Como as baleias e outros cetáceos se comunicam?

· janeiro 25, 2019

Por meio dos sons que emitem, os cetáceos se comunicam para se reunir ou alertar sobre a presença de ameaças.

Além disso, ajudam-se quando precisam procurar um parceiro para a reprodução. Pelo toque, eles também são capazes de demonstrar afeto entre os membros de sua família.

Os mamíferos marinhos são animais extremamente sociais, vivendo em um meio com pouca visibilidade: o mar.

É por isso que muitos cientistas ficaram surpresos ao saber como as baleias e outros cetáceos se comunicam.

Como os cetáceos se comunicam?

Há diferentes tipos de comunicação e, certamente, a comunicação acústica é a mais importante para os cetáceos. A transmissão do som através da água é rápida e fluida. Dessa forma, os cetáceos desenvolveram várias formas de comunicação acústica.

É por isso que atividades humanas, como sistemas de transferência de informações ou levantamentos sísmicos, interferem na comunicação entre esses animais. Essas interferências podem levar os cetáceos a encalharem.

Dada a importância do som no mar, os cetáceos têm diferentes tipos de comunicação através do som. Por exemplo, eles podem fazer sons sem usar vocalizações, como bater na água com a cauda para transmitir alertas.

Além disso, também usam o atrito de seus dentes ou golpes com a mandíbula ou barbatanas.

Comunicação entre golfinhos

Um exemplo de como as baleias se comunicam usando o som é quando elas sobem à superfície e voltam para água.

Esse som pode ser detectado por outros animais a dezenas de quilômetros, e sua função é desconhecida. Alguns afirmam que a ação serve simplesmente para eliminar parasitas.

No entanto, outros acreditam que pode permitir a comunicação a longa distância entre os cetáceos.

Como os cetáceos se comunicam?

As baleias barbadas são aquelas que não têm dentes. No entanto, elas têm barba. Esses animais emitem centenas de chamados diferentes.

No entanto, não se sabe bem como eles os produzem, já que não têm cordas vocais. Acredita-se que usem as cavidades que possuem na frente do crânio como enormes caixas de som, que permitem que o canto seja ouvido até mesmo fora da água.

Esses sons podem durar horas, e foi descoberto que podem cobrir mais de três mil quilômetros. A baleia azul emite os sons mais fortes da natureza animal, chegando a até 190 decibéis.

Essa comunicação permite que mantenham contato a centenas de quilômetros e façam chamadas convocando uma reunião, cópula ou avisando sobre ameaças. Acredita-se até que elas têm sons de identificação individual, “chamando” algo semelhante aos seus nomes para outras baleias.

Tudo isso é feito através de diferentes tons. Por exemplo, seus gemidos de baixa frequência podem vir de um pólo da terra para outro e passar por centenas de obstáculos.

Os gritos de contato ou as famosas canções da baleia jubarte são outros exemplos de sons com diferentes funções de comunicação.

Como as baleias dentadas se comunicam?

Quando falamos de baleias dentadas ou odontocetos, nos referimos aos cetáceos que têm dentes. Os golfinhos e as orcas são os odontocetos mais conhecidos.

Os cetáceos dentados produzem os chamados sons pulsados, que podem ser usados ​​tanto para a ecolocalização como para se comunicar.

Esses pulsos são centenas de cliques, emitidos em segundos, e que podem ser combinados com assobios, o que dá à comunicação dos golfinhos uma incrível complexidade.

as baleias e outros cetáceos se comunicam

Ao combinar esses sons, os golfinhos podem realizar a ecolocalização e se comunicar ao mesmo tempo.

Dessa forma, podem organizar perfeitamente suas estratégias de caça. Esses animais também emitem apitos que representam nomes de diferentes indivíduos dentro de um grupo.

Tanto golfinhos quanto orcas e algumas baleias têm apresentado dialetos, dependendo da região onde habitam, um exemplo claro de cultura em animais.

Na medida em que esses dialetos são transmitidos aos seus filhos, podem ser ensinados entre os diferentes grupos.

Outros tipos de comunicação

Esses animais não só se comunicam através de sons, embora não possuam um sistema olfativo desenvolvido e o sentido do paladar não tenha um alto grau de importância para a vida deles.

No entanto, a estimulação visual é importante por meio de comportamentos nas proximidades ou por caracteres de diferenciação sexual, como as presas de zífios ou dos narvais.

Alguns gestos também são usados, especialmente em golfinhos: aberturas de mandíbula para fazer ameaças, movimentos com barbatanas e golpes de cauda são comuns.

O toque também é vital. Golfinhos em grupo esfregam-se uns nos outros constantemente para dar sinais de carinho aos membros da família.

Dessa forma, percebemos como é complicado entender como as baleias e outros cetáceos se comunicam.