Camuflagem: conheça os animais invisíveis

junho 27, 2018
Essas espécies são capazes de imitarem o ambiente de uma maneira incrível. Tanto que se tornam praticamente invisíveis não só para seus predadores ou presas, mas também para os olhos do ser humano.

Muitos animais tentam se esconder em seu ambiente para evitarem ou confundirem seus predadores através da camuflagem. No reino animal, há várias técnicas diferentes que são usadas para imitar o ambiente. Além disso, um grupo muito importante de animais se camufla, para poderem caçar sem serem detectados.

Camuflagem: todas as maneiras de ser invisível

Os animais criaram algumas estratégias para se confundirem com o meio ambiente. Quando pensamos naqueles que se camuflam, o camaleão logo vem à mente. Entretanto, embora a mudança de cores seja espetacular e apenas alguns animais possam realizá-la, não é a única estratégia.

A maioria dos animais que se camuflam, fazem isso graças às suas cores. Eles são muito parecidos com o que os rodeia e, portanto, são mais difíceis de serem vistos. Não importa o tamanho do animal: de insetos a girafas, muitos usam suas cores para passarem despercebidos.

Camuflagem no fundo do mar

Além disso, outros utilizam a imobilidade. Muitos predadores só podem ver suas presas quando elas se movem. Por isso, escolhem ficar quietos por algum tempo. O bicho-pau ou os peixes planos, que ficam no leito marinho, são difíceis de serem vistos, devido a essa característica.

Outro exemplo de uma camuflagem espetacular é a dos animais que se assemelham fisicamente ao ambiente. Entre eles, lagartos semelhantes a cascas de árvores, dragões-marinhos que se parecem com algas. Além disso, há borboletas que são confundidas com flores.

Existem algumas estratégias diferentes que os animais usam para aumentarem suas chances de sobrevivência. Vamos te dar alguns exemplos:

Bicho-pau

O que conhecemos como bicho-pau é, na verdade, uma família inteira de insetos que conta com quase 3.000 espécies. Eles são conhecidos pela forma de seu corpo, que se assemelha à vegetação em que vivem: folhas, galhos ou ramos.

Camuflagem do bicho-pau

Mas a sua camuflagem não se baseia na forma de seu corpo, uma vez que eles têm muito mais estratégias. Esses animais copiam perfeitamente a cor das folhas em que vivem e conseguem permanecer imóveis por muito tempo. Além disso, eles podem se mover tão lentamente que se torna impossível detectá-los.

Eles vivem em tantas áreas diferentes do planeta que foram capazes de desenvolver corpos muito diferentes. Essa variedade ocorre por causa da forma das folhas ou da cor da madeira em que vivem. Essa família abriga os maiores insetos que conhecemos, com mais de 35 centímetros de comprimento em algumas espécies.

Camaleão

O camaleão é o rei dos animais que se camuflam. Eles são de uma família reptiliana formada por mais de 150 espécies diferentes. A maioria desses animais vive na África central e do sul.

Sua habilidade mais conhecida é a capacidade de mudar de cor para se camuflar com o ambiente. Embora os cientistas apontem que sua mudança de cor é devida a outras circunstâncias, como a temperatura e a hora do dia.

Camuflagem do camaleão

Eles são caracterizados por seus olhos, que podem se mover de forma independente. Além disso, possuem uma língua longa e rápida para apanharem suas presas.

O camaleão consegue mudar de cor graças a células especializadas distribuídas em diferentes camadas da pele. Essas células podem regular os pigmentos de cor que contêm e, portanto, refletem ou mostram diferentes tonalidades e brilhos.

Urutau-grande

O urutau-grande é um pássaro que vive ao norte da América do Sul. É uma ave noturna que se alimenta de mariposas, outros insetos e morcegosEles passam o dia nos galhos desfolhados das árvores e esperam a noite para realizarem suas atividades.

A camuflagem do urutau-grande é baseada em três estratégias. A cor da plumagem é muito semelhante aos troncos em que fica durante o dia. O mesmo padrão dificulta perceber o volume real do animal, criando uma ilusão de ótica.

Camuflagem do urutau-grande

Finalmente, a terceira estratégia é a imobilidade. Unida às outras duas estratégias, isso torna  quase impossível localizá-la durante o dia. Durante a noite, seus grandes olhos entregam sua localização. Apesar disso, nessa parte do dia, o animal já esteja ativo. Por isso, é capaz de se defender por outros meios contra seus predadores.

Dragão-marinho-folhado

O dragão-marinho-folhado – na foto que abre este artigo – é um parente distante dos cavalos-marinhos. A característica que o define é a forma de seu corpo: assemelha-se, em forma e cor, com as algas. Quase todas as suas barbatanas são dedicadas à camuflagem, uma vez que se movimenta com uma barbatana peitoral e duas barbatanas dorsais na cauda.

O dragão-marinho-folhado vive nas costas da Austrália. Embora não seja um parente direto dos cavalos-marinhos, têm muito em comum com eles. Esses animais têm uma dieta semelhante, os machos também carregam os ovos. Ou seja, ignorando todas as barbatanas dedicadas a camuflagem como uma folha, eles têm um corpo semelhante.

A camuflagem é uma estratégia fundamental para a sobrevivência de muitos animais. As presas precisam se esconder e os predadores procuram caçar sem serem vistos.

Em suma, a evolução permitiu aos animais se camuflem de diferentes maneiras, cada uma mais surpreendente do que a outra. Em suma, a natureza é sábia.