As melhores fábulas sobre cachorros

· maio 2, 2019
Graças a essas breves histórias literárias, as crianças podem aprender de maneira divertida o bom hábito de ler, ao mesmo tempo em que absorvem os ensinamentos que acompanham a moral das fábulas.

Ao longo da história, os animais têm sido protagonistas frequentes de muitas histórias e lendas. A capacidade humana de se solidarizar com eles os torna vetores perfeitos para transmitir valores positivos e até informações de vida. Nas crianças, a influência dessas histórias sobre animais é mais forte. Portanto, não é de se estranhar que, em se tratando do “melhor amigo do homem”, as fábulas sobre cachorros estejam sempre presentes.

Histórias para educar

As fábulas são um gênero literário curto. Em poucas palavras, uma história é construída, quase sempre com um sentido didático e educacional.

Essas histórias são muitas vezes escritas em prosa ou verso; o ponto-chave está na moral, na lição que o protagonista da história aprende e cujo conhecimento vai diretamente para os leitores e ouvintes.

Sua baixa densidade de palavras torna essas fábulas ideais para crianças iniciadas no processo de aprender a ler. Essas histórias também são positivas para aqueles que, desde a mais tenra idade, mostram uma inclinação natural para o hábito da leitura.

Fábulas sobre cachorros

Muitas das fábulas sobre cachorros são herdadas de tradições aborígines ou traduzidas de outras línguas que vão do latim ao italiano.

Gatos, lobos, pássaros e outros animais também participam dessas histórias, que destacam as virtudes e vícios do mundo e do ser humano.

A fábula do cachorro e do gato

A eterna inimizade entre cães e gatos é um elemento clássico da literatura infantil. Nesta fábula, esses inimigos – aparentemente irreconciliáveis ​​- deixam de lado suas diferenças em busca de um objetivo comum: obter comida. A moral é que o egoísmo não leva a nada. Para obter benefícios que favoreçam a todos, sempre será preciso trabalhar em equipe.

Labrador, o cachorro bombeiro

Esta é uma fábula recomendada para crianças com mais de 10 anos com a capacidade de ler de forma fluente. É uma história bastante longa considerando os padrões do gênero, que expõe várias questões durante o seu desenvolvimento: a perseverança e o esforço devem ser dedicados a alcançar os sonhos para aprender a aproveitar as oportunidades que surgem na vida.

Além disso, é uma história em que valores como a coragem e a valentia são destacados, assim como a determinação e o sacrifício. Solidariedade e gratidão são outros tópicos que servem para moldar uma moral acompanhada de um final feliz.

Labrador, o cachorro bombeiro

As duas cachorras

Dentro da literatura antiga também se destacam autores que se doaram inteiramente a construir fábulas moralizadoras. Um deles era Fedro, autor romano da época imperial. Ele não foi reconhecido em sua época, mas foi redescoberto durante a Idade Média.

Um verdadeiro reflexo do seu estilo, “as duas cachorras” é uma história muito curta. É uma metáfora sobre o mal presente no mundo que pode acabar destruindo as pessoas de boa vontade, aqueles que confiam cega e incondicionalmente em seus companheiros.

O cachorro e o pedaço de carne

Muitos consideram o autor dessa fábula sobre cães como o precursor do gênero; estamos falando de Esopo, escritor da Grécia Antiga. “O cachorro e o pedaço de carne” apresenta um argumento muito breve, desenvolvido em verso. A moral: quem não valoriza e não se importa com o que tem vai acabar perdendo.

O cachorro e o pedaço de carne

O cachorro e o sino

Outra fábula atribuída a Esopo; o argumento gira em torno de um cão incapaz de notar seus próprios defeitos. O animal age com malícia e acredita que ser prepotente e arrogante é sinônimo de força. A moral final mostra que a verdade é exatamente o oposto do que ele acreditava.

Um caçador e um cachorro

Essa fábula questiona o modo como os seres humanos podem desprezar os que atingiram a velhice, sem se importar com tudo o que foi entregue incondicionalmente no passado.

O lobo e o cachorro magro

É uma fábula escrita por Jean de La Fontaine, fabulista francês do século XVII. Muitos o consideram um dos maiores do gênero, ao lado dos antigos Esopo e Fedro. Sua moral: “Melhor um pássaro na mão do que dois voando”.

Um século mais tarde, Félix María Samaniego, escritor nascido no País Basco, que se tornou muito popular ao reescrever fábulas de autores clássicos, publicou sua própria versão dessa fábula.