O comportamento dos tubarões

O comportamento dos tubarões é mais complexo do que se poderia imaginar. Se você quiser conhecê-los melhor e perder o medo, pode começar por aqui.
O comportamento dos tubarões

Última atualização: 21 Julho, 2021

Para a maioria das pessoas, os tubarões são sinônimos de morte súbita ou cenas sangrentas, e até inspiraram filmes de terror. No entanto, o comportamento dos tubarões está longe de ser ameaçador se eles não forem incomodados e se seu ambiente for respeitado.

A melhor maneira de perder o medo desses animais é conhecê-los mais profundamente, o que por sua vez leva ao reconhecimento do valor que eles têm para os ecossistemas marinhos. Portanto, abaixo você encontrará uma compilação dos conhecimentos básicos para descobrir sua verdadeira natureza. Certamente, depois de ler as linhas a seguir, você vai enxergar os tubarões com outros olhos.

Características do tubarão

Os tubarões pertencem à classe dos Chondrichthyes e à ordem dos elasmobrânquios, grupos nos quais são encontrados os peixes cartilaginosos. São animais evolutivamente mais velhos, cujo esqueleto é feito de cartilagem em vez de osso. Isso lhes dá maior elasticidade e resistência, sem adicionar peso corporal.

O seu corpo é normalmente cilíndrico e hidrodinâmico graças às pequenas, quase invisíveis, escamas que o recobrem. Por outro lado, esses peixes não têm bexiga natatória, mas compensam com um grande fígado cheio de óleos de baixa densidade que lhes proporciona a flutuabilidade necessária.

Atualmente, são conhecidas 368 espécies de tubarões, cujo peso e tamanho variam muito de uma espécie para outra. Sua expectativa média de vida é de cerca de 25 anos, embora alguns táxons se caracterizem por viver mais do que outros. Sem ir muito longe, o tubarão-da-groenlândia (Somniosus microcephalus) vive em média 272 anos.

O comportamento dos tubarões é muito diversificado.

Os tubarões habitam todos os oceanos do mundo. Em geral, preferem águas frias em alto mar, pois quando se aproximam da costa é porque estão desorientados. Eles geralmente não vivem em águas muito profundas, então suas presas tendem a viver mais perto da superfície. No entanto, a grande variabilidade de espécies que existe cria exceções a todas essas afirmações.

Por outro lado, é importante destacar que em geral são animais ovovivíparos. A fecundação ocorre dentro da fêmea e ela carregará os ovos até que eclodam, dando à luz os filhotes. Existem também espécies vivíparas e ovíparas.

Os tubarões são carnívoros estritos e caçam presas menores do que eles, principalmente outros peixes e cefalópodes, mas podem ocasionalmente morder animais maiores e arrancar pedaços de carne. Seu sentido de visão é extraordinário, assim como seu paladar, especializado em detectar a gordura corporal de suas presas.

Os tubarões têm um sexto sentido chamado eletrocepção, que os permite detectar os campos elétricos gerados por seres vivos.

O caráter dos tubarões

À medida que o comportamento dos tubarões se torna mais conhecido, a ideia de que a personalidade é exclusiva de seres com inteligência superior é gradualmente desmantelada. Os tubarões não são exceção, pois em cativeiro eles mostraram preferências pessoais por comida e até por cuidadores.

Seu temperamento também varia de um espécime para outro, então alguns tubarões são mais territoriais, agressivos ou sociáveis do que outros. Um estudo de Port Jackson revelou que havia diferenças individuais em situações estressantes e em medidas de destemor diante do desconhecido.

Comunicação dps tubarões

Um tubarão morde durante 3 atividades: comer, explorar ou se defender. Se ele está com fome e descobre um novo objeto, por exemplo, ele vai morder para experimentar, mas se não gostar vai embora. É fácil confundir uma mordida de identificação com agressão.

Os tubarões também usam golpes com o corpo ou a cauda para esse mesmo propósito. Às vezes, acertam a presa para atordoá-la antes de pegá-la com os dentes, pois assim evitam possíveis agressões em resposta. Caçar um polvo, por exemplo, não é tarefa fácil para ninguém.

Em tempos de acasalamento, podem ser observados comportamentos de agressão e submissão, nos quais o tamanho corporal desempenha um papel fundamental. Normalmente, o porte do macho influencia seu sucesso reprodutivo, pois ele segura a fêmea com os dentes durante a cópula e deve ser capaz de controlá-la.

