Como é o treinamento dos golfinhos

Estes cetáceos participam de espetáculos contra a própria vontade, porque só em troca de truques receberão comida, e são punidos sem ela. Em cativeiro, eles só vivem cerca de 6 anos, enquanto em liberdade eles podem chegar aos 40 anos.

Nos parques marinhos ao redor do mundo, shows com animais são a atração principal. O que está por trás desses showsComo é o treinamento dos golfinhos? Eles sofrem ou têm uma vida tranquila? Neste artigo, tentaremos responder a essas perguntas.

Treinamento dos golfinhos: palavras a favor

Os cetáceos são animais muito inteligentes, incluindo o golfinho, que é considerado um dos seres com maior capacidade cerebral do mundo. Quando eles estão livres, eles aprendem com suas mães a se comunicarem uns com os outros através de sons, movimentos, saltos e piruetas.

Em cativeiro – por exemplo, em um aquário ou zoológico marinho – o objetivo é trazer essas habilidades para mostrá-las aos espectadores. Segundo as palavras de alguns treinadores de golfinhos, sendo animais sociais, ativos e inteligentes, é mais fácil realizar certos exercícios. Isto significa que, para animais que saltam da água e vocalizam, isso é algo que lhes é natural.

O momento ideal para iniciar o treinamento é quando eles param de se alimentar do leite materno e podem comer alimentos sólidos (peixes). Nesta fase, além disso, é quando o vínculo com o cuidador ou treinador é reforçado.

treinamento dos golfinhos

Alguns exercícios são ensinados em alguns dias e outros requerem mais tempo, como é o caso de saltos dentro dos aros e das brincadeiras com bolas: estas não são comuns em vida selvagem e, portanto, devem ser explicadas do zero.

Treinamento dos golfinhos: palavras contra

Se confiarmos nas afirmações daqueles que trabalham nos oceanários, é claro que podemos pensar que a vida dos golfinhos é perfeita. Eles só têm que brincar por um tempo, fazer exercícios e comer quando fazem algum truque diante do público.

No entanto, nem tudo são flores. Para começar, os golfinhos em cativeiro vivem cerca de seis anos, quando em seu habitat natural – se conseguem se livrar dos perigos atuais, que incluem a caça e pesca pelo homem – podem chegar aos 40 anos.

Ao contrário do que acontece nos oceanos onde vivem, quando um golfinho é capturado por um oceanário ou nasce em cativeiro, ele se move em um espaço muito pequeno: piscinas sem ondas, sem peixes para capturar, sem vegetação…

Quando vemos um show, acreditamos que o treinamento dos golfinhos é pura felicidade. Que é melhor vê-lo pulando e brincando. A realidade é que, para aprender as ‘piruetas’, os treinadores podem ser cruéis com eles e puni-los se não fizerem o que lhes é ordenado. Não é um castigo físico, mas comida: eles só recebem comida quando aprendem.

Você deve ter notado que, no final de uma apresentação, o treinador tira um peixe do saco e o entrega ao golfinho. Não é um prêmio, mas sua refeição. Basicamente, o animal faz suas brincadeiras e truques porque está com fome, e sabe que só se fizer bem será alimentado.

Golfinhos

Para esses mamíferos marinhosos shows não são tão divertidos: é só a forma que eles têm de conseguir comida. Os treinadores têm o balde de comida, daí o poder.

Se os cetáceos estiverem bem alimentados, eles não pularão e não brincarão com a bola… eles não molharão a plateia, não nadarão sobre suas caudas e nem farão qualquer coisa que lhes seja ordenada.

Os golfinhos que vivem em cativeiro são frequentemente agressivos com as pessoas, incluindo o treinador, e com outros de sua espécie. Existem até casos de alguns que causaram a própria morte devido à depressão que sofreram.

Independentemente de como é o treinamento dos golfinhos, devemos ter em mente que os animais não nasceram para viver cercados e nem para serem o entretenimento das pessoas. Pensar que os cetáceos, entre outros, estão felizes por estarem em um recinto onde são alimentados e cuidados diariamente é, talvez, uma maneira de não pensar nas verdadeiras implicações de seu cativeiro.

Como acontece com os zoológicos em geral, mesmo que os animais tenham todo o conforto e que recriem seu habitat natural da melhor maneira possível, estes locais nunca serão melhores do que o ambiente selvagem.

A única exceção são as reservas ou abrigos que recebem animais feridos, doentes ou órfãos e, após algum tempo, estes são devolvidos aos seus locais de origem.

Recomendados para você