As camurças resistentes a um vírus letal

24 Novembro, 2020
Um vírus letal está afetando as camurças dos Pirineus, embora algumas delas pareçam ter uma forte imunidade.

A camurça é um dos primeiros animais selvagens a ser afetado por um vírus perigoso, mais especificamente um pestivírus conhecido como doença da fronteira.

A doença da fronteira

Conhecida no mundo da pecuária, essa doença é inofensiva para o ser humano. No entanto, seus surtos geram uma grande mortalidade nas populações de camurças infectadas, algo que ocorre com todas as populações dessa espécie, presentes nos Pirineus.

Desde 2001, essa doença se espalhou pelos Pirineus, gerando picos de mortalidade de mais de 80%. Em 2005, por exemplo, praticamente toda a população de Alt Urgell e La Cerdanya morreu.

No entanto, uma coisa chamou a atenção dos cientistas: algumas populações de camurças pareciam imunes ao pestivírus. Afinal, no caso de algumas áreas dos Pirineus Orientais, como é o caso da região de Ripollès, parece que elas se mantiveram estáveis.

As camurças resistentes a um vírus letal

A camurça de Ripollès

Um estudo realizado na região por pesquisadores de Saúde Animal e Serviço de Ecopatologia da Fauna Silvestre da Universidade de Barcelona, SEFaS, parece apontar para a causa em um artigo científico sobre o que está acontecendo com a camurça e o pestivírus nessa região.

Existem duas cepas do vírus, duas versões de letalidades diferentes. A cepa mais prejudicial é a que afeta grande parte dos Pirineus Ocidentais, que também inclui as populações de camurças de Andorra.

No entanto, uma segunda cepa, muito menos nociva, conhecida como ‘atenuada’, parece ser a que afetou as populações orientais dos Pirineus. Esse vírus não seria letal e permitiu que as camurças desenvolvessem anticorpos, que seriam semelhantes a uma forma de vacinação natural.

Agora, as camurças de Ripollès são imunes a ambas as cepas, tanto a menos virulenta quanto a que causa mortalidade nas áreas mais ocidentais, o que tornou esses animais imunes à doença da fronteira.

As camurças resistentes a um vírus letal

Um vírus mutante

Os pesquisadores conhecem a natureza do vírus, um vírus RNA que sofre mutações com mais frequência, de modo que novas cepas são comuns, algumas delas como a que afetou essas populações.

As doenças que atingem a fauna silvestre, como essas camurças, podem parecer distantes para nós, mas muitas delas podem afetar a pecuária e até mesmo os seres humanos. Felizmente, os pesquisadores descartam que essas cepas possam afetar ruminantes domésticos.

A camurça é um ruminante encontrado em várias montanhas da Europa e da sua fronteira com a Ásia. Além disso, também foi introduzida em países como Argentina ou Nova Zelândia.

São animais que podem viver a até 3000 metros de altitude e, por isso, podem ser encontrados nas grandes cadeias montanhosas do continente europeu, tais como os Alpes, o Cáucaso ou os Pirineus.

Tanto os machos quanto as fêmeas de camurça são sociáveis e se reúnem na época da reprodução. São animais que não estão em perigo de extinção, mas os pesquisadores estão preocupados com o futuro das populações dos Pirineus devido a esse vírus letal.

Colom‐Cadena, A., Marco, I., Fernández Aguilar, X., Velarde, R., Espunyes, J., Rosell, R., … & Cabezón, O. (2019). Experimental infection with high‐and low‐virulence strains of border disease virus (BDV) in Pyrenean chamois (Rupicapra p. pyrenaica) sheds light on the epidemiological diversity of the disease. Transboundary and emerging diseases.