Linguagem corporal no comportamento dos tubarões

Embora não vivam em grupos, foram encontradas evidências de que o comportamento dos tubarões inclui comportamentos para se comunicar com seus pares quando eles estão no mesmo lugar. Os mais importantes são os seguintes:

  • Nadar em círculos: esse é um comportamento de reconhecimento do terreno. Dessa forma, os tubarões marcam território e identificam outros tubarões que estão na área.
  • Ataques com a cauda: além de atordoar a presa, também é considerada uma forma de reivindicar um pedaço de comida quando outros predadores estão por perto.
  • Exibição: quando 2 tubarões de tamanho semelhante se encontram, eles nadam juntos para calcular qual deles é o maior. A hierarquia entre eles é estabelecida dessa forma.
  • Ceder a passagem: se a diferença de tamanho for muito evidente, os menores geralmente mudam de direção para evitar os tubarões maiores.
  • Curvar o corpo: esse comportamento é observado quando os tubarões se sentem ameaçados ou em perigo. Geralmente é o sinal que precede um ataque ou uma fuga.
  • Elevação aérea: com certeza você reconhece a famosa imagem de um tubarão emergindo da água com a boca aberta. Acredita-se que se trata de um ato de frustração após uma tentativa fracassada de capturar uma presa.

Comportamento dos tubarões

São animais solitários que devem ser independentes desde o nascimento, uma vez que não realizam cuidados parentais. O comportamento dos tubarões não é muito gregário, exceto em tempos de acasalamento e em locais onde a comida é abundante. Eles podem ser territoriais quando se trata de presas.

Em geral, os tubarões são animais dóceis que nadam em busca de comida. Eles raramente atacam, senão por fome ou autodefesa. No entanto, sua boca é a única coisa que eles possuem para fazer suas explorações, então mordidas de curiosidade às vezes são mal interpretadas como agressões gratuitas.

É possível treinar um tubarão?

Existe uma crença popular de que animais considerados não inteligentes não podem ser treinados. No entanto, em locais onde tubarões são mantidos em cativeiro, um mínimo de manuseio é necessário para manter sua saúde, então é iniciado um treinamento.

Até agora, o processo que mais tem sido realizado com eles é a dessensibilização, que permite que cuidadores e veterinários se aproximem sem causar estresse e evitando perigos. Por meio do reforço positivo e de muita paciência, é possível fazer com que os tubarões se sintam calmos com humanos ao seu redor.

Tubarões como controladores de pragas

O peixe-leão Pterois volitans é uma espécie invasora que está afetando seriamente os recifes de coral do Indo-Pacífico, pois é um grande predador que se reproduz a um ritmo muito elevado. Também é um perigo para banhistas e pescadores, pois seu veneno é capaz de matar um adulto.

Para controlá-lo, um grupo de ambientalistas treinou tubarões-cinzentos-dos-recifes (Carcharhinus amblyrhynchos) no parque marinho de Roatan para que mostrassem preferência por peixes-leão. Posteriormente, eles os soltaram nos recifes que estavam em perigo, reduzindo assim a população desses invasores.

 

Um grupo de tubarões-martelo.

O poder dos tubarões como controladores de populações é inegável atualmente. Eles são a imagem viva de que os predadores, embora perigosos para os humanos, desempenham um papel insubstituível no equilíbrio dos ecossistemas. Talvez não sejam tão amigáveis quanto os outros animais, mas seu direito à vida é inquestionável.

Pode interessar a você...
Peixes cartilaginosos: habitat, tipos e características
Meus AnimaisLeia em Meus Animais
Peixes cartilaginosos: habitat, tipos e características

A história evolutiva de espécies de peixes cartilaginosos, como tubarões, raias e quimeras, é fascinante. Aprenda mais sobre eles aqui!



  • Byrnes, E.E. and Brown, C. (2016), Individual personality differences in Port Jackson sharks Heterodontus portusjacksoni. J Fish Biol, 89: 1142-1157. https://doi.org/10.1111/jfb.12993
  • Albins, M. A., & Hixon, M. A. (2008). Invasive Indo-Pacific lionfish Pterois volitans reduce recruitment of Atlantic coral-reef fishes. Marine Ecology Progress Series367, 233-238.
  • Klimley, P. A. (1983). Social organization of schools of the Scalloped Hammerhead shark, Sphyrna lewini (Griffith and Smith), in the Gulf of California. UC San Diego Library. https://escholarship.org/uc/item/2qg6s9t5#author
  • Shark Species. (2021). Shark Research Institute. https://www.sharks.org/species