Como reduzir o estresse de um papagaio doméstico?

Se você suspeita que o seu papagaio doméstico está estressado, há várias maneiras de ajudá-lo. O segredo é tentar descobrir a causa da ansiedade para intervir de forma adequada.
Como reduzir o estresse de um papagaio doméstico?

Última atualização: 19 fevereiro, 2022

Seu desejo de aliviar o estresse de seu papagaio doméstico é o primeiro passo para resolver esse problema. Mesmo assim, pode ser difícil determinar a causa exata da tristeza ou do estresse de uma ave. Como esses animais não são capazes de expressar seus estados emocionais por meio de palavras, é necessário ficar atento a outros sinais muito mais sucintos.

Por esse motivo, considere procurar um veterinário ou um treinador de aves – o profissional pode ter informações suficientes para trazer alívio ao seu animal de estimação mais rapidamente. Aqui vamos contar tudo o que você precisa saber sobre o estresse em papagaios e como lidar com a situação em casa.

Quais são os sinais mais comuns de estresse em um papagaio doméstico?

Os papagaios domésticos (família Psittacidae) estão se tornando cada vez mais comuns no âmbito doméstico. Apesar de sua fama de animais amigáveis e sociais, nem todos os tutores sabem que eles requerem muita atenção, uma instalação enorme, socialização constante e enriquecimento ambiental contínuo. Devido à falta de cuidado, é bastante comum um papagaio doméstico desenvolver estresse.

De acordo com estudos profissionais, até 11,7% dos papagaios domésticos danificam as penas, um claro sinal de estresse e ansiedade emocional. Cacatuas e agapornis parecem ser os mais afetados por esse quadro, mas pode aparecer em praticamente qualquer ave em cativeiro. Alguns dos sinais mais óbvios são os seguintes:

  • Vocalização excessiva: podem ser gritos e guinchos repetitivos ou chamados de alerta.
  • Automutilação: destruição de penas. Um papagaio estressado arranca as penas do corpo, mas não consegue alcançar as penas da cabeça. Se a queda for generalizada (também em nível cefálico), é necessário suspeitar de outras doenças.
  • Comportamentos estereotipados: como balançar a cabeça constantemente ou se balançar de um lado para o outro. São comportamentos repetitivos e constantes que não fazem sentido do ponto de vista etológico.
  • Sonolência excessiva ou retraimento, temor ou medo.
  • Medo: o pássaro foge do tutor ou se esconde quando antes era assertivo e sociável.
  • Comportamento agressivo: agressão a pessoas e outras aves. Bater ou morder nas barras da gaiola.
  • Outros sinais: sibilar, ofegar, abanar a cauda, asas afastadas do corpo ou penas erguidas na cabeça também podem ser sinais de estresse.
  • Frequência respiratória aumentada: pode ocorrer com respiração ofegante ou com a boca aberta.
  • Comportamento territorial: a ave pode se mostrar agressiva com outros companheiros da casa quando antes não apresentava nenhuma hostilidade.

Causas de estresse em papagaios

Como você pode ver, a ansiedade e os quadros emocionais nos psitacídeos são muito mais comuns do que parecem à primeira vista. Dissecamos seus principais desencadeadores nas próximas linhas.

Ambiental

Por serem aves que voam, os papagaios costumam percorrer grandes distâncias todos os dias para se alimentar e se reproduzir. Além disso, eles tendem a habitar ambientes úmidos e chuvosos com altas temperaturas temperadas. Como você pode imaginar, a existência em uma gaiola tem pouca semelhança com as condições naturais em que eles se desenvolvem.

Alguns dos fatores ambientais que podem causar estresse em papagaios domésticos são os seguintes:

  • Uma gaiola muito pequena: tudo depende da espécie, mas o ideal é que o espaço seja 1,5 a 2 vezes maior que o diâmetro do animal com as asas estendidas. Se o tamanho do corpo for 60 centímetros, a instalação deve ter 1,20 metros de largura e ser ainda mais alta.
  • Ambiente sujo: os alimentos não consumidos devem ser removidos a cada 24 horas e o substrato deve ser trocado a cada 24-28 horas. Uma limpeza completa da gaiola uma vez por semana também é recomendada. Caso contrário, o animal ficará estressado por condições nada higiênicas.
  • Temperaturas muito baixas: a temperatura ideal para a maioria dos papagaios é entre 20 e 25 °C. Se estiver muito frio, o animal ficará doente.
  • Mudanças constantes na rotina: os papagaios são animais com hábitos fixos e não gostam que nada atrapalhe sua rotina com sobressaltos.

Físico

O estresse pode ser a causa e a consequência do desconforto físico em papagaios. Um animal que está lutando contra uma infecção dolorosa sentirá um desconforto constante, mas a ansiedade também pode ser o agente que causa uma patologia fisiológica. Seja como for, é necessário deixar a ave fora de sua gaiola por pelo menos entre 2 a 3 horas por dia para que ela possa exercitar seus músculos e asas.

Outro fator físico essencial é o descanso. Um papagaio que não dorme bem terá sinais de estresse mais cedo ou mais tarde.

Mental

Os papagaios são animais extremamente inteligentes. Por essa razão, e como já dissemos nas linhas anteriores, eles requerem um estímulo mental constante. Caso contrário, desenvolverão comportamentos autolesivos, estresse, agressividade e muitos outros traços indesejáveis. As estereotipias mencionados acima representam um dos principais sinais de ansiedade emocional nessas aves.

Quando um papagaio repete obsessivamente um comportamento sem motivo, é sempre um péssimo sinal.

