Como criar gatinhos recém-nascidos

Os gatinhos recém-nascidos são totalmente dependentes da mãe para proteção, calor e nutrição. Se você tiver uma ninhada sob a sua responsabilidade, deverá seguir estas instruções.
Como criar gatinhos recém-nascidos
Georgelin Espinoza Medina

Revisado e aprovado por a bióloga Georgelin Espinoza Medina.

Última atualização: 04 outubro, 2022

Os gatos são animais fofos e encantadores, mas, como qualquer animal de estimação, merecem responsabilidade e atenção. Principalmente quando são pequenos, pois apresentam imaturidade física, fisiológica e imunológica. Quando eles vêm ao mundo, dependem dos cuidados de sua mãe. Se ela não estiver por perto, por qualquer motivo ou circunstância, e você tiver uma ninhada sob seus cuidados, precisará saber como criar gatinhos recém-nascidos.

Os gatinhos nascem com os olhos fechados, indefesos e fracos, mas com alguns reflexos que lhes permitem sobreviver nas primeiras semanas de vida. Eles aprendem tudo com a mãe, que se encarrega de protegê-los e ensiná-los a serem independentes. Por esse motivo, este artigo detalha os requisitos e necessidades que devem ser atendidos em gatinhos recém-nascidos, caso você tenha alguns sob sua responsabilidade. Não deixe de ler nada.

Como nascem os gatinhos?

desmame em gatinhos

As gatas são vivíparas, com um período de gestação que varia entre 64 e 67 dias e um número por ninhada que varia de 1 a 5 filhotes. Os bebês nascem indefesos, com os olhos e ouvidos fechados, de modo que não podem ver nem ouvir durante os primeiros dias de vida. Por outro lado, o paladar, o olfato e o tato são funcionais.

Apresentam reflexos simples que são muito importantes para sua sobrevivência, incluindo chupar, cheirar (para encontrar o mamilo), termotropismo positivo, dirigir-se em direção ao calor (indispensável nos primeiros 4 dias de vida). Além do ânus genital, fornecido pela mãe enquanto os lambe, estimulando assim a micção e a defecação.

Durante o período neonatal, os gatinhos têm movimentos limitados e também são incapazes de regular a temperatura corporal por conta própria. Eles perdem o cordão umbilical entre o quarto e o quinto dia de vida e conseguem abrir os olhos a partir do dia 9 ou 15. O desmame ocorre após 7 ou 8 semanas de nascimento e a partir da 12ª eles se tornam totalmente independentes.

Como criar gatinhos recém-nascidos?

Os gatinhos recém-nascidos são delicados e precisam de muita atenção se a mãe não estiver por perto. Portanto, cuidar deles não é uma tarefa que você pode tomar de ânimo leve. Antes de tudo, você tem que estar ciente da responsabilidade que está assumindo, pois são seres indefesos que dependem totalmente de você. No entanto, não se preocupe, abaixo detalharemos todos os pontos que você deve atender.

Alimentação

Certamente, a primeira pergunta que passa pela sua cabeça é o que o que dar de comer a um gato recém-nascido sem mãe? E embora a resposta seja simples, leite, nem tudo é tão simples. Primeiro, você deve saber que o melhor leite para alimentá-los é o de sua própria espécie, então o ideal seria conseguir outra gata ama-de-leite para ajudar nessa tarefa.

No entanto, existem marcas comerciais substitutas, com todos os requisitos necessários para o desenvolvimento dos gatinhos. A quantidade está indicada nos rótulos dos produtos. Assim, as instruções devem ser seguidas em detalhes. A frequência varia de acordo com a idade. Gatinhos com menos de uma semana de idade tendem a comer com mais frequência, a cada 2-4 horas. Em seguida, a frequência aumenta gradualmente à medida que eles crescem. Outra opção é usar leite caseiro.

Nunca se deve oferecer leite de vaca ou fórmulas para bebês humanos aos gatinhos, pois seu conteúdo nutricional é diferente e não fornece os requisitos para o bom desenvolvimento dos felinos.

É aconselhável usar uma mamadeira ou uma seringa para fornecer o leite ao gatinho recém-nascido. A posição correta é colocar o felino de bruços com a cabeça levemente elevada. Esses bichinhos fofos ganham cerca de 10 a 15 gramas de peso por dia e em 3 semanas você pode começar a incorporar alimentos sólidos, secos ou úmidos.

Também é necessário fornecer leite morno. Para isso, a temperatura deve ser verificada antes de oferecê-lo.

