Meu cachorro lambe as patas: por quê?

O seu cão não para de lamber as patas e isso o preocupa? Continue lendo e descubra por que isso acontece.
Meu cachorro lambe as patas: por quê?

Última atualização: 02 Agosto, 2021

Se o seu cão lambe as patas excessivamente, ele pode ter um problema dermatológico, sistêmico ou emocional. Para o tutor, é muito estressante ver como o cão não fica parado e se machuca indiretamente, mas, como todo comportamento na natureza, lamber feridas e outras áreas afetadas tem uma razão evidente.

A saliva dos cães contém muito mais segredos do que pode parecer à primeira vista e, além disso, o motivo para esse comportamento às vezes está longe de ser puramente fisiológico. Se você quiser saber por que seu cachorro lambe as patas de maneira obsessiva e constante, continue lendo.

Por que meu cachorro lambe as patas?

Conforme indicado pelo site profissional Plos One, a saliva dos vertebrados é extremamente importante. Tem várias funções na cavidade oral: umedecer os alimentos, promover a formação do bolo alimentar, lubrificar a mucosa oral, manter a mineralização dos dentes, defender os tecidos e atuar como buffer de pH antes da entrada de determinados alimentos.

Até recentemente, o conhecimento sobre a saliva dos cães era muito limitado. De qualquer modo, graças ao estudo citado, foi descrito que os canídeos apresentam nesse fluido 2532 proteínas com padrões de expressão diferentes dos humanos, 79 deles exclusivos da espécie Canis lupus domesticus.

Muitas dessas proteínas têm função metabólica, mas outras respondem a processos imunológicos, regeneração e diferenciação de tecidos e regulação, entre muitas outras coisas. Conhecendo esses fatos sobre a saliva canina, estamos prontos para explorar algumas das possíveis razões pelas quais seu cão lambe as patas o tempo todo. Não perca!

 

Por que meu cachorro lambe as patas o tempo todo?

Lesões

A mucosa oral dos vertebrados cicatriza mais rápido do que o resto dos tecidos externos, o que indica que a saliva pode ter propriedades regenerativas. Sem entrar em muitos detalhes, verificou-se que esse fluido contém fatores teciduais que promovem a coagulação externa das feridas e, portanto, a recuperação do tecido.

Esse fato é contrastado com estudos da revista Nature, pois foi confirmado que a lambida social em pequenos vertebrados promove a cicatrização precoce de feridas. Portanto, se o seu cão lambe as patas constantemente, é mais provável que ele tenha se machucado durante o passeio com um objeto pontiagudo ou durante o exercício.

Vários experimentos sugerem que a saliva promove a coagulação e a cicatrização das feridas.

Infecções bacterianas

Da mesma forma, a saliva dos cães, e é possível supor que a de todos os vertebrados que lambem também, contém lisozimas, peroxidases, defensinas, cistatinas e anticorpos do tipo IgA. Todas essas palavras se referem a moléculas com atividade autoimune e bactericida, ou seja, que atacam certos patógenos de maneira geral.

E vamos mais longe ainda: alguns estudos mostram que a saliva dos cães conta com propriedades surpreendentes. Por exemplo, limita o crescimento e mata os patógenos Escherichia coli e Streptococcus canis. Quando o seu cão lambe as patas, ele pode estar tentando evitar uma infecção ou lutando contra alguma já estabelecida.

As propriedades bactericidas da saliva não descartam uma consulta com o veterinário. Se o seu cão estiver com desconforto, ele precisa de ajuda profissional.

Seborreia

Na seborreia canina existe um excesso de sebo ou de células mortas na pele, ou de ambas ao mesmo tempo. A epiderme fica”escamosa”, fétida e suja. Nesse quadro clínico, a epiderme do cão é substituída muito rapidamente e as células mortas se acumulam, um evento que geralmente resulta em coceira e desconforto muito evidentes.

Se o seu cão tiver seborreia, ele pode lamber continuamente as patas com a intenção de reduzir a coceira. Esse é sempre um motivo para consultar o veterinário, já que a condição quase sempre ocorre devido a uma doença subjacente. Algumas de suas principais causas são problemas autoimunes, desequilíbrios hormonais e patologias congênitas.

Espinhos e outros corpos estranhos

Os espinhos são um dos maiores inimigos durante o passeio dos cães, principalmente no verão. Esses elementos vegetais podem penetrar nas almofadas das patas do cão a ponto de ficarem invisíveis aos olhos do tutor. Com o passar dos dias, a área fica inflamada e o cachorro começa a se lamber com insistência.

