O comportamento dos pombos

O comportamento dos pombos é versátil e muito gregário, embora alguns detalhes escapem à observação em ambientes urbanos. Conheça-o mais amplamente aqui.
O comportamento dos pombos

Última atualização: 24 Agosto, 2021

Os pombos (família Columbidae) agrupam uma série de aves, como rolas e rolinhas, em um total de 308 espécies. Eles fazem parte da vida humana desde os tempos antigos: dos símbolos religiosos aos estudos científicos do comportamento dos pombos, esses animais alados nos acompanharam desde os primórdios da cultura.

Apesar de vê-los todos os dias em ambientes urbanos e rurais, se não forem observados com atenção não é possível observar a grande inteligência e capacidade de aprendizagem que possuem. Portanto, neste artigo você poderá conhecê-los um pouco melhor.

Comportamento social dos pombos

Os pombos, como você deve ter observado, se movem em bandos de vários indivíduos. Dentro de cada grupo, é estabelecida uma hierarquia bem estruturada por meio de bicadas, mas também podem ser observadas relações horizontais entre os membros. De fato, observou-se que as duas formas de organização, hierárquica e igualitária, podem ser alternadas de acordo com as necessidades.

Também são observados comportamentos agonísticos entre os pombos, especialmente durante a alimentação. Se uma ave dominante vir outro tentando pegar seu alimento, ele o defenderá com atitudes que vão desde o inchaço das penas do pescoço, como uma advertência, até uma briga violenta, em que eles se agarram pelos bicos e se batem com as asas.

A territorialidade também é um comportamento comum, especialmente entre os machos. Isso é conhecido como “direito de poleiro”: o território é marcado com base nos galhos em que cada pombo descansa à noite.

 

Conheça o comportamento dos pombos

Comportamento dos pombos na reprodução

O comportamento dos pombos na reprodução é principalmente monogâmico, uma vez que às vezes os mesmos membros de um casal são encontrados em tempos reprodutivos diferentes. São observadas diversas fases na formação do vínculo. Confira quais são elas na seguinte lista:

  • Cortejo: o macho realiza uma dança de acasalamento que consiste em inflar o papo, arrastando a cauda e movendo-se em círculos ao redor da fêmea. Ele emite uma vocalização específica para esse ritual, semelhante a uma canção de ninar.
  • Aceitação: se a fêmea o aceita como companheiro, ela se aproximará do macho e levantará o rabo enquanto abaixa a cabeça. Esse processo de cortejo e cópula pode ocorrer várias vezes ao longo de uma semana.
  • Nidificação e incubação: os cuidados parentais são equitativos, já que tanto o macho quanto a fêmea incubam e cuidam dos filhotes quando nascem.

O voo dos pombos

A hierarquia, além da organização igualitária, também se refletem na maneira como essas aves voam. Graças à sua incrível capacidade de orientação, elas são capazes de se comunicar entre si e estabelecer rotas ideais para, por exemplo, encontrar recursos e evitar predadores.

Ao perceberem algum distúrbio durante o voo, os primeiros pombos a detectá-lo avisarão os demais e, quando esse alerta chegar aos líderes do bando, eles tomarão um novo rumo e os demais os seguirão. Dessa forma, eles são capazes de improvisar estratégias que os ajudem a sobreviver em ambientes hostis.

Adestramento e inteligência dos pombos

Embora sua enorme capacidade de aprendizagem já fosse reconhecida na antiguidade – basta lembrar dos pombos-correio – essas aves também têm sido um modelo animal recorrente nos estudos de comportamento e aprendizagem. Devido à sua boa visão e capacidade de enxergar cores, a maioria dos experimentos é baseada em associações de objetos codificados por cores.

Nesse tipo de experimento, verificou-se que os pombos não são apenas capazes de discriminar uma infinidade de itens, mas também de ensinar essa habilidade a outros espécimes. Isso foi estudado com estímulos realmente complexos: obras de arte de Van Gogh e Chagall, entre outros.

Além disso, os pombos são capazes de se reconhecer no espelho: são autoconscientes.

A resolução de problemas também não escapa dessas aves: em experimentos em que os pombos eram impedidos de acessar fontes de alimento, eles aprenderam a remover obstáculos para alcançá-las. Além disso, ao mudar a forma e a cor dos obstáculos, eles adaptavam seu comportamento para resolver os novos detalhes da prova.

 

Aves que merecem respeito

Os pombos sofrem um estigma generalizado que os caracteriza como aves sujas e transmissoras de doenças. Embora seja verdade que é comum vê-los parasitados ou doentes em ambientes urbanos, isso ocorre porque seu ambiente é insalubre, e não por sua própria natureza.

Porém, se os preconceitos forem deixados de lado, o que resta nesses seres vivos é o curioso olhar de um pombo e a inusitada iridescência de suas penas. Essas aves merecem respeito e consideração, pois são muito mais inteligentes do que você poderia inicialmente imaginar.

Pode interessar a você...
Rolinhas e pombos que vivem na Espanha
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Rolinhas e pombos que vivem na Espanha

Existem várias espécies de rolinhas e pombos que vivem na Espanha, e a verdade é que poucas pessoas conhecem a variedade de animais que existem.



  • Watanabe, S. (2001). Van Gogh, Chagall and pigeons: picture discrimination in pigeons and humans. Animal Cognition4(3-4), 147-151.
  • Cook, R. G., & Fowler, C. (2014). “Insight” in pigeons: absence of means–end processing in displacement tests. Animal cognition17(2), 207-220.
  • Columba livia (common pigeon). (s. f.). Animal Diversity Web. Recuperado 26 de julio de 2021, de https://animaldiversity.org/accounts/Columba_livia/
  • Pettit, B., Flack, A., Freeman, R., Guilford, T., & Biro, D. (2013). Not just passengers: pigeons, Columba livia, can learn homing routes while flying with a more experienced conspecific. Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences280(1750), 20122160.
  • Williams, C. D., & Biewener, A. A. (2015). Pigeons trade efficiency for stability in response to level of challenge during confined flight. Proceedings of the National Academy of Sciences112(11), 3392-3396.