Manter a temperatura do corpo

Os gatinhos recém-nascidos não regulam a temperatura corporal sozinhos. Portanto, eles precisam de ajuda para isso no início. Isso pode ser feito com cobertores ou, se necessário, colocando luvas ou garrafas de água morna nas proximidades. Eles também precisam de uma cama aconchegante com cobertores limpos e macios. Coloque-a em um local seguro, sem correntes de ar, mas não isolada do ruído.

Oferecer estímulos para que possam fazer suas necessidades fisiológicas

Como mencionamos, os gatinhos recém-nascidos recebem um estímulo da mãe para urinar e defecar. Por esse motivo, na ausência da mãe, você pode usar um pedaço de algodão, um pano ou uma gaze levemente umedecida com água morna e passar por todo o corpo dos gatinhas. Lembre-se de enfatizar a região ânus-genital.

Os gatinhos começam a urinar sozinhos por volta das 3 semanas de idade. No entanto, o estímulo deve ser mantido até 4 ou 6 semanas.

Outros aspectos importantes ao criar gatinhos recém-nascidos

Além dos cuidados citados na criação de gatinhos recém-nascidos, outros cuidados igualmente relevantes devem ser levados em conta. Estes são os seguintes:

  • Cuidado com o cordão umbilical: embora o cordão umbilical caia em pouco tempo (entre 4 e 5 dias), você deve estar sempre atento para que essa área não seja infectada.
  • Limpeza: os gatinhos recém-nascidos têm movimentos limitados, por isso podem sujar o seu espaço com fezes e urina. Em condições naturais, sua mãe cuida de tudo. Dessa forma, você terá que manter a higiene, limpando regularmente para evitar que contraiam doenças.
  • Cuidados com os olhos: esta área é uma das mais delicadas e na qual podem aparecer alguns problemas em gatinhos recém-nascidos. Portanto, depois que os gatinhos abrirem os olhos, você deve mantê-los limpos.
  • Carinhos e mimos: os gatinhos merecem contato com outros seres, lembremos que a mãe passa muito tempo com eles, limpando-os, então eles precisam que façamos o mesmo. Dessa forma, você pode aproveitar o tempo de alimentação para passar os dedos pelo corpo dele, imitando as lambidas feitas pelos gatos. Além disso, se tivermos apenas um gatinho, também podemos colocar um relógio por perto para que, com seu tique-taque, ele se sinta em companhia.
  • Sinais de alerta: devemos estar atentos ao comportamento dos nossos gatinhos, ao seu desenvolvimento e à sua alimentação, para sabermos se está tudo a correr bem. Os principais sinais de alerta incluem falta de apetite, baixo peso e presença de diarreia ou vômito. Diante de qualquer sinal incomum, é melhor consultar um especialista.
Gatinho bebendo de uma garrafa

Conclusões

Em suma, criar gatinhos recém-nascidos é uma tarefa enorme, que exige trabalho e responsabilidade, mas que é muito enriquecedora. Ver os seus gatinhos crescerem saudáveis e fortes com a sua ajuda será uma experiência única. Se você tiver alguma dúvida, não hesite em consultar um veterinário, ninguém melhor do que ele para orientá-lo. Lembre-se de que você é responsável por bichinhos fofos e adoráveis que valem qualquer esforço.


Todas as fontes citadas foram minuciosamente revisadas por nossa equipe para garantir sua qualidade, confiabilidade, atualidade e validade. A bibliografia deste artigo foi considerada confiável e precisa academicamente ou cientificamente.


  • Duque-Quintero, M., Benítez-Ceballos, M., Mejía-Gutiérrez, P., & Goez-Tuberquia, V. (2022). Revisión sistemática. Composición química y nutricional de la leche de gata doméstica. Revista Sinergia, 1(11), 7 – 23.
  • Lawler, D. (2008). Neonatal and pediatric care of the puppy and kitten. Theriogenology, 70(3), 384-392.
  • Protección felina. Guía para el cuidado del gatito desde los 0 días de vida. Recuperado el 20 de agosto de 2022, disponible en: https://proteccionfelina.org/userfiles/gu%C3%ADa%20final.pdf
  • Sánchez, A, & Silva, M. (2002). Biología de la gestación en la gata doméstica (Felis catus). Archivos de Medicina Veterinaria, 34(2), 147-156.

Este texto é fornecido apenas para fins informativos e não substitui a consulta com um profissional. Em caso de dúvida, consulte o seu especialista.