Social

Alguns psitacídeos, como os agapornis e os periquitos, são sociais e vivem em casais monogâmicos ao longo de suas vidas. Por esse motivo, é recomendável manter sempre um casal alojado nas mesmas instalações. Algo semelhante acontece com espécies maiores (como o papagaio-cinzento), mas é preciso ter cuidado com o tamanho da instalação. Se não tiverem um grande espaço, esses animais vão acabar se atacando.

Se seu papagaio mora sozinho na gaiola, você precisa interagir com ele por, no mínimo, 2 a 3 horas por dia. Além disso, é essencial que ele tenha itens disponíveis na instalação para se divertir quando você estiver ausente.

O estresse do papagaio doméstico pode ser evitado?

Embora o estresse possa não ser completamente evitável, é melhor prestar atenção aos sinais da ave. Os pontos principais são evitar – se possível – mudanças repentinas no estilo de vida. Para atingir esse objetivo, é vital conhecer as sensibilidades gerais do animal antes de instituir mudanças.

Os papagaios reduzem seu estresse com um acessório

A localização da gaiola, tema nada trivial

O ideal é que a gaiola de um papagaio doméstico seja colocada em uma área do cômodo que proporcione à ave uma visão de seus arredores. O espaço também deve contar com uma seção da gaiola que permita à ave se retirar e ter privacidade, ou seja, ser colocada contra uma parede ou em um canto da sala.

Para aves extremamente tímidas, um lado da gaiola deve ser parcialmente coberto com uma toalha ou cobertor, criando uma área de reclusão. Em qualquer caso, o principal é evitar colocar a gaiola no centro do cômodo, no chão ou em áreas com muito movimento ou muito ruído.

Também é muito importante não colocar a gaiola bem na frente de uma janela, pois outras aves ou mamíferos errantes podem assustar seu papagaio. Além disso, nesses locais geralmente é mais frio do que em outras áreas abrigadas.

Um papagaio doméstico precisa de suas rotinas

É importante manter uma rotina constante de limpeza, alimentação e socialização por parte dos cuidadores. Deve-se notar – embora possa parecer óbvio – que a gaiola do seu papagaio doméstico deve ficar sempre coberta à noite. Como dissemos em linhas anteriores, um papagaio tropical requer um descanso extenso (de até 12 horas) para evitar o estresse.

Certifique-se de fornecer um tratamento amigável

É importante ter em mente que as aves, como são presas, costumam se assustar com movimentos repentinos e ruídos altos. Assim, é pertinente abordar as aves com calma e falar em tons amenos. Lembre-se das seguintes dicas:

  • Mova-se devagar. Se seu pássaro ataca você porque está assustado ou nervoso, afastar-se rapidamente pode deixá-lo ainda mais agitado.
  • Use uma varinha para treiná-lo. Se o seu papagaio doméstico não gosta de ser manuseado, mas você quer ajudá-lo a ser mais social, ofereça-lhe um graveto em vez de sua mão. Se você não estiver fazendo nenhum progresso com isso, consulte um profissional de comportamento animal.
  • Não o assuste. Tente não olhar para ele fixamente nem aparecer em sua gaiola de repente. Além disso, evite manusear seu pássaro usando chapéus ou luvas, pois ele pode não reconhecê-lo e se sentir ameaçado.
  • Outros objetos indesejados. Alguns pássaros se assustam com vassouras ou mangueiras, ou caixas, ou outros objetos desconhecidos que se movem em seu ambiente. Mantenha-os longe da gaiola e tire-os do quarto quando estiverem soltos.
Cara de um papagaio

É uma boa ideia proporcionar atividades de socialização e enriquecimento

Não negligencie o entretenimento. Desafie sua ave com brinquedos estimulantes, uma televisão para assistir, um rádio para ouvir ou algo emocionante para manter seu interesse. Recomenda-se variar os brinquedos e elementos estimulantes a cada semana

Além disso, sua ave pode se beneficiar com um pouco mais de atenção se deixá-lo ficar mais tempo fora da gaiola. Nesse intervalo, ele poderá se exercitar e socializar. Claro, a área deve ser segura e à prova de fuga. O tempo mínimo de saída deve ser de 2 a 3 horas diárias, mas você pode estender o tempo que quiser (sempre respeitando a vontade do animal e suas horas de sono).

Como animais de bando, os pássaros gostam de companhia e costumam se sentir reconfortados. Sem dúvida, eles vivem melhor em pares. Essas aves não devem ser mantidas sozinhas, a menos que seja por razões médicas ou questões de agressividade. Se você tiver apenas um papagaio em casa, dê a ele o máximo de cuidado de qualidade possível a cada dia.

This might interest you...
As incríveis habilidades cognitivas dos papagaios
Meus Animais
Leia em Meus Animais
As incríveis habilidades cognitivas dos papagaios

Os psitacídeos, entre eles os papagaios, são um grupo de aves que, assim como os corvídeos, destacam-se pelas suas grandes habilidades cognitivas.



  • Meehan, C. L., Garner, J. P., & Mench, J. A. (2003). Isosexual Pair Housing Improves the Welfare of Young Amazon Parrots. Applied Animal Behavior Science, 81(1), 73-88.
  • Engebretson, M. (2006). The welfare and suitability of parrots as companion animals: a review. Animal welfare-potters bar then wheathampstead-, 15(3), 263.
  • Ebisawa, K., Nakayama, S., Pai, C., Kinoshita, R., & Koie, H. (2021). Prevalence and risk factors for feather-damaging behavior in psittacine birds: Analysis of a Japanese nationwide survey. PloS one16(7), e0254610.