Chapim-real: habitat e características

A plumagem do chapim-real reflete uma certa quantidade de luz no espectro ultravioleta. Isso significa que ele envia sinais "invisíveis" ao olho humano, mas perceptíveis a outras aves de sua espécie.
Chapim-real: habitat e características

Última atualização: 13 Outubro, 2021

O chapim-real é um pequeno pássaro que se destaca pela coloração marcante de sua plumagem. Esse belo exemplar enfeita os céus com uma vocalização típica em várias áreas devido à sua grande distribuição. Embora não esteja criticamente ameaçado de extinção, está ameaçado pelo desmatamento e pela poluição, por isso é comum o uso de casas-ninho para protegê-lo.

A espécie recebe o nome científico de Parus major e faz parte do grupo dos passeriformes, também conhecidos como pássaros canoros. Leia e aprenda mais sobre esse lindo pássaro.

Habitat e distribuição do chapim-real

Essas aves têm uma distribuição muito ampla, pois cobrem grande parte da Europa e da Ásia. Na Espanha, eles são facilmente encontrados em toda a Península Ibérica, Norte da África e algumas ilhas (como as Ilhas Baleares). Apesar disso, a espécie é altamente dependente da floresta, razão pela qual está ausente em áreas muito desmatadas ou áridas.

Os chapins-reais são pequenos pássaros que fazem ninhos nos buracos das árvores, por isso precisam de florestas abundantes para cumprir seu ciclo de vida. Isso não significa que tenham preferência por algum tipo de árvore, visto que podem ser avistados em coníferas, azinheiras, faias, carvalhos ou matas mistas semelhantes.

Em casos extremos, esse pássaro pode viver em buracos de casas e até dentro de canos de plástico abandonados.

Como é o chapim-real?

O tamanho dessa bela ave é pequeno, já que os exemplares adultos registram medidas entre 12 e 14 centímetros de comprimento e pesam apenas 17 ou 19 gramas. Seus corpos são especializados em se mover através dos galhos, já que suas pernas possuem 3 dedos anteriores e um posterior que lhes permite segurar com firmeza.

A coloração de sua plumagem é a característica mais marcante do chapim-real, já que os tons que apresenta são brilhantes e contrastantes. Por outro lado, sua cabeça é totalmente preta, exceto pelas “bochechas”, pois tem manchas brancas em cada lado do bico. O ventre também vistoso com penas de um amarelo brilhante e uma elegante linha preta no centro.

Já no dorso, essa ave tem plumagem verde-oliva perto da nuca, formando uma faixa clara imperceptível. Suas asas e cauda têm um esquema de cores azul, branco e cinza, então eles se destacam muito quando expostos ao sol.

Um grande chapim.

Dimorfismo sexual

O dimorfismo sexual entre ambos os sexos provavelmente não é muito perceptível, pois a diferença é muito sutil. Por exemplo, nas fêmeas, as cores e tons da plumagem são mais opacos e a faixa preta no peito é mais estreita. Além disso, em termos de corpulência, os machos são maiores e mais pesados que as fêmeas.

Comportamento

Em geral, os chapins-reais são muito sociáveis, pois é possível observá-los voando em bandos compostos por vários exemplares de sua espécie e outros diferentes. Na verdade, esse comportamento é uma adaptação ao seu ambiente, já que estando em um grupo com outras aves, cada ave consegue passar mais tempo se alimentando e menos tempo observando.

Além disso, um estudo publicado pela revista científica Integrative and Comparative Biology descobriu que esse organismo pode ser bastante cauteloso. Esse adjetivo se refere à atenção que dá ao seu ambiente, pois se encontrar um predador em sua área, ficará vigilante por mais tempo.

Os bandos dessas aves são formados por hierarquias, o que significa que ocorrem lutas entre indivíduos para definir um dominante. Embora pareça estranho, os conflitos se resolvem com confrontos em que o objetivo é “tirar penas” do adversário. Os perdedores parecem miseráveis, mas os vencedores se mantêm intactos.

O que o chapim-real come?

