5 animais que fingem estar mortos

A tanatose é um mecanismo de defesa que visa alterar o comportamento da espécie, para aumentar a probabilidade de sua sobrevivência.
5 animais que fingem estar mortos

Última atualização: 23 Abril, 2021

Como se fossem as melhores peças da Broadway, alguns animais fingem estar mortos para escapar de seus predadores. Esses comportamentos nem sempre funcionam, mas certos seres vivos costumam recorrer a eles quando, literalmente, esgotam todas as opções de fuga possíveis.

Essa ação de se sentar quieto e parecer morto é chamada de tanatose. Esse método é eficaz em muitos ambientes, pois os predadores são atraídos por alimentos vivos e frescos, então, quando veem suas presas “rígidas”, geralmente as deixam em paz. Se você se interessou por essa premissa, continue lendo com a gente.

Os animais que fingem estar mortos

Alguns desses animais estão tão comprometidos com seu papel que vão além de apenas ficar parados para fingir sua morte. Certas espécies também conseguiram imitar o “cheiro” de decomposição, o que lhes dá mais credibilidade. Propriedades organolépticas desagradáveis alertam o predador sobre possíveis doenças e infecções.

Graças a isso, animais que se fingem de mortos conseguem se salvar, desde que tenham um desempenho fantástico. Nas linhas a seguir, apresentamos 5 exemplos de tanatose no reino animal.

1. Colocar tudo para fora ( Didelphis virginiana )

Além de ficar quieto, para fugir da morte por predação é necessário tornar crível a situação. Os gambás-da-virgínia (Didelphis virginiana), além de permanecerem imóveis, fazem seu predador se afastar gerando um odor fétido.

Esses pequenos mamíferos urinam e defecam em si no momento em que se fingem de mortos, permitindo que seu predador perceba o cheiro desagradável e aumentando suas chances de sobrevivência. Exceto para os animais necrófagos, um odor fétido nunca é um sinal atraente.

Os gambás são perigosos?

2. Pequeno e dramático (Leptopelis rufus)

Apesar de serem tão pequenos, esses sapos estão totalmente comprometidos com o show. Comparados aos gambás, esses anfíbios tendem a colocar a língua para fora, deixando a boca aberta durante a apresentação. Mas isso não é tudo, já que esse anuro tem uma glândula que emite um odor semelhante ao de um corpo em decomposição.

Esse sapo parece estar morto e cheira como se o estivesse, mas não está.

O olho de um sapo.

3. O contorcionista (Holotrochus hispanicus)

Os besouros contorcionistas são famosos por serem capazes de dobrar excessivamente o corpo, cabendo até em uma caixa. Sob essa mesma premissa, esses besouros se dobram para evitar que qualquer um de seus membros se projete para fora do corpo.

O que os besouros contorcionistas conseguem com isso? Em nível evolutivo, a explicação é simples: se suas extremidades não forem vistas, eles podem ser confundidos com o solo, tornando-se uma “pedra” qualquer. Com isso, o invertebrado consegue complicar a busca do seu predador.

Esse pequeno inseto realiza essa façanha graças ao fato de ter modificado seu corpo para poder encaixar cada membro em um lugar adequado. Dessa forma, esconde as patas, mantém a forma ovalada do corpo e pode passar despercebido.

4. Atuando como uma cobra (Natrix natrix)

O talento está em todo lugar, só é necessário saber procurá-lo. Essa cobra, além de excelente nadadora, também é boa atriz. Embora não seja tão comum encontrá-la assim, essa cobra tem a capacidade de fingir que está morta, tendo aprendido alguns truques muito curiosos.

Para sua performance, ela se vira, abre a boca e deixa a língua de fora. Além disso, secreta um odor desagradável devido à defecação no processo. Como se não bastasse, essas cobras também usam os olhos a seu favor, pois movem as pupilas em direção às bordas inferiores, o que dá mais credibilidade à performance.

O colar cefálico é uma característica muito característica dessa espécie.

5. Não no meu turno (Nimbochromis livingstonii)

Se você achava que tudo acontecia em terra, vai se surpreender ao saber que também existem atores fantásticos na água. Esse peixe ciclídeo é muito especial, pois utiliza de defesa para o ataque. Às vezes, a tanatose pode ser usada para fins agressivos.

Esse peixe é um predador que finge estar morto, pois para de nadar e vai afundando lentamente. Dessa forma, consegue atrair a atenção de outros necrófagos que tentam comê-lo, momento em que aproveita para caçá-los.

Outro dos animais que fingem estar mortos.

Os mecanismos de defesa das espécies se adaptam ao meio em que vivem, pois procuram sempre a melhor forma de sobreviver, custe o que custar. Fingir a morte é um comportamento bastante importante, pois permite escapar de uma morte certa quando o animal se encontra encurralado.

Os animais sempre priorizam viver mais um dia, mesmo que isso signifique se tornar um artista dramático.

Pode interessar a você...
O que é a tanatose?
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O que é a tanatose?

A tanatose é uma estratégia evolutiva utilizada por animais de diferentes táxons como uma última alternativa para enfrentar os predadores.



  • Rogers, S. M., & Simpson, S. J. (2014). Thanatosis. Current Biology24(21), R1031-R1033.
  • Aragón-Pech, R. A., Ruiz-Piña, H. A., Rodríguez-Vivas, R. I., Cuxim-Koyoc, A. D., & Reyes-Novelo, E. (2018). Prevalence, abundance and intensity of eggs and oocysts of gastrointestinal parasites in the opossum Didelphis virginiana Kerr, 1792 in Yucatan, Mexico. Helminthologia55(2), 119.
  • Humphreys, R. K. & Ruxton, G. D. (2018). A review of thanatosis (dearh feigning) as an anti-predator behaviour. Behavioral Ecology and Sociobiology, 72(2), 22.
  • Valdivieso, J. R. (2019). El viejo truco de “hacerse el muerto” en ranas. Revista de Biología Tropical, Blog-Blog.
  • Outerelo, R., Gamarra, P., Urbaneja, A., Castañera, P., & Monzó, C. (2010). Holotrochus hispanicus nov. sp.(Coleoptera, Staphylinidae, Osoriinae) de Valencia, España y su curioso fenómeno de tanatosis. Boletín de la Real Sociedad Española de Historia Natural.
  • Jelic, D. & Vilaj, I. (2011). Remarks on death feigning in Coronella austriaca (Laurenti, 1768), Natrix natrix (Laurenti, 1768) and Natrix tessellata (Laurenti, 1768). Hyla, 2: 31-33.
  • Tobler, M. (2005). Feigning death in the Central American cichlid Parachromis friedrichsthalii. Journal of Fish Biology, 66(3), 877–881. doi:10.1111/j.0022-1112.2005.00648.x