Como as baleias respiram?

Apesar de serem animais marinhos, as baleias precisam do oxigênio atmosférico para respirar. Elas o absorvem de uma maneira bastante singular.
Como as baleias respiram?

Última atualização: 19 Julho, 2021

Como todos os animais, as baleias precisam de oxigênio para sobreviver. A respiração das baleias e das outras 86 espécies de cetáceos depende de algumas inspirações, pegando ar na superfície do mar. Apesar de serem animais marinhos, e de seu enorme tamanho, seu corpo requer esse elemento vital, assim como os mamíferos terrestres.

Apesar do grande tamanho desses animais marinhos, seu sistema respiratório é bastante diferente e particular. A principal razão para isso é a ajuda fornecida por um mecanismo que poucos animais aquáticos possuem para sobreviver. A seguir, você encontrará diversas curiosidades que fazem da respiração das baleias um processo único no mundo animal.

A respiração das baleias

As baleias têm um dos maiores pulmões do mundo animal, pois medem mais de 2 metros e seu peso pode ultrapassar 60 quilos. Da mesma forma, sua capacidade pulmonar é de 5000 litros e são capazes de trocar de 80% a 90% do ar de seus pulmões com uma rápida aspiração. Por isso, a baleia leva poucos minutos para capturar oxigênio.

No entanto, existem vários fatores que determinam a frequência com que as baleias emergem para respirar. Um deles é a velocidade com que se movem, pois quanto maior for esse parâmetro, maior será a energia gasta e a necessidade de ar. A respiração das baleias é possível graças a um orifício chamado espiráculo, localizado no topo de suas cabeças.

 

Você sabe como as baleias respiram?

Por onde as baleias respiram?

As baleias não conseguem respirar pela boca, pois possuem dois tubos individualizados para a respiração e a alimentação. Graças a isso, elas podem se alimentar sem que a água do oceano entre em seus pulmões.

O espiráculo acima mencionado reduz os esforços da baleia para respirar e, através dele, ocorre uma troca gasosa bidirecional. No entanto, em uma escala fisiológica, a captação de oxigênio e a liberação de dióxido de carbono no sangue ocorrem nos alvéolos dos pulmões.

O espiráculo é coberto por uma membrana que funciona como uma válvula, cuja função é vedar esse orifício quando o mamífero está relaxado, evitando assim a entrada de água. Por outro lado, as baleias podem expelir CO2 no fundo do mar, criando bolhas, que servem de armadilha para peixes, enquanto na superfície do mar produzem o popular “jato”.

O recorde de mergulho pertence a uma baleia-bicuda-de-cuvier (Ziphius cavirostris) com uma imersão de 137,5 minutos a 2992 metros de profundidade.

Processo de respiração das baleias

Em primeiro lugar, é importante notar que nem todas as baleias têm o mesmo número de espiráculos. No caso das baleias-de-barbatana ou misticetos, são observados 2 orifícios, enquanto os odontocetos têm apenas um. De qualquer forma, o jato é gerado pela grande velocidade com que esses mamíferos esvaziam os pulmões.

O fenômeno é possível graças ao fato de que seus músculos do tórax são muito poderosos e permitem que os pulmões se comprimam em questão de segundos para serem esvaziados. Assim, as baleias podem tirar proveito da maior quantidade de oxigênio, já que após o rápido esvaziamento, é feita uma inspiração lenta para fechar suas vias aéreas e proceder à imersão.

No entanto, as baleias correm um risco, pois os alvéolos que constituem seus pulmões podem entrar em colapso devido às as enormes pressões a que são submetidos. As forças de pressão aumentam durante o mergulho e, para neutralizar essa situação, as baleias comprimem o ar na traqueia e nos bronquíolos. O fornecimento de ar geralmente ocorre entre 50 e 100 metros de profundidade.

Bradicardia em baleias

A bradicardia é um processo na respiração das baleias no qual elas diminuem a frequência cardíaca para economizar mais oxigênio. Isso permite que elas fiquem submersas por muito mais tempo antes de emergirem para respirar novamente. O mecanismo depende da ampla tolerância que as baleias têm para manter o CO2 em seus pulmões por mais tempo, em comparação com outros seres vivos.

Dispersão de oxigênio

Outro método que as baleias usam para suportar tanto tempo sem respirar é enviar oxigênio para seus órgãos vitais através do sangue. No entanto, esse mecanismo é exclusivo para os órgãos que precisam dele, como o coração, o cérebro e os músculos vitais para a natação.

Como as baleias respiram quando dormem?

Ao contrário de outros mamíferos, as baleias precisam sair à superfície para respirar enquanto dormem. Essa tarefa não é tão complexa quanto parece, pois elas têm um sono muito leve conhecido como “sono uni-hemisférico”. Isso permite que um hemisfério do cérebro fique adormecido, enquanto o outro continua a funcionar.

Isso evita que a baleia afunde e não consiga respirar.

 

Uma jubarte com seu filhote.

Como você pôde ver, a respiração da baleia é um dos processos biológicos mais surpreendentes. Sua evolução lhes permitiu se adaptar ao ecossistema marinho sem praticamente nenhum esforço para respirar. Seu particular espiráculo é a ferramenta perfeita para obter o oxigênio atmosférico e, por isso, golfinhos e outros animais também contam com ele.

Pode interessar a você...
O estresse das baleias na Segunda Guerra Mundial
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
O estresse das baleias na Segunda Guerra Mundial

Um estudo da Universidade do Texas e publicado na Nature Communications analisou o estresse das baleias do Pacífico e do Atlântico entre 1870 e 201...



  • Fondear. La respiración de las Ballenas. Recogido el 20 de junio de 2021 de: http://www.fondear.org/infonautic/Mar/Vida_Marina/Ballena_Respiracion/Ballena_Respiracion.htm
  • Fazio, A., Argüelles, M. B., & Bertellotti, M. (2015). Change in southern right whale breathing behavior in response to gull attacks. Marine biology, 162(2), 267-273.
  • Rodriguez de la Gala-Hernandez, S., Heckel, G., & Sumich, J. L. (2008). Comparative swimming effort of migrating gray whales (Eschrichtius robustus) and calf cost of transport along Costa Azul, Baja California, Mexico. Canadian Journal of Zoology, 86(4), 307-313.
  • Wahlberg, M., Frantzis, A., Alexiadou, P., Madsen, P. T., & Møhl, B. (2005). Click production during breathing in a sperm whale (Physeter macrocephalus). The Journal of the Acoustical Society of America, 118(6), 3404-3407.
  • Kramer, D. L. (1988). The behavioral ecology of air breathing by aquatic animals. Canadian Journal of Zoology, 66(1), 89-94.
  • Gray, R. W. (1934). Breathing Movements of Whales. Nature, 133(3369), 797-798.