Como mencionado antes, o chapim-real tem um corpo adaptado ao seu tipo de dieta e é capaz de empoleirar-se nos galhos e caçar ativamente. Seu habitat é perfeito para encontrar insetos como besouros, grilos, moscas, formigas e borboletas. Contudo, quando a comida é escassa durante o inverno, pode comer algumas sementes.

Um dos maiores problemas que esses organismos enfrentam é a necessidade de nutrientes para sustentar a cor de suas penas. Para superar isso, as aves selecionam as presas com o maior teor de carotenoides. Esse composto está intimamente relacionado à pigmentação, além de cumprir importantes funções metabólicas para o pássaro.

Reprodução

Durante a época reprodutiva, esse pequeno pássaro se torna muito territorial, uma vez que existe uma forte competição para obter uma parceira. Além disso, essa espécie é monogâmica e as uniões geralmente são mantidas até que um dos dois membros morra. Apesar disso, alguns espécimes têm casos extraconjugais e podem até mesmo mudar de parceiro.

A temporada de acasalamento começa entre janeiro e março com um ritual de cortejo que inclui o macho exibindo suas penas eriçadas. Na verdade, uma das características que mais pesam na seleção da fêmea são as bochechas brancas do parceiro. Por esse motivo, quanto maior e mais brilhante for esse traço, maior será a chance de o macho conseguir uma parceira.

Uma vez formado o casal, a fêmea é a única responsável pela construção do ninho. Para isso, utiliza como matéria-prima musgo em combinação com palha, capim seco, lã e penas. Os chapins-reais são pássaros que amam buracos e buracos nas árvores, pois precisam de um lugar isolado para se proteger.

Em alguns casos, esses passeriformes frequentam caixas-ninhos.

A postura ocorre entre março e setembro, e a fêmea bota entre 5 e 9 ovos ao longo dos meses. Os pintinhos vão incubar por pelo menos 13 dias e cada um chocará em seu próprio tempo (com 2 ou 3 dias de intervalo). No caso de o ninho ser atacado e destruído, os pais podem fazer uma postura de reposição que lhes permita assegurar a prole.

Estado de conservação

A União Internacional para a Conservação da Natureza classificou essa ave como uma espécie pouco preocupante. No entanto, isso significa apenas que sua população não é reduzida, o que não diz nada sobre os perigos que enfrenta.

A principal ameaça à espécie é representada pelo ser humano, devido aos processos de urbanização, poluição e desmatamento que causam.

Um grupo de chapins nos galhos.

O chapim-real é uma espécie vulnerável, pois depende das árvores para formar seu ninho e se reproduzir. Se a exploração excessiva dos recursos madeireiros não for resolvida, ela pode ficar ameaçada no futuro.

Pode interessar a você...
A solução do mistério do “pássaro de Atlântida”
Meus Animais
Leia em Meus Animais
A solução do mistério do “pássaro de Atlântida”

Recentemente, um grupo de biólogos conseguiu resolver o mistério do pássaro da Atlântida. Saiba tudo sobre esse animal fascinante aqui.



  • BirdLife International. 2016. Parus major. The IUCN Red List of Threatened Species 2016: e.T22735990A87431138. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2016-3.RLTS.T22735990A87431138.en. Downloaded on 12 September 2021.
  • Tanner, M., & Richner, H. (2008). Ultraviolet reflectance of plumage for parent–offspring communication in the great tit (Parus major). Behavioral Ecology, 19(2), 369-373.
  • Senar, J. C., Figuerola, J., & Domènech, J. (2003). Plumage coloration and nutritional condition in the great tit Parus major: the roles of carotenoids and melanins differ. Naturwissenschaften, 90(5), 234-237.
  • Hegyi, G., Szigeti, B., Török, J., & Eens, M. (2007). Melanin, carotenoid and structural plumage ornaments: information content and role in great tits Parus major. Journal of Avian Biology, 38(6), 698-708.
  • Atiénzar, F., Álvarez, E., Barba, E. (2016). Carbonero común – Parus major. En: Enciclopedia Virtual de los Vertebrados Españoles. Salvador, A., Morales, M. B. (Eds.). Museo Nacional de Ciencias Naturales, Madrid.
    http://www.vertebradosibericos.org/