Se o seu cão estiver com um espinho superficial na pele, você pode tentar removê-lo em casa com a ajuda de uma pinça. Em todo caso, em casos mais delicados, é melhor levar o animal imediatamente ao veterinário. Quanto mais tempo passar, maior será a probabilidade de desenvolvimento de infecções secundárias.

Ansiedade e tédio

Como dissemos nas linhas anteriores, nem todos os comportamentos caninos se justificam por uma questão física. Às vezes, um cachorro lambe as patas por falta de estímulo, por tédio ou para canalizar sua ansiedade. Comportamentos sem sentido repetidos são chamados de estereotipias, e a lambida patológica é uma delas.

As estereotipias indicam que algo está errado no ambiente do cão. Elas não obedecem a nenhum motivo fisiológico e podem até ferir o animal. “Caçar moscas” sem parar, morder o rabo compulsivamente, girar ou latir continuamente 24 horas por dia são outras estereotipias que devem ser levadas em consideração.

A causa emocional é abordada quando todas as constantes fisiológicas do animal estão bem. Nesses casos, é hora de buscar ajuda de um educador canino.

Outras causas possíveis

Mostramos as condições mais comuns que podem causar lambidas excessivas em cães, mas também existem muitas outras. Na lista a seguir, citamos brevemente algumas delas:

  • Alergia: as alergias de contato aparecem quando o cão toca em algo que o irrita e que em uma situação normal não é prejudicial. O animal pode se lamber para tentar aliviar a coceira e a inflamação típicas dos processos de hipersensibilidade.
  • Carrapatos: esses artrópodes podem se inserir em quase qualquer parte do corpo do animal, até mesmo entre os dedos das patas. Fique de olho no seu cão após as caminhadas.
  • Problemas gastrointestinais: curiosamente, cães com patologias gástricas tendem a lamber mais superfícies, segundo estudos.
  • Desequilíbrios hormonais: às vezes, patologias que englobam a produção hormonal podem se manifestar de forma epidérmica, incluindo as patas e suas estruturas.

 

Um cachorro com uma perna quebrada

O que fazer quando meu cachorro lambe as patas?

Se o seu cão lambe as patas constantemente, a melhor coisa que você pode fazer é levá-lo ao veterinário para um diagnóstico. Nos casos mais simples, como feridas, espinhos e infecções, bastará desinfetar a área, retirar qualquer corpo estranho, curar a ferida e administrar antibióticos orais ou tópicos para evitar que o animal piore.

Além disso, o cão deverá usar um colar elizabetano enquanto se recupera. A saliva aplicada sobre uma lesão pode ser eficaz em um primeiro momento, mas também é capaz de piorar a condição se as lambidas forem compulsivas ou se o fluido transportar outras bactérias nocivas consigo. Portanto, é sempre melhor confiar a saúde do seu cão a um veterinário e monitorá-lo durante a recuperação.

Pode interessar a você...
Dermatite por Malassezia em cães
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Dermatite por Malassezia em cães

O fungo conhecido como Malassezia em cães, apesar de viver normalmente na pele, pode causar vários distúrbios. Leia mais.



  • Sanguansermsri, P., Jenkinson, H. F., Thanasak, J., Chairatvit, K., Roytrakul, S., Kittisenachai, S., … & Surarit, R. (2018). Comparative proteomic study of dog and human saliva. PLoS One, 13(12), e0208317.
  • Bécuwe-Bonnet, V., Bélanger, M. C., Frank, D., Parent, J., & Hélie, P. (2012). Gastrointestinal disorders in dogs with excessive licking of surfaces. Journal of Veterinary Behavior, 7(4), 194-204.
  • Hart, B. L., & Powell, K. L. (1990). Antibacterial properties of saliva: role in maternal periparturient grooming and in licking wounds. Physiology & behavior, 48(3), 383-386.
  • HUTSON, J. M., Niall, M., Evans, D., & Fowler, R. (1979). Effect of salivary glands on wound contraction in mice. Nature, 279(5716), 793-795.
  • Wang, L., Marti, D. W., & Anderson, R. E. (2019). Development and validation of a simple LC-MS method for the quantification of oxytocin in dog saliva. Molecules, 24(17), 3079.
  • Lucena, S., Coelho, A. V., Capela-Silva, F., Tvarijonaviciute, A., & Lamy, E. (2018). The effect of breed, gender, and acid stimulation in dog saliva proteome. BioMed research international, 2018.