Como domesticar um hamster?

· abril 15, 2019
Devido ao seu pequeno tamanho, é necessário um tratamento delicado e tranquilo, mas seguindo uma série de instruções, domesticar um hamster é algo relativamente simples.

A maioria das crianças têm uma predileção especial pelos animais. Uma alternativa acessível em termos de responsabilidade e preço seria um pequeno roedor, mas como podemos domesticar um hamster?

Os hamsters são pequenos roedores pertencentes à subfamília dos cricetídeos. As espécies mais comuns no ambiente doméstico geralmente são o chamado hamster sírio, o hamster Roborovski, o hamster russo, o hamster Campbell e o hamster chinês.

A priori, os cuidados com o hamster são simples quando comparados com os de outros animais de estimação, o que, juntamente com o seu tamanho pequeno e personalidade sociável, fazem dele uma das opções mais populares entre as crianças. No entanto, os hamsters, assim como qualquer outro animal de estimação, exigem um compromisso da parte dos seus donos, e a sua domesticação é a chave para uma convivência satisfatória.

Por outro lado, vale a pena destacar que a tendência de colocar vários exemplares juntos está associada a um comportamento mais agressivo. Em geral, eles são animais territoriais e solitários, de modo que quando sentem que o seu espaço ou alimento está em risco, eles podem ter disputas intensas e até mesmo trágicas.

Os cuidados com o hamster são simples

Conselhos para domesticar um hamster

Algumas dicas para domesticar um hamster são:

  • Ao adquirir um hamster, devemos garantir que ele terá condições de vida adequadas. Assim, não basta comprar uma gaiola espaçosa e cumprir com as tarefas de higiene e nutrição estipuladas. Também é importante que, caso haja crianças, elas sejam conscientes de que o seu animal de estimação não é um brinquedo, mas sim um ser vivo, o que implica respeito e cuidado.
  • Os primeiros dias de convivência devem ser orientados para o reconhecimento do novo ambiente. É aconselhável não tocá-lo ou limitar-se a carícias curtas, feitas a partir do lado de fora da gaiola. De fato, os especialistas afirmam que, devido à sua natureza assustada, é melhor que ele comece a se acostumar conosco através da nossa presença ou da nossa voz.
  • Para tirá-lo da gaiola pela primeira vez, devemos abri-la, mas evitando segurar o animal. Então, devemos estender a nossa mão para que ele comece a nos reconhecer e podemos até mesmo oferecer ração ou algum tipo de ‘prêmio’ para que ele nos veja de forma positiva.
  • Quando percebermos que começa a existir uma certa reciprocidade com o nosso hamster, será a hora de segurá-lo de uma maneira delicada, principalmente por parte das crianças.
Criança beijando hamster

  • Quanto mais tempo passarmos com o nosso hamster e quanto mais ele se acostumar a lidar com pessoas diferentes, mais receptivo às brincadeiras ele será. Assim como qualquer outro animal de estimação, e ainda mais no caso de mamíferos e aves, a estimulação é fundamental. Todos os tipos de bolas, túneis, escadas e rodas vão incentivar tanto a alegria quanto a aprendizagem de novos desafios, além de manter a sua forma física.
  • Embora os brinquedos mencionados acima proporcionem muitos benefícios, o uso indevido de alguns deles pode colocar a saúde do nosso animal de estimação em risco. Um exemplo são as bolas para roedores, nas quais o hamster entra no objeto para rolar fora da gaiola. Se, ao invés de girar com a inércia do corpo dele, o hamster for impulsionado por uma pessoa, a velocidade adquirida pela bola poderia machucá-lo.
  • Além disso, para evitar mordidas, é aconselhável agir com calma e nunca interromper o nosso animal de estimação enquanto estiver comendo, bebendo ou dormindo. Como regra geral, vale a pena destacar que os hamsters geralmente têm um comportamento mais ativo durante a noite ou, na sua falta, no final da tarde.

Todas as dicas citadas aqui mostram que a domesticação de um hamster é bastante intuitiva e, basicamente, requer paciência para criar um vínculo com o dono e também delicadeza, tanto ao acariciar quanto ao brincar com ele. O fato de um hamster ser pequeno e aparentemente simples de lidar em termos de cuidados não deve diminuir o nosso compromisso e respeito por ele.

  • La Madriguera. (2015). Asociación Protectora de Pequeños Animales. Recuperado de http://www.madrigueraweb.org/articulo/cuidados-basicos-de-los-hamsters
  • MedVet. (2016). Hamster information and care recommendations. Recuperado de https://www.medvetforpets.com/hamster-information-care-recommendations/
  • National Geographic Kids. (2014). Hamsters: From the wild to your bedroom. Recuperado de https://kids.nationalgeographic.com/explore/nature/wild-hamsters/