais pessoas decidem se responsabilizar por animais que foram maltratados ou sofreram excessivamente antes de chegarem às suas mãos. Isso, em muitas ocasiões, leva a problemas comportamentais que exigem a intervenção de um profissional. Portanto, aqui contamos tudo sobre esse tópico, para que você não perca nada.

O que é um psicólogo de animais de estimação?

Um psicólogo de animais de estimação também é conhecido como etólogo. Não é tanto a figura do adestrador, mas a do terapeuta, ou seja, é feito um diagnóstico do comportamento do animal e é lançada uma terapia voltada para a resolução do problema.

Em outras palavras, um etólogo não trabalha apenas a obediência, mas também a educação e o bem-estar emocional de um animal doméstico.

Ressalta-se que o psicólogo também aborda o sofrimento emocional do animal, a comunicação com seu humano e os aspectos de convivência e respeito necessários para garantir o bem-estar de ambas as partes. Um profissional de etologia parte da premissa moral de que os não humanos têm sentimentos e o direito à vida, à liberdade e à ausência de sofrimento.

Um gato encostado na parede.

Os animais de estimação realmente precisam de psicólogos?

Pense em alguém que foi abusado e não suporta ser tocado. Ou em alguém que vive trancado e acaba puxando o cabelo até ficar careca. Você acha que essa pessoa está sofrendo? A resposta é óbvia, sim. Certamente você recomendaria ajuda profissional a esse alguém.

Agora pense em um cachorro recentemente libertado do abrigo e sofrendo de ansiedade de contato humano após anos de espancamentos. Você também pode imaginar um papagaio arrancando suas penas até ficar nu. Transferir a necessidade de ajuda para sua mente e sentimentos não é difícil.

É por isso que muitas pessoas procuram ajuda profissional para seus animais. No final, eles são sensíveis aos transtornos mentais como qualquer ser consciente e muitas vezes os recursos pessoais não são suficientes. Além disso, alguns problemas comportamentais apresentam-se com agressividade ou destruição de pertences, para os quais é necessária terapia a fim de evitar futuros acidentes.

Transtornos mentais mais comuns em animais domésticos

Deve-se entender que um cão que destrói um chinelo não tem um transtorno mental. Aquele que chora, uiva sem parar e destrói a casa quando seu humano sai, sim. Portanto, aqui estão alguns distúrbios psicológicos comuns em animais de estimação:

  • Cães: transtornos compulsivos, fobias, ansiedade de separação, depressão ou problemas de agressividade são alguns dos mais comuns.
  • Gatos: essa espécie sofre muito com os efeitos do estresse, pois são muito sensíveis às mudanças em seu ambiente. Problemas de depressão e ansiedade também são bastante comuns.
  • Psitacídeos: espécies de aves exóticas requerem uma enorme quantidade de estímulo. Na ausência dele (ou na presença de estresse), aparecem patologias de automutilação, depressivas ou obsessivas.
  • Cavalos: como são animais ariscos, sofrem sobretudo de fobias. Eles também sofrem de transtornos obsessivos em cativeiros sem estímulos.
  • Ratos: são animais inteligentes e muito sensíveis. Quando passam por experiências traumáticas, é muito comum que desenvolvam fobias e ansiedade, além de depressão se sofrerem a perda de alguém de seu grupo.

Como você pode ver, existem várias espécies e distúrbios que estão expostos aqui. Ainda assim, esses são apenas alguns exemplos, pois qualquer animal pode sofrer emocional e psicologicamente. Cada vez mais distúrbios estão sendo descritos na psiquiatria veterinária.

Como escolher um psicólogo para os animais de estimação

70% dos cães vivem abandonados.

Agora que você já sabe que os não humanos também sofrem de distúrbios psicológicos e que existem profissionais para tratá-los, você pode estar se perguntando como escolher o melhor. É verdade que é uma profissão em processo de desenvolvimento e que não tem muitos profissionais no mercado, mas existem muitas pessoas comprometidas e muito bem treinadas.

A primeira coisa que você deve pensar é na espécie que você está cuidando, pois o etólogo deve ser especializado nela. Por outro lado, é importante que esteja muito bem documentado e atualizado em sua área.

E, acima de tudo, deve ser alguém firmemente comprometido com o bem-estar de todos os não humanos. Um bom etólogo também o ensinará a entender seu animal e a se ajustar às suas necessidades. Portanto, você também deve estar preparado para revisar seu próprio comportamento e valores. No final das contas, o entendimento entre as espécies para alcançar a felicidade conjunta é mais fácil do que parece, mas às vezes requer um pouco de ajuda.

Pode interessar a você...
Prós e contras de mimar seu animal de estimação
Meus Animais
Leia em Meus Animais
Prós e contras de mimar seu animal de estimação

Mimar um animal de estimação pode levar a sérios problemas de comportamento. Explore esse debate sobre educação animal aqui.



  • McMillan, F. D. (Ed.). (2019). Mental health and well-being in animals. CABI.
  • Clayton, L. A., & Tynes, V. V. (2015). Keeping the exotic pet mentally healthy. Veterinary Clinics: Exotic Animal Practice18(2), 187-195.
  • Cat Behavior Problems: Prevention. (s. f.). Best Friends Animal Society. Recuperado 10 de mayo de 2022, de https://resources.bestfriends.org/article/cat-behavior-problems-prevention